Quarta-feira, 3 de Setembro de 2008

Quinta do Alperche (ou dos Alperces)

Portal, Calçada da ladeira (E. Portugal, ante 1942)
Portal, Calçada da Ladeira, [ant. 1942].
Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 06:30
Verbete | comentar
22 comentários:
De Santa Nostalgia a 3 de Setembro de 2008
Imponente pórtico. Felizmente nas zonas rurais ainda se vêem vários exemplares, nomeadamente na minha região.

Bom trabalho!
De Bic Laranja a 3 de Setembro de 2008
Vão resistindo alguns. Até ao progresso final.
Cumpts.
De funes, el memorioso a 3 de Setembro de 2008
E ainda há por lá alperces?
De Bic Laranja a 3 de Setembro de 2008
Não. Só uma fonte...
Cumpts.
De Margarida Pereira a 4 de Setembro de 2008
É um tanto estranho, mas as memórias são assim, em tom sépia...; e atrás de uns blocos de granito, abrem-se alas para tempos que insistem em permanecer, por mais que (às vezes) os tentemos enxotar.
Não são postais envelhecidos. São quadros impressos dentro da alma.
Vontades de regresso sufocadas.
Amálgamas de passado secreto com crenças no futuro redentor.
O agora é apenas o caminho.
E este espaço, tão carinhoso com as recordações, um gratificante mapa de tesouros.
De Bic Laranja a 4 de Setembro de 2008
Vontades de regresso mal sufocadas. E tesouros de requinte e gentileza no mapa dos comentários.
Muito obrigado pela visita Dª Margarida Pereira.
De Atentti al Gatti a 7 de Setembro de 2008
Também a minha mãe conheceu a Caçada da Ladeira e a R. do Garrido e suas imediações na era pré-Alameda e dos quais me deu alguns "lamirés" que a minha memória não reteve. Da Calçada da Ladeira só conhecí o troço residual que unia a Barão de Sabrosa ao "abismo" que caía a pique sobre a Alameda, tal como a mostram algumas fotos do Arquivo Fotográfico. Alí fui às compras, num mercado ao ar livre que lá se instalou e alí brinquei entre restos de paredes e pisos cimentados de casas que não conhecí, tal como o portão da foto.
A.v.o.
De Bic Laranja a 7 de Setembro de 2008
Lembro-me desse troço para o abismo, que não percebia bem. E as casas velhíssimas que davam as traseiras à Alameda e que se viam degradadas lá de baixo também não faziam sentido face à monumentalidade da fonte. Não sonhava eu o que de lá brotaria em indo abaixo.
Cumpts.
De Maria ALMEIDA a 18 de Fevereiro de 2020
Nasci na Quinta Do Alperce em 1947. A casa e a quinta foi dos meus avós e pais até que a casa foi vendida 1948. Só restava a casa após duas expropriações. A casa que ainda existe é mesmo a casa da quinta.
De Bic Laranja a 1 de Março de 2020
Não lhe respondi antes porque não me apercebi do seu comentário, desculpe!
Agradeço a nota de vida que trouxe à aridez destas memórias fotográficas que já não lembram a ninguém.
Suponho que se refira aqui à casa da Rua do Garrido de que me fala noutro comentário.
Cumpts.
De Maria ALMEIDA a 1 de Março de 2020
Boa noite
O meu nome é Maria Emília de Matos e Silva de Almeida mas normalmente uso o nome de Emília Matos e Silva que é o meu nome artístico, uma vez que sou pintora. Na minha certidão de nascimento diz que nasci na Alameda Afonso Henriques na quinta do Alperce. Se tiver interesse poderá ver na minha página do Facebook as fotos que lá coloquei à dias. O meu avô comprou a quinta por volta de 1916 ou 1917. Sei isto porque sei que a minha mãe nascida em 1905 tinha onze anos quando foi para lá viver. A casa ainda existe e pertence desde há bastante anos ao Ministério da Segurança Social. Só tive possibilidade de lá entrar recentemente porque uma antiga funcionária superior desse Ministério teve a amabilidade de lá me levar. Eu sai de lá com 6 meses. Já só existia a casa depois de duas expropriações por parte de Duarte Pacheco. Tivemos de vender a casa porque a minha mãe vivia lá com uma irmã mais tinha mais dois outros irmãos que exigiram partilhas.
Vou enviar-lhe um texto escrito pela minha mãe que explica como era a quinta. Eu saí de lá em 1948 e o texto deve ter sido escrito por volta dessa data.
.. com fundo desgosto deixei essa casa, essa querida casa que foi o paraíso da minha adolescência, fonte inesgotável de alegrias sãs, boa saúde física e mental que desde o primeiro dia nela desfrutei. Para uma criança criada na cidade, embora saindo todas as férias para o campo ou para a praia, aquela quinta foi a felicidade. Tinha a parte rústica representada pelas hortas vicejantes e sempre fartas, o pomar sendo além disso semeada de árvores de fruto por todos os recantos e de todas as variedades, com campos de semeadura, searas (coisa que até aí nunca vira de perto). Capoeiras bem providas, cortiços com abelhas, um estábulo com 10 vacas, vinha e latadas encimando as ruas e jardins, nem menos de cinco grandes jardins a abarrotar com flores, adornadas com muros de buxo, de tanques a emprestar frescura e graça a todos eles. Qualidades de árvores de sombra raras: um cacto gigante circular, uma árvore-da-borracha, tamareiras com verdadeiras tâmaras, eucaliptos, pinheiros bravos e mansos, acácias de floração branca, roxa e rosa, olaias e tramangueiras empenachadas de lilás e rosa, oliveiras, que sei eu, de tudo bastante e bem distribuído de forma a encher de sombra aprazível as ruas e bancos de azulejos antigos, porque bem antiga era essa quinta que no portão principal deitando para um pequeno largo na azinhaga do Areeiro, esquina da Calçada da Ladeira, tinha lindo painel de azulejos figurando dois pavões de caudas em leque abertas e policromas e a data de 1726.
Aí vivi e cresci, aí senti pela primeira vez com o contacto diário com a natureza, o encantamento que ela empresta ao campo, no decorrer das estações do ano e as transformações constantes porque assistia deslumbrada, fizeram-me conceber o desejo de descrever o que via, tentando reproduzir em letras e frases o meu sentir. Começaram os primeiros versos (maus versos de péssima poetisa) e os primeiros ensaios literários. Quanto a estudos ….
