Terça-feira, 18 de Novembro de 2008

Do enjoo

 A caminho de Lisboa, descendo de Linda-a-Velha pela auto-estrada do estádio intrigou-se-me no domingo a senhora com o que parecia ser uma árvore de Natal que se via na outra banda. Era a base do Cristo-Rei que estava iluminada, mas afinal não era nenhuma árvore de Natal.
 O meu bom amigo Fernando C. trouxe-me hoje um recorte de imprensa. Notai a verborreia da notícia que passa ten-
ta passar a ignóbil apropriação do património como veste-se de luz, reabilitação urbana, imagem renovada, iniciati-
va, fórmulas criativas,
e que diz tudo sobre o tipo de gente que promove este odioso tracto.
 Quando me deu o recorte o meu amigo não conteve um enjoado "se o país era todo para vender...?"

Cristo-Rei vende electrodomésticos

Expresso,15 de Novembro de 2008.

Escrito com Bic Laranja às 17:45
Verbete | comentar
12 comentários:
De João Nuno Sequeira a 18 de Novembro de 2008
Sem querer imputar culpas ao dono deste blogo, a quem, mais uma vez endereço os meus cumprimentos pelo excelente trabalho, permito-me duvidar do conteúdo da notícia do Expresso.
De facto, o Monumento do Cristo Rei é um monumento nacional, pelo que acompanho a posição dos que criticam a sua utilização para fins mercantis, mas não é propriedade nem está na alçada da Câmara Municipal de Almada, pertencendo sim ao Seminário do Cristo Rei, dependente do Patriarcado de Lisboa.
Não enjeito a possibilidade de a Câmara de Almada ter dado algum parecer favorável, mas nem sequer esta acção se encontra anuciada no seu programa de festejos para a quadra natalícia.
Penso estar correcto nesta avaliação e, se não o estiver, agradeço que me corrijam.
Volto a frizar que discordo por completo com a venda da imagem dos nossos monumentos para campanhas publicitárias, o que, ultimamente, tem sido hábito recorrente.

Com os melhores cumprimentos.
De Bic Laranja a 19 de Novembro de 2008
Não me espantaria que a notícia não fosse inteiramente verdadeira. Mas veja lá se a aparente notícia não é toda ela publicidade?
No mais estamos de acordo. Cumpts.
De Paulo Cunha Porto a 18 de Novembro de 2008
Onde não há meio de acender uma luzinha é nas cabecinhas ocas que pensam que a Luz a que o monumento alude está dependente de lâmpadas destas. Prova provada de que estão a precisar de levar uma lamparina.
Abraço, Caro Bic
De Bic Laranja a 19 de Novembro de 2008
Cuido que nem à chapada. Haviam de procurar logo patrocínio para alumiá-la.
Cumpts
De Lady-Bird a 18 de Novembro de 2008
(Olá Sr. Bic!)
Inacreditável...
Sim, o Paulo tem razão, uma lamparina bem dada, e o assunto estava resolvido!
Beijinho
De Bic Laranja a 19 de Novembro de 2008
Olá Lady Bird.
Cumpts.
De cabo carvoeiro a 19 de Novembro de 2008
Quando se toca no sagrado até somos ecologistas, (umas chapadas bem dadas é ecologico)os dirigentes da igreja precisam bem de umas lamparinas, bem dadas e outras para lhes esclarecer as ideias, vem para a missa com sermoes e depois vendem a alma ao diabo, estou a ver o quadro, depois do Futebol agora os "" monumentos historicos portugueses serem rebatizados : VISTEM O MOSTEIRO DE ALCOBAçA BOSCH , SANTUARIO DE FATIMA SAGRES( imaginem o negocio)e ja agora o PALACIO DE BELEM COCA COLA. So uma pergunta quandos os monumentos estao em ruina, sao precisos os nossos impostos para a restauraçao, e a publicidade é para tapar a miséria, quanto é que paga a samsuga a igreja? e para onde vai o dinheiro, para os pobres, meu Deus tantas perguntas, sem resposta.
Cumps
De Bic Laranja a 19 de Novembro de 2008
O palácio de Belém parece mais B.P.N....
E o que a marca de electrodomésticos paga chegará para a conta da luz? É que há tempos a EDP queria distribuir-me parte dos calotes.
Cumpts.
De Pedro Gonçalves a 20 de Novembro de 2008
Fará provavelmente parte do afamado choque tecnológico.
Num país republicano, socialista e laico para que servirá o monumento católico? Toca de decorar e a malta bate palmas.
Não concordo mas que importa eu não concordar?
Abraço
De Bic Laranja a 20 de Novembro de 2008
Importa que estamos de acordo. No mais a religião é outra...
Cumpts.
De Luciana a 20 de Novembro de 2008
Aqui vão as minhas propostas para o “embelezamento” do património lisboeta:

- Luzinhas em forma de telemóvel, na Torre de Belém, para celebrar as novas formas de navegação.

- Árvores de Natal em todas as rotundas e estátuas, decoradas com os livrinhos dos recentes “vultos literários” portugueses.

- Um presépio vivo em frente ao Teatro Nacional, no Rossio, formado pelos professores com excelente na nova avaliação (e quem ficará de menino Jesus?).


And so on, and so on, and so on…


Abraço
Luciana
De Bic Laranja a 20 de Novembro de 2008
Ah! Ah! Ah!
Cumpts.

Comentar

Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____