Segunda-feira, 23 de Junho de 2008

O Mané-Mané

O Mané-Mané era um velhote que morava numa barraquinha de platex, cartão e lata. Usava sempre uma boina à francês, preta, e andava ao papelão. Sempre que alguém lhe dava alguma coisa ele dizia obiado! e seguia agradecido até casa repetindo o agradecimento. A miudagem da rua, gostávamos de o ouvir dizer aquilo; dávamos-
-lhe caixas de cartão que arranjávamos só para o ouvir repetir obiado! obiado! obiado!, rua abaixo até casa.
 Depois o Mané-Mané nunca mais se viu e esqueceu. Lembrou-me ainda dele uns tempos após, quando ao depois vi isto no programa Abre-te Sésamo.

 
Os Marretas, Manã-Manã (ou Mané-Mané, cá no meu conceito).


Texto corrigido às 11h35 da noite.

Escrito com Bic Laranja às 21:00
Verbete | comentar
20 comentários:
De Pedro Gonçalves a 24 de Junho de 2008
Era mesmo assim. Boa recordação.
Abraço
De Atentti al Gatti a 24 de Junho de 2008
O "Mané-Mané" viveu os seus últimos tempos numa barraca situada em frente Escola Primária 28 (actual Escola Básica Engº Duarte Pacheco). Não muito longe morava também o "Bolé", outra figura típica. Sinal de que as coisas melhoram com o passar do tempo é que os antecessores dos putos bondosos que lhe davam caixas de cartão, preferiam antes perseguir o pobre do velho, gritando: "ólha o Mané-Mané que matou a mulher à fome", só para o verem correr, num desatino, tentando apanhar, infrutíferamente, algum dos provocadores. A coisa só acabava qundo o "Mané-Mané" desistia, esfalfado, ou aparecia algum adulto que impunha a sua autoridade. Noutras ocasiões, as senhoras que, à janela, davam a sopinha aos meninos intimidavam-nos, apontando-o como sendo o "Homem do Saco". O bom do "Mané-Mané" alinhava na comédia, fazendo cara feia e brandindo o seu inseperável saco de serapilheira. Às vezes os resultados não eram os esperados pois a criancinha, tomada de pânico, desatava em pranto histérico e acabava mesmo por não comer a sopa. Deviam ser os antepassados de algumas criancinhas de hoje, muito atreitas a traumas.
Deve ter falecido por volta de 1974, levando com ele a origem da sua alcunha.
Requiescat in pace.
A.v.o.
De Pitx a 24 de Junho de 2008
Ó attenti, em 1974? Nahhh, morreu bem mais tarde. eu não quero mandar uma data, assim, para o ar, mas lá para 1980 ainda havia a barraca e o seu proprietário. não?
De Atentti al Gatti a 24 de Junho de 2008
Por não ter a certeza da data, iniciei o parágrafo com " Deve ter...". Vi-o, claramente visto, vivinho da costa, aí por Maio de 1974. Mais tarde, constou-se que estava muito doente. Daí a hipótese de ter falecido nesse ano. Ao certo, sei que a barraca sobreviveu bastante mais que o locatário e parece-me que não voltou a ser habitada após a morte deste, o que era comum à época, naquele local.
De Bic Laranja a 24 de Junho de 2008
Eram dois mané-manés.
Cumpts. a todos.
De Atentti al Gatti a 24 de Junho de 2008
Nunca! Mané-Mané há só um, o da Picheleira e mais nenhum! E não está só. Podem juntar-se-lhe, o Vidigal, o Lázaro, o Luís Maluco (este como sócio de mérito, pois tinha domicílio na Qtª do Dr. Lobo, ao Areeiro), a Queijoca, o 27, a Pona, etc.
Ditosa pátria, que tais filhos acarinhaste.
A.v.o.
De Bic Laranja a 25 de Junho de 2008
Houve dois. Tenho a certeza. Na Picheleira, claro.O que o Pitxaime fala é do segundo.
Obrigado pelas coordenadas do Luís Maluco. Tinha uma mota, não era...?
Cumpts. :)
De Atentti al Gatti a 26 de Junho de 2008
