Domingo, 30 de Novembro de 2008

Dr. João das Regras

[ Um verbetezinho pelo meu pseudónimo na enciclopédia livre em 17 de Fevereiro de 2005. Impedido de o eliminar de lá pelos senhores daquilo uso-o aqui mais enriquecido, com ilustração do Clube Filatélico de Portugal.]

 Dr. João das Regras. Postal ilustrado com a sua imagem, editado Sociedade Histórica da Independência de Portugal, com selo de 1$60 azul cinzento CE433 da 2.ª emissão Independência de Portugal, obliterados com carimbo de Lisboa (29.11.27 - 1.º dia de circulação).

 Jurisconsulto nascido em data desconhecida em Lisboa, onde faleceu em 3 de Maio de 1404. Filho de João Afonso das Regras e de Sentil Esteves e, após o segundo casamento da sua mãe, enteado de Álvaro Pais, perpetuou o seu nome em virtude da magistral representação da causa do mestre de Avis nas cortes de Coimbra de 1385 cujo corolário foi a aclamação de D. João I como rei de Portugal.

 De acordo com Fernão Lopes esteve em Bolonha, e é verosímil que tenha estudado na universidade daquela cidade de Itália. Foi professor da Universidade de Lisboa, onde mais tarde desempenhou o alto cargo de encarregado ou protector, equivalente, segundo alguns, ao cargo de reitor (Carta Régia de 25 de Outubro de 1400). Tal como o seu padrasto, teve uma acção importante no levantamento de Lisboa que alçou o mestre de Avis por regedor e defensor do Reino. Conselheiro e chanceler do mestre, a sua acção na crise de 1383-1385 culminou na inteligente argumentação em que, omitindo o nome do mestre, negou validade às prentensões dos outros candidatos ao trono.

  • A D. Beatriz, filha do falecido rei de Portugal, nega o dr. João das Regras quaisquer direitos por nulidade do casamento de D. Fernando com Leonor Teles, que era já casada com João Lourenço da Cunha quando o rei a desposou; por incerteza quanto paternidade de D. Fernando, dado o comportamento irregular de Leonor Teles; por haver contraído um casamento com o rei D. João I de Castela, seu parente (a mãe do rei de Castela era tia-avó de D. Beatriz) sem a dispensa do papa legítimo Urbano IV, em vez do antipapa Clemente VII;
  • Ao rei de Castela, por ser herege, refuta João das Regras o direito a ser rei de Portugal pois reconhecera o antipapa e fora excomungado pelo legítimo papa; porque o seu parentesco com o rei D. Fernando se dava pela linha feminina (as suas mães eram irmãs), o que pelo direito consuetudinário hispânico não dava direitos de sucessão.
  • Os infantes D. Dinis e D. João, filhos de el-rei D. Pedro I e de Inês de Castro, portanto, irmãos de D. Fernando, não podiam ter direito ao trono porque eram ilegítimos: D. Pedro nunca casara com Inês de Castro; além disso fizeram guerra contra Portugal aliados a Henrique II e a D. João I de Castela.

 Inteligentemente, a sua estratégia demonstrara que o trono estava vago pois nenhum dos pretendentes tinha direito ele. Pertencia assim às cortes escolher livremente um novo rei, sendo o mestre, «per unida concordança de todolos grandes e comum poboo» aclamado rei de Portugal.

 O rei concedeu muitas mercês ao dr. João das regras: fê-lo cavaleiro de sua casa, senhor das vilas de Castelo Rodrigo, Tarouca e Beldigem; senhor de Cascais e seu termo, do reguengo de Oeiras, das dízimas das sentenças condenatórias de Évora, da jurisdição da Lourinhã e das rendas da portagem de Beja. Fernão Lopes refere-se a ele «como notável barom, comprido de ciência [e] mui grande letrado em leis [...]». Jaz sepultado na igreja de S. Domingos de Benfica, em Lisboa.


