Quarta-feira, 8 de Outubro de 2008

Meio-dia e meia ao quarto para as oito

 À tardinha, pouco mais seria do quarto para as oito, o relógio dos bombeiros da Encarnação dava... Devia ser meio-dia e meia.

Bombeiros da encarnação, Lisboa (M.Oliveira, c 1948)
Quartel do Batalhão Sapadores Bombeiros do bairro da Encarnação, Lisboa, c. 1948.
Mário de Oliveira, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 22:55
Verbete | comentar
31 comentários:
De Carlos Portugal a 9 de Outubro de 2008
Caro Bic:

Dada a orientação do quartel dos bombeiros da Encarnação e as sombras projectadas, creio estarmos em presença de uma inversão da imagem, quando o negativo foi transferido para papel fotográfico, coisa aliás muito comum antes do advento da fotografia digital.

O Caro Amigo experimente inverter horizontalmente a imagem, e logo o relógio lhe dará quatro e um quarto, hora mais condizente com a luminosidade da foto e com as sombras que, neste caso, ficam correctas.

Cumprimentos.
De Margarida Pereira a 9 de Outubro de 2008
UAU!!!!!!!!!!!!!!!!!
Isso é que é de Poirot!!!
De Carlos Portugal a 9 de Outubro de 2008
Obrigado pelo elogio, Margarida :)
Sabe, gosto de exercitar de vez em quando as «célulazinhas cinzentas».

Beijinho.
De Bic Laranja a 9 de Outubro de 2008
Movido pela sua sugestão inverti a fotografia, mas lamento ter que discordar. A imagem está direita. O plano descendente acentuado da rua que se vê à direita corresponde em pleno à Av. de Berlim. É muito desajustado vê-lo na inversão como prolongamento da Av. Cidade do Porto em direcção à Encarnação. As sombras não me oferecem qualquer dúvida admitindo tratar-se dum entardecer do início de Verão - já viu a extensão das sombra da sebe à esquerda do sinaleiro, do sinaleiro e da própria torre do relógio? - Vamos é ter que esperar pelo próximo Verão para comprovar. Só espero que o viaduto da 2ª Circular ou algo entretanto construído não despejem nessa altura somra sobre o quartel. Cumpts.
De Carlos Portugal a 9 de Outubro de 2008
O meu Caro Bic terá provavelmente razão. E a prova parece estar na colina à direita da Avª da Encarnação, que se vê por detrás do quartel; fui ver as cotas do bairro e correspondem.

Aqui, as minhas «célulazinhas cinzentas» falharam - se calhar influenciadas pelo relógio da torre ;)

E, a propósito do bairro, já reparou que a sua planta representa (sem muitas dúvidas) o aparelho reprodutor feminino - a «encarnação»? Até os ovários estão lá (ruas Circular Norte e Sul)...

Cumprimentos.
De Pedro a 10 de Outubro de 2008
Penso que a direcção da bandeira também pode ajudar a mostrar que a fotografia está bem impressa. O vento sopraria do quadrante Norte, o mais vulgar para um dia de sol, e muito vulgar para um dia de Verão (nortada).

Quanto à configuração do bairro, li algures que pretendia reproduzir uma borboleta, visto estar perto do aeroporto. Será verdade?
De Carlos Portugal a 10 de Outubro de 2008
Caro Pedro:

De acordo quanto à bandeira. Quanto à borboleta, tanto o nome do bairro como a sua forma e o triângulo feminino logo abaixo (sudoeste) do quartel desmentem-no.

Se fosse para simbolizar o voo, creio que seria mais apropriado dar-lhe a forma de uma ave, uma águia, por exemplo, em vez de uma borboleta.

Aliás, a planta da Lisboa do Estado Novo está cheia de formas e alusões várias, deveras interessantes.

Cumprimentos.
De Margarida Pereira a 10 de Outubro de 2008
Quais? Quais?...
Isso é interessantíssimo e creio que o nosso anfitrião não se oporia - bien au contraire! - que tal informação aqui fosse divulgada.
Tem tudo a ver com os princípios deste local de encanto.
De Bic Laranja a 10 de Outubro de 2008
Não me oponho. Apenas ressalvo que o Estado Novo me parece menos esotérico do que possa aqui vir a aprecer. Mas não tenho provas disto que digo. Nem do contrário.
Agradeço o foro que aqui se abriu e que me enriquece o blogo.
Cumpts. :)
De Carlos Portugal a 11 de Outubro de 2008
Muito obrigado, Caro Bic.