Esse mesmo. Tinha uma bela máquina, sim senhor. Uma vez vi-o eu em renhida competição com o triciclo motorizado de um vendedor de fruta, Rua Nova fora, em direcção à Barão de Sabrosa. Se no cagaçal que faziam, ambos os contendores se equiparavam, já em velocidade, o Luís deu um bigode ao triciclo.
As últimas notícias que tive dele, através de uma vizinha, a D. Rosa, foram no Verão de 1998. Estava albergado numa instituição de caridade, para as bandas de Algés. Segundo a mesma fonte, encontrava-se de boa saúde mas, por óbvia falta de espaço, tinha abandonado o motociclismo.
A.v.o.
De Bic Laranja a 26 de Junho de 2008
As coisas que vossemecê se lembra e sabe! É extraordinário!
O Luís Maluco tinha-se-me completamente apagado. Mesmo com todas as corridas que o vi dar na praça do Chile.
Cumpts. :)
De Atentti al Gatti a 29 de Junho de 2008
Obrigado. São as vantagens (se é que há vantagens) da idade: a memória de longo prazo começa a funcionar melhor que a de curto prazo. Ou se calhar é esta que funciona tão mal que a outra parece funcionar melhor.
A.v.o.
De Bic Laranja a 25 de Junho de 2008
Mas o segundo éra um sucedâneo. Não era o homem do saco. Mas dizia 'obiado!'.
Cumpts.
De O Réprobo a 24 de Junho de 2008
Pois a mim o número fez-me lembrar foi o Serafim Saudade, com as duas partenaires.
Abraço
De Bic Laranja a 25 de Junho de 2008
Manã-Manã!
Cumpts. :)
De Pedro Lança Oliveira a 25 de Junho de 2008
Como curiosidade, ficou para a história, que após a sua morte, foram encontradas, no "chão" da sua barraca, montes e montes de moedas que serviram para uma valente festa pela ciganada (versão Valdemar / Toy cigano).
Abraço.
De Atentti al Gatti a 26 de Junho de 2008
Também ouví essa história, mas fiquei sem saber se era verdade, ou apenas uma das lendas que, frequentemente, se constroiem à volta das figuras míticas. As vizinhas mais próximas, a tí Maria Sem Cú ou a Aida do Marreco, já não nos podem elucidar por há muito terem seguido o mesmo caminho do Mané-Mané. Mas ainda um dia, resolvo-me a esclarecer estas lacunas da História e quando, em altura de eleições, voltar à velha Escola Primária para votar (nunca mudei o recenseamento para não perder o gozo de poder, finalmente, entrar impunemente na escola das miúdas. São recalcamentos de infancia) passo na tasca do Zé da Esquina a vêr o que é que descubro. E se não resultar, posso debruçar-me sobre a urna dos votos e bichanar um pedido de esclarecimento ao ouvido da filha da Ana dos Cabritos. Que diabo! Um acontecimento tão infaustoso como o passamento do Mané-Mané (para não falar na "herança") deve ter ficado gravado na memória dos contemporâneos.
De Bic Laranja a 26 de Junho de 2008
Alguém se irá lembrar da Ana dos Cabritos?
De Atentti al Gatti a 27 de Junho de 2008
Talvez aqueles que tiveram a papeira curada com a enxúndia de galinha de excelente qualidade fornecida por ela.
A.v.o.
De Bic Laranja a 26 de Junho de 2008
E depois a barraca foi abaixo. Abraço, amigo!
De Luciana a 28 de Junho de 2008
Lindo!!!...

Maravilhosas as histórias do Mané-Mané e os sons do Manã-Manã!
O primeiro infelizmente não conheci, os segundos revisito-os aqui em casa de vez em quando, na sua versão original em DVD.
Felizmente o som é igual!... :-)
De Bic Laranja a 15 de Julho de 2008
:) Cumpts.

Comentar

Outubro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
16
23
24
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____