Sábado, 19 de Julho de 2008

Esta vida de turista! (1/VII/2008)

Leitura

 À sombra. Na calmaria da hora da sesta o tempo dilui-se, sem conversa, sem ruídos humanos ao redor, sem televisão ou rádio marcando ritmos diários ou de qualquer espécie. Uma rola arrulha insistente, namoradeira talvez; atravessa o chilreio constante da passarada mais miúda. Aqui ou acolá soa um gaio. É o que se ouve, mais do que se vê. 
 Após longos minutos de inacção pego num livro. A senhora pergunta-me o que leio...

Na sombra, 1900-10 (Aurelia de Souza)

Ao Algarve por via marítima

  - Vários vapores fazem a viagem dos portos do Algarve, depois de terem tocado em Sines e Vila Nova de Milfontes. Realiza-se pelo menos uma carreira mensal (informar-se na Empresa Nacional de Navegação). Fazendo escala por Lagos, Portimão e Faro, chegam até Vila Real de Santo António, de onde seguem Guadiana acima, uns até Pomarão, outros até Mértola.

 - Nunca mais cá chegávamos.
 - O Guia é 27; quando a vida talvez tivesse o ritmo certo. Hoje há o sobressalto da produtividade que supera tudo.
 - Daí a excelência... 
 E em complemento da resposta ajeita-se na cadeira dando moleza às pálpebras.
 Eu por mim absorvo-me mais no tempo...

Ao Algarve por via fluvial

 « De Lisboa a Beja pelo caminho de ferro de Sul e Sueste; de Beja a Mértola e Mina de S. Domingos por estrada; da Mina a Pomarão pelo caminho de ferro privativo da companhia. Também se pode fazer a excursão fluvial a partir de Mértola. - São frequentes os vapores que descem o Guadiana e raros os dias em que se não efectua alguma carreira.

 De Pomarão para baixo (1) o Guadiana [...] corre esverdeado entre montes abruptos e severos, que à medida que o barco navega vão surgindo sempre uns atrás dos outros - à esquerda a Espanha, à direita Portugal -, os nossos mais pacíficos e às vezes cultivados até ao rio, os dos vizinhos austeros, pedregosos e bravios - grande uniformidade deserta onde aparece, isolada e perdida no cenário, uma ou outra casinha colmada. Diante de nós, a água que anima tudo isto, lisa e unida à proa do vapor, com veios longínquos mais quietos e riscos que estremecem à superfície; e naquela braveza de fragas e vegetação quase negra das encostas, irrompe de quando em quando uma amendoeira, que se entreabre no Inverno em milhares de pequeninas flores, como se toda ela criasse asas. Para longe avistam-se mais serras, serras desta Espanha que daqui se nos afigura esfarrapada e concentrada. E o barco segue, e os montes seguem-nos, encerrando o rio numa série de lagos dormentes, cheios dum encanto melancólico e selvático. Às vezes afigura-se-nos que vamos tocar naquela tremenda barreira lá no fundo, mas o vapor dá uma volta à procura do canal, e entramos noutro lago de encostas cortadas quase a pique sobre as águas. Outra volta, outro lago, este mais amplo, luminoso e azul, cujas margens se entreabrem para nos desvendar um cantinho cultivado e rústico - uma casa, algumas árvores e três palmos de erva muito verde. Desce-se, e o desfile, um pouco severo mas amplo, variado e cheio de luz, vai-se renovando sempre diante dos nossos olhos. É um cone formidável que se destaca dos outros montes; é Alcoutim num fundo risonho de Amendoeiras, com S. Lucar do Guadiana na margem oposta; é sobretudo a vida maravilhosa das águas, que se embebe de todos os tons do azul e dos montes, e que estremece, reluz e modifica a todos os momentos, com uma sensibilidade extraordinária. Os montes agora transformam-se em colinas verdes. Repetem-se com mais frequência as terras cultivadas na nossa margem e às vezes na da Espanha. Quando o monte não acaba a pique, vêem-se sempre na faixa à beira da água alguns pés de oliveira, a negra alfarrobeira e a vinha baixa que se estende até à água. Estamos no Torno da Pinta, que é um dos mais lindos cotovelos do Guadiana. De aqui em diante as curvas do rio são menos acentuadas e começam a distinguir-se os bronzes imóveis da serra de Alcoutim. As povoações surgem muito próximas, Álamos, Laranjeiras, Guerreiros, sempre na nossa margem - e o rio ganha uma amplidão luminosa. O céu esbranquiçou, perdendo e esmalte do Alentejo. O calor aperta mais. Outra povoação, a Foz, na confluência da ribeira de Odeleite, e quase logo na nossa frente uma grande superfície líquida entre terras que foram sucessivamente baixando, dum lado solitárias e envoltas em farrapos, do outro mais humanas e mais ternas. Sente-se já no rosto a viração do mar. Todo o rio estremece em escamas de luz até os grandes plainos verdes e indecisos. À esq. começa a ofuscar-nos a brancura voluptuosa de Ayamonte, tendo à mão direita a interessante vila de Castro Marim, apertada entre dois morros e com o seu castelo enegrecido. Mas já Vila Real tremeluz e aparece na linha baixa e confusa, mergulhada na água, perdida e afogada em sol.»
____
(1) Por Raul Brandão
.