Cumprimentos.
De Carlos Portugal a 11 de Outubro de 2008
Cara Margarida:

O Estado Novo, tal como o Caro Bic muito bem faz notar, não era muito dado a esoterismos, e a maior parte das formas serão apenas curiosas; contudo, algumas têm um acentuado significado simbólico e mesmo esotérico.

Assim, referenciado o Bairro da Encarnação, aqui vão mais uns cheirinhos:

- O pentagrama invertido da Praça do Areeiro, qual medalha da Ordem da Torre e Espada (a arrepiar a Igreja Católica);

- A forma de pá - ou fálica, se considerada de outro modo - do conjunto IST-Alameda D. Afonso Henriques-Fonte Luminosa;

- A Estrela de Seis Pontas do Marquês de Pombal (uma delas seria - segundo o Plano Director de 1967 - a continuação da Avª da Liberdade pela zona central do Parque Eduardo VII);

- A estranha «taça» no Bairro do Restelo, constituída pela Rua de Alcolena, avenida do Restelo, e com o pé formado pela Avª Torre de Belém e Rua Duarte Pacheco Pereira, com os «adornos laterais», idêntica a uma estranha gravura caldeica que conto enviar por e-mail ao Caro Bic logo que a volte a encontrar entre a minha papelada e a digitalize;

- Ainda no Restelo, a estranha «escadaria» de socalcos formada pelas ruas de Pedrouços,Dom Cristóvão da Gama, Tristão da Cunha, S. Francisco Xavier, Dom Francisco de Almeida, Avª do Restelo e Alcolena, esta de curiosa inspiração maçónico-templária (quiçá tentando complementar outros alinhamentos - esses quinhentistas - existentes na zona e a que me referirei mais tarde);

Há algumas mais formas curiosas, que apontarei quando tiver tempo; mas parece que esta vontade lisboeta de conferir formas geométrico-esotéricas à cidade aparece no início do Século XVI - numa curiosíssima «união de pontos», estes bem demarcados por cúpulas, torres, capelas - passando pela simbologia maçónica de Sebastião José de Carvalho e Melo, que transformou o Terreiro do Paço num Tapete de Loja, com colunas e tudo (embora invertendo o Sol e a Lua, representados pela Rua do Ouro e pela Rua da Prata). Mas aqui compreende-se: queria provavelmente proteger a Cidade de outro cataclismo, seguindo a ritualística que conhecia; só que estes «modernos rapazes» de hoje já mandaram as colunas às urtigas, na construção de um absurdo e problemático troço de metro.

Assim, embora desprovidos dos ideais esotéricos dos nossos Avós, os homens do Estado Novo, numa ânsia revivalista, tentaram desenhar a nova Cidade incluindo cânones semelhantes, num «piscar de olhos» a certas tradições que, provavelmente, não conheceriam muito bem.

Bom, Cara Amiga, o texto já vai longo e a noite alta. O ó-ó espera-me e terei de deixar a continuação - com a permissão do Caro Bic, é claro - para outro dia.

Beijinhos.
De Margarida Pereira a 13 de Outubro de 2008
Extraordinário!
O conteúdo. E a forma.
Uma aula. Adoro aulas. Encanta-me aprender. Mas assim, de ouvir/ler. 'Decorar' matéria sempre me deu um sono enorme.
Isto, assim, é... galvanizante!
Mais?...
Sim!
:)
De Carlos Portugal a 14 de Outubro de 2008
Cara Margarida:

Ora vamos lá então a mais um bocadinho de prosa...

No comentário anterior, referi-lhe uma «união de pontos» e de alinhamentos do Século XVI a formarem formas geométricas e não só.

Ora bem, um dos conjuntos mais curiosos situa-se no Restelo e em Belém, embora já faltem alguns elementos, provavelmente desaparecidos durante o terramoto de 1755.