Há 32 anos Lisboa não era como é hoje. No Largo do Chile terminava a Avenida Almirante Reis e depois rumo ao Areeiro e à Quinta do Alperce, que este era o nome pitoresco da Quinta e que, juntamente com os terrenos e outra Quinta dos Alperces que ainda existe ou existiu no Caminho de Baixo da Penha, pertenceram a Pina Manique, só havia azinhagas entre muros e de leito pedregoso ou terra batida e a Rua do Areeiro, pouco mais larga e também toscamente empedrada, por onde passava o elétrico. Daí por diante e à volta da nossa, quintas de semeadura, mais quintas rústicas ( a do Padre – a do Manuel dos Passarinhos, etc.). Como poderia seguir regularmente os estudos, frequentar um liceu (havia tão poucos para meninas e tão longe!) ter uma educação oficial? Os professores iam dar-me lições a peso de ouro indo o carro do meu pai buscá-los e pô-los novamente em casa ou aonde mais lhes convinha.
Memórias de Fernanda Matos e Silva
De Maria ALMEIDA a 1 de Março de 2020
para melhor esclarecer a casa fica do lado esquerdo de quem sobe a Alameda em direcção à Fonte Luminosa. Fica mesmo ao lado da parte superior da fonte. é uma casa recuada estilo neoclássico, e o acesso é através de um portão e de uma escadaria.
De Maria ALMEIDA a 1 de Março de 2020
Boa noite
O meu nome é Maria Emília de Matos e Silva de Almeida mas normalmente uso o nome de Emília Matos e Silva que é o meu nome artístico, uma vez que sou pintora. Na minha certidão de nascimento diz que nasci na Alameda Afonso Henriques na quinta do Alperce. Se tiver interesse poderá ver na minha página do Facebook as fotos que lá coloquei à dias. O meu avô comprou a quinta por volta de 1916 ou 1917. Sei isto porque sei que a minha mãe nascida em 1905 tinha onze anos quando foi para lá viver. A casa ainda existe e pertence desde há bastante anos ao Ministério da Segurança Social. Só tive possibilidade de lá entrar recentemente porque uma antiga funcionária superior desse Ministério teve a amabilidade de lá me levar. Eu sai de lá com 6 meses. Já só existia a casa depois de duas expropriações por parte de Duarte Pacheco. Tivemos de vender a casa porque a minha mãe vivia lá com uma irmã mais tinha mais dois outros irmãos que exigiram partilhas.
Vou enviar-lhe um texto escrito pela minha mãe que explica como era a quinta. Eu saí de lá em 1948 e o texto deve ter sido escrito por volta dessa data.
.. com fundo desgosto deixei essa casa, essa querida casa que foi o paraíso da minha adolescência, fonte inesgotável de alegrias sãs, boa saúde física e mental que desde o primeiro dia nela desfrutei. Para uma criança criada na cidade, embora saindo todas as férias para o campo ou para a praia, aquela quinta foi a felicidade. Tinha a parte rústica representada pelas hortas vicejantes e sempre fartas, o pomar sendo além disso semeada de árvores de fruto por todos os recantos e de todas as variedades, com campos de semeadura, searas (coisa que até aí nunca vira de perto). Capoeiras bem providas, cortiços com abelhas, um estábulo com 10 vacas, vinha e latadas encimando as ruas e jardins, nem menos de cinco grandes jardins a abarrotar com flores, adornadas com muros de buxo, de tanques a emprestar frescura e graça a todos eles. Qualidades de árvores de sombra raras: um cacto gigante circular, uma árvore-da-borracha, tamareiras com verdadeiras tâmaras, eucaliptos, pinheiros bravos e mansos, acácias de floração branca, roxa e rosa, olaias e tramangueiras empenachadas de lilás e rosa, oliveiras, que sei eu, de tudo bastante e bem distribuído de forma a encher de sombra aprazível as ruas e bancos de azulejos antigos, porque bem antiga era essa quinta que no portão principal deitando para um pequeno largo na azinhaga do Areeiro, esquina da Calçada da Ladeira, tinha lindo painel de azulejos figurando dois pavões de caudas em leque abertas e policromas e a data de 1726.
Aí vivi e cresci, aí senti pela primeira vez com o contacto diário com a natureza, o encantamento que ela empresta ao campo, no decorrer das estações do ano e as transformações constantes porque assistia deslumbrada, fizeram-me conceber o desejo de descrever o que via, tentando reproduzir em letras e frases o meu sentir. Começaram os primeiros versos (maus versos de péssima poetisa) e os primeiros ensaios literários. Quanto a estudos ….
Há 32 anos Lisboa não era como é hoje. No Largo do Chile terminava a Avenida Almirante Reis e depois rumo ao Areeiro e à Quinta do Alperce, que este era o nome pitoresco da Quinta e que, juntamente com os terrenos e outra Quinta dos Alperces que ainda existe ou existiu no Caminho de Baixo da Penha, pertenceram a Pina Manique, só havia azinhagas entre muros e de leito pedregoso ou terra batida e a Rua do Areeiro, pouco mais larga e também toscamente empedrada, por onde passava o elétrico. Daí por diante e à volta da nossa, quintas de semeadura, mais quintas rústicas ( a do Padre – a do Manuel dos Passarinhos, etc.). Como poderia seguir regularmente os estudos, frequentar um liceu (havia tão poucos para meninas e tão longe!) ter uma educação oficial? Os professores iam dar-me lições a peso de ouro indo o carro do meu pai buscá-los e pô-los novamente em casa ou aonde mais lhes convinha. Assim aprendi português com o professor José Portugal, autor do Método Prático de Português e um bom, proficiente e simpático professor que ainda hoje lembro com comovida saudade e grande veneração. Como eu manifestasse desgosto por não tirar o curso do liceu e depois o curso superior de letras, ainda comecei a estudar (em casa) o 1º ano dos liceus,
De Bic Laranja a 2 de Março de 2020
Bom dia!
Obrigado do trecho que teve a amabilidade de transcrever.
Estas memórias de sua mãe estão publicadas?
A descrição é preciosa, especialmente pelo que faz reviver estas quintas e lugares bucólicos do termo de Lisboa, completamente esquecidos. Raramente acho uma composição original relatada na primeira pessoa, como esta, referente à vida realmente vidida nestas quintas. Ninguém hoje faz ideia.

