Sexta-feira, 5 de Setembro de 2008

Calçada da Ladeira e arredores

 A minha mãe há-de ter conhecido esta paisagem. Agora lembro-me: ela não dizia que eram campos; dizia sim que eram terras. Campos dizia ela mais para o Areeiro. Destas terras, em 39, quando veio ela para Lisboa, perguntei-lhe algumas vezes quando de quando em vez me dava a curiosidade sobre como fora o local: – "Andavam os terrenos em obras para fazer a Alameda, é só. Não havia grande coisa. Havia árvores e terras." – Nunca consegui eu disto formar uma imagem. E no entanto agora parece óbvio...

Quinta do Alperche, Lisboa (E. Portugal,1939)
Local onde foi construída a fonte monumental da Alameda, Lisboa, 1939.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..


 O portão da quinta dava para a ladeira, ali à direita. Vinha lá de cima da Rua Barão de Sabrosa. Era uma típica azinhaga. O projecto de pavimentação em 1896 deu-lhe foros de calçada. Em 1904 foi alargada graças à cedência dalgum terreno pela srª Viscondessa do Vale de Sobreda. Mais larga porém, é a ladeira que por ali sobe hoje.
 A azinhaga que acompanhava o muro da quinta do Alperche no sopé do monte era a Azinhaga do Areeiro. Partia do fundo da Calçada do Poço dos Mouros, à Rua Conselheiro Morais Soares, e entroncava com a Estrada de Sacavém em chegando ao lugar do Areeiro, mais ou menos onde começa agora a Av. Afonso Costa. A quinta do Alperche estendia-se aqui até um pouco mais adiante a caminho do Areeiro confinado com a Quinta do Bacalhau por alturas onde hoje pára a R. José Acúrsio das Neves. Era nesse pedaço que ficava a casa principal da quinta.
 O casarão lá no alto não é [mesmo] da quinta e é curioso que ainda existe. Fica na rua Garrido nº 3, um beco sem saída, e também tem serventia pela Alameda, nº 44. Mas por aqui fica bastante recuado, quase se não dá por ele. Vai-se lá dar por um caminho de escadas.
 Enfim! Com a Alameda de Dom Afonso Henriques por fazer mas ainda assim reconhecível, era como vedes este lugar das quintas do Fole, do Martins e do Alperche em 1938.

Terrenos da futura Alameda, Lisboa (E. Portugal, 1938)
Terrenos da futura Alameda de Dom Afonso Henriques, Lisboa, 1938.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..


Texto revisto à meia-noite e meia.

Escrito com Bic Laranja às 21:30
Verbete | comentar
15 comentários:
De Menina_marota a 5 de Setembro de 2008
Memórias vivas de uma Lisboa que está tão diferente...

Grata pela partilha.

Um abraço
De Bic Laranja a 6 de Setembro de 2008
Foi um prazer.
De Paulo a 5 de Setembro de 2008
Também conhecida por Fonte Luminosa
De Bic Laranja a 6 de Setembro de 2008
Sabia que tinha luzes de várias cores? E que os baixos relevos eram também coloridos?
Cumpts. D. Paulo.
De T a 5 de Setembro de 2008
Lindo este seu texto contado entre afecto e factos.
Livro!
:)
De Bic Laranja a 6 de Setembro de 2008
Afecto e factos. Isso!...
Obrigado!
:)
De [s.n.] a 6 de Setembro de 2008

... esclarecido sobre este troço da Estrada de Sacavèm. Muito obrigado... e sem querer abusar, aquela velha casa, ladeada por uma figueira, à esquerda da Rua Alberto Pimentel? pertencia à Quinta do Bacalhau?
De Bic Laranja a 6 de Setembro de 2008
Se sse refere ao asilo Sidónio Pais à Barão de Sabrosa pode ser que a casa que lá o antecedeu fosse a principal habitação da quinta.
Cumpts.
De Luciana a 6 de Setembro de 2008
O meu pai, que acompanhou de perto a construção do Bairro da Alameda, da Fonte Luminosa e do Técnico, ainda comenta com uma certa revolta as “politiquices” que dominaram as decisões – e alterações – finais.
Diz ele que a Fonte estava projectada para o cimo – a zona mais alta - da Alameda, onde ficaria em destaque e causaria o impacto pretendido. Diz ainda que, por pressões “pouco transparentes” de alguns sectores, esse espaço acabou por ficar destinado ao Técnico e a Fonte foi colocada num “buraco”, onde ficou irremediavelmente condenada.
Verdade ou não… Olhem bem para aquele local e digam-me o que tem de aprazível. Não há dúvida que do lado oposto faria toda a diferença… e por certo não estaria como está!

Abraço
De Bic Laranja a 7 de Setembro de 2008
Desconhecia. Mas não desgosto do que foi feito. A fonte foi recuperada há algum tempo mas ultimamente não tenho por lá passeado. Degradou-se já?
Cumpts.
De Luciana a 13 de Setembro de 2008
Passei lá há pouco tempo e fiquei arrepiada…
As últimas obras lavaram-lhe a cara, mas não resolveram o seu ar desolado – e isolado – e, mais uma vez, foi rapidamente “engolida” pela miséria envolvente.
Penso que qualquer arranjo é inútil numa zona de Lisboa que, tal como está, parece irremediavelmente condenada. A Alameda até é agradável, mas carrega nas suas costas - literalmente - alguns dos maiores problemas sociais de Lisboa. Enquanto isso não for resolvido…
A última vez que me lembro de ver a Fonte com um ar civilizado foi no início da década de 80… Embora já nessa altura muitas das feridas daquela zona estivessem a descoberto.

Abraço
De Atentti al Gatti a 7 de Setembro de 2008
Curiosa a história da colocação da Fonte Luminosa do lado do Técnico, até porque não coincidem na época: O Técnico foi começado em 1927, muitos anos antes da construção da Alameda. Contudo, podiam fazer parte do mesmo projecto. Dessem-lhe as voltas que dessem, as melhoras seríam poucas porque a Alameda/Fonte Luminosa foi colocada de modo errado, no local errado, com os resultados que se conhecem. Daí o nascerem diversas histórias que até a davam como tendo sido pensada para o Areeiro. O mais provavel foi ter-se feito o projecto antes de se achar um local para ele. Com algumas alterações, parece-me que ficaria bem melhor no alto do Parque Eduardo VII. E se os painéis laterais sempre foram coloridos, tal como estão hoje, após o restauro, luzes coloridas foi coisa que nunca conhecí na Fonte Luminosa. Mas enfim, como às vezes as memórias tendem para o prêto e branco...
A.v.o.
De Bic Laranja a 7 de Setembro de 2008
Também desconhecia. Quem mo disse conhceceu a fonte desde o início da construção. Ainda palmilhou a Calçada da Ladeira enquanto a desfaziam. Cuido que não fez confusão. Cumpts.
De Luciana a 13 de Setembro de 2008
Segundo o meu pai, o projecto inicial - anterior à construção do Técnico e à Fonte - já contemplava de facto as duas coisas. Embora o mesmo seja anterior ao seu nascimento, ele recorda bem os pormenores porque foi um dos cavalos de batalha do meu avô e o meu pai viu depois crescer toda a circundante.
Não há vez que lá passe e não comente… Infelizmente não posso confirmar a exactidão e veracidade dos factos. No entanto, gostaria muito de saber "toda a verdade".

Abraço
De Bic Laranja a 14 de Setembro de 2008
Quem a poderá contar...?
Cumpts.

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____