Se a minha Cara Amiga for consultar o Google Earth, por exemplo, poderá conferir o que passo a descrever:

No início do Século XVI, foram construídas no Restelo três capelas, formando um triângulo equilátero, e situadas nos limites da antiga cerca dos Jerónimos. Restam duas: a de S. Jerónimo, no alto do Restelo, e a do Senhor Santo Cristo, mais modesta, no início da Rua de Alcolena, junto a um dos pavilhões do Estádio do Restelo. A terceira, de que há uma fotografia no arquivo da Câmara de Lisboa, erradamente legendada como sendo a de S. Jerónimo, ficaria no lugar onde hoje existe uma moradia, na esquina noroeste das ruas Dom Francisco de Almeida e Dom Lourenço de Almeida (telhado em telha vermelha e piscina).

Se unirmos esses três pontos por segmentos de recta, obtemos um triângulo equilátero perfeito. Nesse triângulo, se fizermos passar uma bissectriz pelo lado leste (aproximadamente), o seu prolongamento vai tocar precisamente a torre sineira do Mosteiro dos Jerónimos; se passarmos outra bissectriz pelo seu lado nor-noroeste, e a prolongarmos pelo vértice sul-sudeste, atingiremos a cúpula octogonal do Colégio do Bom Sucesso, antigo convento quinhentista. O prolongamento da outra bissectriz não vai dar aparentemente a nenhum ponto de interesse actualmente ainda existente.

Contudo, se pegarmos o vértice Ocidental do triângulo, e a partir dele traçarmos uma semi-recta para sul-sudeste fazendo um ângulo de 36º com o lado adjacente do triângulo, vemos que ela percorre a Avª da Torre de Belém e vai passar exactamente por cima da própria Torre. Ora o ângulo de 36º era um dos mais utilizados na Geometria Sagrada da Ordem de Cristo...

Fazendo um prolongamento da bissectriz que passa pela torre sineira dos Jerónimos, em sentido inverso - mais ou menos para Oeste, portanto - verificamos que ela vai dar aparentemente à Praia da Adraga, no extremo da Serra de Sintra, a qual também tem várias histórias curiosas.

Muito mais haveria para contar, Cara Amiga, mas o tempo é sempre escasso, perdoe-me. Ficará pois para uma próxima «conversa».

E, para dar um mote, a minha Cara Amiga sabe alguma coisa acerca dos «navios de pedra» (são principalmente dos Séculos XII-XIII, e não creio que os haja em Lisboa. Mais para Norte, sim...)?

Com isto despeço-me, até breve.

Cumprimentos.
De Carlos Portugal a 15 de Outubro de 2008
Cara Margarida:

Quanto à fotografia da terceira capela (a desaparecida) que mencionei no meu comentário anterior, a sua referência no arquivo da CML é:

Imagem: AF\img150\A74723.jpg
Código de referência: PT/AMLSB/AF/FEC/S00369

Beijinhos.
De Margarida Pereira a 21 de Outubro de 2008
Já está tudo copiadinho, para ler com calma.
E fazer os TPC!
Obrigada por tanta gentileza...
Xi-coração.
M.
De Luísa a 9 de Outubro de 2008
Ainda há dias li, Bic, que «o homem perderá mais de metade das suas angústias e cuidados no dia em que conseguir esquecer o relógio». O corpo de bombeiros da Encarnação parece estar, portanto, no bom caminho… ;-)
De Carlos Portugal a 9 de Outubro de 2008
Cara Luísa:

Àparte a inversão fotográfica que apontei, tem toda a razão. E o relógio no pulso dá ares de pulseira electrónica, prisioneiros que estamos da ditadura temporal. Bem mais elegantes - se bem que menos práticos - eram os relógios de bolso. Fora de horas, de preferência!