Não sei se viu a planta do projecto inicial da Alameda. Nela vêm descritos os prédios e os proprietários; vem o nome João da Cruz David e Silva apontado à Quinta do Alperce; e percebe-se bem a situação da casa de que falamos, que muito estranhava eu quando descia a Alameda e a via sobranceira, recuada, com aquele acesso por uma escada, como se fizesse parte doutro cenário que não o da Fonte Luminosa e das ruas adjacentes. E realmente era doutro cenário.
Cumpt.
De Maria ALMEIDA a 2 de Março de 2020
Boa noite
O meu avô materno era João da Cruz David e Silva. A minha mãe era escritora e publicou para alem de alguns livros vários textos em suplementos do jornal o Século. No entanto acho que este texto nunca foi publicado. Infelizmente só resto eu dessas pessoas ligadas à quinta do Alperce. A minha mãe era a filha mais nova e depois da morte da mãe e com a doença do pai só casou um pouco tarde para a época. Eu também sou a filha mais nova e infelizmente o meu irmão morreu há dois anos. Talvez o meu irmão soubesse.
Vou dar uma volta nos vários dossiers com escritos da minha mãe para ver se encontro mais alguma coisa referente à quinta. Cumprimentos
De Bic Laranja a 3 de Março de 2020
Boa noute!
Não tenho «facebook», por isso não posso ver o que lá publicou. Mas vi o seu blogo e gostei.
Não sei se chegou a um verbete da Calçada da Ladeira e arredores onde se mostram mais duas de 1938 e 1939 que dão o panorama dos terrenos da futura Alameda de Dom Afonso Henriques?

