Quarta-feira, 3 de Setembro de 2008

Dois prédios na Alameda (três, com o Império)

Vista aérea sobre a Alameda e o Areeiro, Lisboa (A. Nunes, c. 1950)
Fotografia aérea da Alameda e do Areeiro, Lisboa. c.1950.
Abreu Nunes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..


 Há tempos o leitor Attenti comentava comigo na praça do Chile um detalhe duma fotografia aérea da Alameda e do Areeiro que afixei há mais tempo aqui no blogo. Dizia-me ele o seguinte: - "Reparei que, nessa foto, o edifício dos correios tinha sido ocultado. Porque terá sido? Poderá elucidar-me sobre isso, p.f.?" E ciente pela observação da fotografia no Arquivo Fotográfico da C.M.L. aventava, à falta doutra mais capaz, a hipótese dalguma possível lei vigente no Estado Novo que ditasse a ocultação dalguns edifícios públicos por razões de segurança. Ficou na altura o assunto assim, embora o bom amigo Atentti acabasse admitindo que haveria por certo explicação mais prosaica. 
 O Estado Novo tem as costas sempre largas quanto à censura de provas, pese embora outros regimes lhe levem a palma no condicionamento das mentes e dos juízos de valor que, voluntária ou involuntariamente, fazemos a partir daí. - Não me leve o meu estimado leitor a mal este à parte, mas a propaganda não deixa ninguém - por mais avesso que seja - imune ao reflexo condicionado. 
A explicação porém é muito mais simples. Os prédios em questão não estavam construídos à data da fotografia. Admito ter sido construído o prédio dos correios da Alameda e o outro a seguir, que faz esquina com a Rosa Damasceno Actor Isidoro, cerca meados ou do terceiro quartel dos anos 50.

Panorâmica da Alameda tirada da fonte monumental, Lisboa (H. Novaes, c. 1951)
Panorâmica da Alameda tirada da fonte monumental, Lisboa. c.1951.
Horácio de Novaes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 Têm-me inúmeros amigos mandado por correio electrónico (obrigado!) algumas memórias de Lisboa, cuja compilação me parece decorrer dum foro do Skyscraper City. Ora nelas figura uma Panorâmica da Alameda tirada da fonte monumental, de Horácio de Novaes (original no Arquivo Fotográfico da C.M.L. também). Está datada de cerca de 1951. A datação provável deve estar certa; ela é de certeza anterior a 1952, ano em que foi edificado o cinema Império que, como podeis observar nela, acima, ainda não existia. Também do idêntico tamanho das árvores do jardim da Alameda se deduz que a data de ambas as fotografias de cima é aproximada.
 Já esta a seguir mostra o arvoredo mais crescido e os dois prédios que faltavam antes (três, com o Império) aparecem completamente edificados. É de Setembro de 1958, de há meio século, precisamente. Desde então a Alameda mudou pouco. Interessante era ver o que lá havia antes da edificação da fonte monumental. A minha mãe dizia que eram campos...

Alameda de Dom Afonso Henriques, Lisboa (Salvador de Almeida Fernandes, Set. 1958)
Alameda de Dom Afonso Henriques, Lisboa, Set. 1958.
Salvador de Almeida Fernandes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 06:15
Verbete | comentar
8 comentários:
De Pitx a 3 de Setembro de 2008
Gosto particularmente da parte em que se vê a barão de sabrosa - ainda sem o prédio da bomba de gasolina e tal... - e finalmente compreendo - desculpa não ter a tua cultura olissipógrafa - a orientação daquelas casas que ficam(avam?) antes das bombas da mobil (ainda não consigo dizer bp).

Aquele abraço, sempre!