 

[A margem espanhola era mais erma que a portuguesa. Pequenos nadas em que raramente pensam os que sabem que a independência de Portugal só pode ser trabalho do acaso. Por isso é vê-los esvaziar a raia.]

 


Notas:
Excertos de itinerários para o Algarve em Raul Proença, Guia de Portugal, vol. II, Estremadura, Alentejo, Algarve, texto integral que reproduz a 1ª ed. publicada pela B.N.L. em 1927, F.C.G., Lisboa, imp. 1991, pp. 212-214.
Óleo Na Sombra (1900-1910), de Aurelia de Souza, Bragança, Museu do Abade de Baçal.
O bilhete postal de Mértola - vista geral e castello foi circulado de Lisboa, Portugal, para Fontenay, França, em Agosto de 1905. Ed. de F. A. Martins, Camões, 35 – Lisboa. ©
Blog da Rua Nove.

Escrito com Bic Laranja às 10:45
Verbete | comentar
9 comentários:
De MCV a 19 de Julho de 2008
Tenho fotografias de um barco da carreira do Guadiana, ainda nos anos 50.
Um destes dias ponho-as lá na montra.
Abraço
De Bic Laranja a 19 de Julho de 2008
Fico atento. Olhe que na Rede não apanhei nada...
Cumpts.
De T a 19 de Julho de 2008
Belíssimo verbete como sempre. Veio inspirado das férias:)
E repito a pergunta da senhora: Que livro andava a ler?
Cumprimentos:)
De Bic Laranja a 19 de Julho de 2008
Por acaso ainda estou de férias.
No caso peguei no Guia de Portugal e li o trecho «Ao Algarve por via marítima» em voz alta à senhora. Mas por lá andei com Srª Rattazzi, Portugal de Relance.
Obrigado!
De carlosfreitas a 19 de Julho de 2008
Raul Proença, Raúl Brandão e o Blog da Rua Nove.A fina flor da excelência.
De Bic Laranja a 19 de Julho de 2008
Bondade sua sr. Freitas. Obrigado!
De T a 20 de Julho de 2008
E vale a pena ler? Até o Ramalho se abespinhou não foi?
Boas férias então:)
De Bic Laranja a 20 de Julho de 2008
O Camilo foi quem teve grande contenda com Mme. Rattazzi. O livro tem o seu interesse. Muita da maldicência com que nos alvejamos a nós mesmos, hoje, não é original, já ela o notara. Só que, sendo de fora, lhe fica pior a ela dizê-lo.
Cumpts.
De T a 20 de Julho de 2008
Acho que li algures uma certa irritação do Ramalho com ela. Mas agora deu-me vontade de ler. E Vou pesquisar ali da estante.

Comentar

Setembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
17
19
21
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____