E há uma vista aérea sobre o Técnico que abarca até ao Alto do Pina, onde se vê a Quinta do Alperce por inteiro, embora com pouco pormenor.

Obrigado!
De Maria ALMEIDA a 3 de Março de 2020
Boa noite
Já tinha visto essas fotos há já alguns anos. O seu blog é muito interessante. Não fui eu que o descobri mas sim uma grande amiga minha que me enviou o endereço.
Penso que fala do meu blog Três Gerações. Eu tenho muito orgulho da família em que tive a felicidade de nascer. Resolvi fazer o blog e convenci o meu irmão a colaborar comigo. Desde há já algum tempo que é a minha filha que o tem continuado. O meu irmão faleceu mas também já tinha parado de escrever lá bastante antes disso. Tenho orgulho da família porque eram pessoas de grande cultura e valor, na arte, na escrita e na música. A minha filha é doutorada em história de arte. Para mim a cultura tem muito valor. O facto de falar do facebook é só porque pus lá fotos que lhe podiam interessar.
De resto não tem nada de especial.
Gosto muito da cidade de Lisboa e da sua história.
O meu pai que era editor e proprietário das Edições Excelsior, publicou um livro sobre Lisboa chamado Lisboa no passado e no presente, escrito pelo arquitecto Jorge Segurado.
Gostava de conhecer a tal planta que fala da quinta do Alperce.

Cumprimentos
De Bic Laranja a 3 de Março de 2020
Tenho a «Lisboa no Passado e no Presente» Fascinante! Guardo-o com desvelo.
Refiro-me a ele e ao modo como o descobri aqui.

A planta, aqui. É uma página dos planos para a construção da Alameda «online» pelo arquivo municipal. Diferentes do que veio a ser o jardim e a fonte luminosa, mas interessantes. Se usar os botõezinhos na barrinha acima da planta pode avançar nas páginas. se clicar em «índice» verá os fólios do projecto.
Cumpts.
De Bic Laranja a 3 de Março de 2020
O blogo que vi é o https://emiliamatosesilva.blogspot.com/

Cumpts.
De Maria ALMEIDA a 3 de Março de 2020
O blog que pensei que tivesse visto é o https://tresgeracoes.blogspot.com. Esse fala da família começada com o meu avô João da Cruz David e Silva e Emília Matos e Silva.
De Bic Laranja a 4 de Março de 2020
Hei-de ver com atenção.
Muito obrigado!
De Bic Laranja a 4 de Março de 2020

Comentar

Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____