Bibliografia:

  • Fernão Lopes, Crónica de D. João I, vol. 1, [s.l.], Civilização, imp. 1994.
  • Joel Serrão (dir.), Dicionário de História de Portugal, [s.l.], Iniciativas Editoriais, imp. 1963.
Escrito com Bic Laranja às 08:00
Verbete | comentar
12 comentários:
De Luciana a 30 de Novembro de 2008
Refere muito bem o Sr. Bic: “Inteligentemente, a sua estratégia demonstrara que o trono estava vago pois nenhum dos pretendentes tinha direito a ele”.
Se isso fosse transportado para os dias de hoje, para a "democracia", bem tramados estávamos… Não haveria ninguém em São Bento!
Ah, esqueci-me... Estamos bem tramados na mesma!
:-x

Abraço


PS- Sempre tive uma paixão pela História... duma forma “completamente livre” e autodidacta.
Durante anos levei livros de História para a praia. E era bem gozada por isso!... :-)
De Bic Laranja a 30 de Novembro de 2008
A questão põe-se em termos de tronozinhos, não democracia.
Também aprecio História.
Cumpts.
De T a 3 de Dezembro de 2008
Um dos períodos históricos mais aliciantes da vida de Portugal. É verdade ando às voltas com a Dona Madame Ratazzi:)
De Bic Laranja a 6 de Dezembro de 2008
Sim. Tem muito interesse.
Folgo em sabê-lo (da Ratazzi). Vi lá muita palha para o blogo. Mas depois passava adiante e esquecia-me. Pode ser que lá volte.
Cumpts.
De VMC a 4 de Dezembro de 2008
Creio que teve uma má experiência na wikipédia. A qualidade do português - em qualquer das variantes -
e de chorar e a wikipedia de lingua portuguesa está dominada pela ignorância tropical.
Seria uma questão a tratar com algum cuidado, lutando para a versão da wikipédia de Portugal
De Bic Laranja a 17 de Janeiro de 2013
1) A Quipédia serve para os meninos da escola treinarem os conceitos, quando muito. Mas os donos da quinta querem que faça escola (uma certa escola).
2) O Português correcto jamais se situa em termos de variantes; se houver correcção é Português; se não, variante é um eufemismo para todos os crioulos que se queira.
3) Melhor seria uma Quipédia em brasileiro. Acabaria logo certa confusão.
Cumpts.
De VM a 17 de Janeiro de 2013
É interessante receber uma resposta quatro anos depois.
Sobre variantes, existem mesmo no português de Portugal (ouro, oiro).
No entanto, são os especialistas - que eu não sou - quem as pode estudar.

Considerações antes do crime do «acordo» e da sua criminosa imposição aos portugueses.
De Bic Laranja a 18 de Janeiro de 2013
A sua resposta estava lá desde então. Sucede que eu hoje a apaguei inadvertidamente. Felizmente consegui recuperar o texto, que entretanto repus. Daí a sua notificação com data de hoje.
É-me grato receber tréplica passado tanto tempo tempo.
Cumpts.
De VM a 18 de Janeiro de 2013
Não havia qualquer censura no meu comentário que, noto agora, podia ter esse sentido. Não tinha e ao tempo devo ter visto a sua resposta.
É agradável receber uma quadrúplica tão rápida.
De Bic Laranja a 18 de Janeiro de 2013
Pois podia mas não no interpretei assim.
Tornando às «variantes», o caso que dá não espelha a semântica que procuram inculcar actualmente para integração de desvios a par da norma, por natureza, portuguesa. O que os portugueses fizerem do idioma, com todos seus matizes, não pode por definição deixar de ser «o português». Outros, em colidindo com o rumo que viermos a dar ao ao português hão-de ter de se decidir: ou nos seguem a regra ou se emancipam com a sua linguagem peculiar, podem fazê-lo livremente. Não têm é o direito de no-la impor como português, que não é. De modo que toda essa conversa de «variantes» portuguesa e brasileira em pé de igualdade não é de que um sofisma.
Cumpts.
De Hugo X. Paiva a 27 de Julho de 2013
Excelentissimo Bic: vim aqui à procura de um dicionário e, à vista do nome de João das Regras, abri o texto, li, e surgiu-me uma duvida velha, que talvez com a sua habitual excelência me possa ajudar a esclarecer:Se Clemente VII casou D. Pedro com D. Inês?

Grato pela atenção.

Hugo X. Paiva

De Bic Laranja a 28 de Setembro de 2016
Segundo consta, foi D. Gil Cabral, bispo da Guarda quem jurou ter casado D. Pedro e D.ª Inês. Mas, confesso que não estudei o assunto.
Cumpts.

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____