Terça-feira, 9 de Setembro de 2008

O Hospital de Arroios

 O hospital de Arroios não sei já quando foi que fechou. Em 1 Setembro 2004, com tempo cinzento, tinha um aspecto lúgubre e sombrio. O que não tinha era a carga de grafitos a agravar-lhe o sujo ar de abandono que tem hoje. Quem quer que lá passe aprecie as paredes, os muros à volta - museu efémero chamam-lhe alguns 'artistas'... Espreite pelas grades dos portões e veja o pardieiro que ali está. Queira o benévolo leitor, calhando ir por ali, dar-se ao trabalho de procurar a igreja deste antigo convento do séc. XVIII: dá a fachada para a Rua Quirino da Fonseca, por trás da Almirante Reis que é via mais moderna; aprecie a estatuária que merece interesse, antes que alguém a roube ou vandalize.
 A incúria do dono (uma imobiliária espanhola, segundo ouvi) não sei o que a motiva. E a incúria dos que mandam vê-
-se no costumeiro desmazelo; não fora assim e - pelo menos - já lá não estaria aquele sinal de trânsito a dizer 'hospital' na esquina da Pereira Carrilho. Nem em 2004, nem agora, em 2008.
 Ora passe o benévolo leitor por lá.

Hospital de Arroios (Lisboa, 2004)

Praça do Chile e Hospital de Arroios, Lisboa, 2004.

Escrito com Bic Laranja às 18:36
Verbete | comentar
6 comentários:
De Luís Bonifácio a 10 de Setembro de 2008
Caro BIC

Aqui lhe envio um postal meu evocando o que o Hospital de Arroios foi um dia e o que representou para uns milhares de Portugueses

http://novafloresta.blogspot.com/2006/03/recordando-hospital-de-arroios.html
De Bic Laranja a 11 de Setembro de 2008
Obrigado pela referência, que já tinha tido o grato prazer de ler mas que perdi. Fica a remissão também no verbete. Cumpts.
De T a 14 de Setembro de 2008
A obra está parada. E vamos a ver o que fazem na Fábrica da Portugália.
De Bic Laranja a 16 de Setembro de 2008
Mais um centro comercial. Para acrescentar ao que já lá está ao fundo do quarteirão. Cumpts.
De masp a 4 de Maio de 2010
que pena, 1 hospital com bastantes lembraças da zona onde eu morava. E saber k foi bastante importante para os feridos da 1 grande guerra e agora neste estado, nao seria interessante voltar a resplande cer este hospital, e tao central.
De João Vicente a 23 de Outubro de 2014
Não vejo outro meio de contacto, por isso peço desculpa mas tem de ser assim. Gostava de saber se esta foto é sua e se me daria autorização para usá-la. Por favor envie-me um e-mail e logo o informarei dos detalhes.

Obrigado,

João Vicente

Comentar

Janeiro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____