Cumprimentos.
De Margarida Pereira a 9 de Outubro de 2008
Respeitosamente, discordo...
Adoro relógios (tanto, que os tenho em excesso, dizem...)e para mim são 'máquinas de precisão'. Além de adornos ou objectos de contemplação (de mesa, de parede....).
Causa-me 'brotoeja' quando estão fora da hora 'certa'.
O que mais gosto (bom..., um dos) é duplo.
Gosto de ter a hora de cá e a do país onde esteja, quando em viagem.
O tempo...
Pouco mais há mais encantador, misterioso e intrínseco ao homem do que isso.
O relógio marca essa ligação.
Queiramos, ou não.
(olha! 'bercejei'!)
:)
De Carlos Portugal a 9 de Outubro de 2008
Cara Margarida:

De certo modo, dou-lhe razão. Gosto muito dos velhos relógios de pêndulo, do seu tic-tac lento e compassado, a fazer-nos sonhar com outras épocas, em que o Tempo se escoava devagar, compassada e lentamente, e não como o Cronos moderno que devora sofregamente os filhos.

E, também eu - helàs - sucumbo ao maniqueísmo da «hora certa»...

Cumprimentos.
De Margarida Pereira a 9 de Outubro de 2008
Então, cá vai :
http://www.clocklink.com/
:)
De Bic Laranja a 10 de Outubro de 2008
De acordo com o tiquetaque dos de pêndulo mais o bater das horas, extensivo aos da torre da igreja.
Cumpts.
De Bic Laranja a 9 de Outubro de 2008
É uma maneira positiva de pôr a questão, sim senhora.
Cumpts. :)
De Paulo Cunha Porto a 9 de Outubro de 2008
Eu já me libertei do relógio e passei a ser pontualíssimo Quanto´à exactidão horária das torres públicas, é coisa para a próxima Encarnação.
Beijinhos e abraços
De Bic Laranja a 10 de Outubro de 2008
Se houvesse um supremo arquitecto relojoeiro já a governança teria resolvido.
Cumpts.
De Luciana a 11 de Outubro de 2008
E por certo não se atrasaria nem um minuto! :-)

Abraço
De Bic Laranja a 11 de Outubro de 2008
Andaria adiantada. Cumpts. :)
De Atentti al gatti a 10 de Outubro de 2008
Já que se fala nisso, também eu confesso o meu fraquinho por relógios. De pulso, como de parede. Cá em casa a única divisão que não ostenta um apêndice desses é a dispensa. Quanto aos de pulso, têm de me agradar estéticamente, serem precisos, à prova de água -porque só os tiro quando os substituo por outro- luminosos -porque gosto de ver as horas de noite- e com um mostrador simples que permita uma leitura clara num relance. Por isso deixei de comprar os Swatch quando eles alinharam na moda de meter muitos ponteirinhos num mostrador só, como se as pessoas passassem a vida a fazer cronometragens.
A divisão do tempo é prova evidente da nossa racionalidade. Ser-se escravo desse tempo decorre, muitas vezes, de outro tipo de escravatura.
A.v.o.
De Bic Laranja a 10 de Outubro de 2008
A divisão do tempo: ainda os fracturantes hão-de decretar a escala decimal ISO não-sei-das-quantas.
Cumpts.
De vasco a 19 de Novembro de 2008
Dos intervenientes deste dialogop sobre o Relógio dos Bombeiros, alguém viu este relógio funcionar?

Eu sou do Bairro e nos tempos idos ele funcionava e às vezes muito bem

Um abraço a todos
De Bic Laranja a 22 de Agosto de 2014
Não vi. E já passaram alguns anos...
Cumpts.
De M.Martins a 22 de Agosto de 2014
Waow,nos vélhos tempos aquecia no canto,hein caro Bic!!Pois eu nos vélhos tempos corria nos campos,éra là que recidia o meu cunhado,em Prior Vélho éramos dois energumenos tive o azar(muita sorte) de casar com a sua irmâ,51 ano sem têr acabado aos tabéfes; e foi la tambem que cumpri uma parte do serviço militar na E.P.S.M.Raio de guarita ao bordo da auto estrada foi la que sem sabêr dei os primeiros passos para a conheçênsa do (Filho da Puta) em casa de um Tenente Coronel em Belem...não passe aos concluções apressadas, vou-lhe dar um indicio mas eu sò consegui
ao fim de muitas décadas e graças a um computador John Herring imortalisou o animal.Eu fiquei agradavelmente contente.Cumprimentos,e boas vacances.

Comentar

Setembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
17
19
21
23
26
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____