De Pedro Lança Oliveira a 25 de Junho de 2008
Como curiosidade, ficou para a história, que após a sua morte, foram encontradas, no "chão" da sua barraca, montes e montes de moedas que serviram para uma valente festa pela ciganada (versão Valdemar / Toy cigano).
Abraço.
De Atentti al Gatti a 26 de Junho de 2008
Também ouví essa história, mas fiquei sem saber se era verdade, ou apenas uma das lendas que, frequentemente, se constroiem à volta das figuras míticas. As vizinhas mais próximas, a tí Maria Sem Cú ou a Aida do Marreco, já não nos podem elucidar por há muito terem seguido o mesmo caminho do Mané-Mané. Mas ainda um dia, resolvo-me a esclarecer estas lacunas da História e quando, em altura de eleições, voltar à velha Escola Primária para votar (nunca mudei o recenseamento para não perder o gozo de poder, finalmente, entrar impunemente na escola das miúdas. São recalcamentos de infancia) passo na tasca do Zé da Esquina a vêr o que é que descubro. E se não resultar, posso debruçar-me sobre a urna dos votos e bichanar um pedido de esclarecimento ao ouvido da filha da Ana dos Cabritos. Que diabo! Um acontecimento tão infaustoso como o passamento do Mané-Mané (para não falar na "herança") deve ter ficado gravado na memória dos contemporâneos.
De Bic Laranja a 26 de Junho de 2008
Alguém se irá lembrar da Ana dos Cabritos?
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.