(e inté se vê a rua garrido, vites?)
(ai se a rua garrido falasse...)
De Bic Laranja a 3 de Setembro de 2008
Pois já vês: é o caminho antigo que vinha do Largo de Arroios. As casinhas da banda poente ainda se aguentam?
A Rua Garrido tem muita história; é dos anos 10, 20... E dos anos 80, claro.
Um grande abraço.
De [s.n.] a 3 de Setembro de 2008
Tem razão a Senhora sua mãe. Existem fotografias no Arquivo que documentam a zona da Alameda antes e durante a construção da Fonte Luminosa, e até anteriores à construção da maioria dos edíficios.
Há tambem, pelo menos uma, da parte da Rua do Garrido que foi amputada para dar lugar á Fonte Monumental, criando aquele curioso espaço nas traseiras do edíficio do infantário.
As casas eram todas de piso térreo, assemelhando-se às ainda existentes mais abaixo na Rua Capitão Henrique Galvão.
Bem haja!

De Bic Laranja a 3 de Setembro de 2008
Conheço essa fotografia. Uma fiada de casas como havia na quinta da Feiteira em Benfica ou na das Fontainhas à Venda Nova.
Grato pela lembrança.
De [s.n.] a 3 de Setembro de 2008
... penso que o caminho a que se refere, vindo do Largo de Arroios, era a antiga Estrada de Sacavem que ali tinha inicio. Atravessava o actual Bairro dos Actores, restando ainda aquele pequeno troço que liga a Avª Afonso Costa à Gago Coutinho, junto à bomba de gasolina. Ainda não percebi, no Bairro dos Actores, com que ruas coincidiria na actual malha esta estrada... Capitão Henrique Galvão? do Garrido? Poderá esclarecer-me?
Obrigado
De Bic Laranja a 3 de Setembro de 2008
Era sim senhor.
Acima da Augusto Machado seguia sensivelmente a Carlos Mardel e entroncava com a Azinhaga do Areeiro (Abade Faria) onde hoje a Afonso Costa cruza o enfiamento do velho troço que ainda existe.
Cumpts.
De Atentti al Gatti a 4 de Setembro de 2008
Grato por reter na memória a minha estranheza sobre a mancha que, na foto, ocupa o lugar do edifício dos Correios, na Alameda. Afinal a explicação era mesmo mais prosaica: o edifício não estava lá. Contudo há-de reparar que a tal mancha é demasiadamente regular, tanto nos contornos como no motivo. É estranho não se vislumbrarem quintais ou as traseiras dos outros prédios, p.ex. Também é curioso o prédio ter sido construído tão tardiamente, em relação a todos os outros. Enfim, se calhar é uma ilusão de óptica, semelhante aquela que pôs uma mulher desnuda em pleno Bairro da Guarda.
Sem levar de modo nenhum a mal a sua observação, esclareço que, quando eventei a hipótese de o edifício ter sido obliterado por imposição legal referi-me, expressamente, a imposições decorrentes da possibilidade do país se ver envolvido na II Guerra e não decorrentes, meramente, do regime político de então. Daí o exemplo dos pesados de mercadorias. Mas também não seria de admirar que quem não autorizava as matrículas com FD ou CU ou obrigou o Rexona a travestir-se de Rexina, se imiscuisse nas cores de certos veículos. O que já me admira, é que o governo actual, democrático, se interesse, a alto nível, por 30 mm a mais ou a menos em determinado tipo de parafusos corriqueiros (vd. crónica de José Júdice, in Metro desta 4ªFeira).
A.v.o
De Bic Laranja a 4 de Setembro de 2008
Sim senhor. Relacionou com a II Grande Guerra e eu não o referi. Embora a remissão para a praça do Chile atenue, era pertinente eu tê-lo referido. Peço-lhe desculpa.
Não é de admirar o reflexo condicionado dos governos por regular absurdas trivialidades como parafusos ou galheteiros. É da natureza do Poder. Mas para factos históricos é preciso contextualizar: proibir matrículas (cacofónicas ou não) é uma prerrogativa do Poder administrativo. Tal como mudar E.C.U. para Euro e parece que neste último a ninguém pareceu ridículo. Não estariam também os nossos pais em sintonia com o legislador no caso das matrículas?. Já Rexina foi auto-censura da marca por razões próprias, comerciais, sem intromissões do Poder.
Descontando a relativização histórica no entanto, o paradoxo das normas absurdas sobre o trivial é que o ridículo da norma reflecte-se no legislador. E isso é sempre muito mau sinal.
Cumpts.

Comentar

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____