Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2008

Os inquilinos do 4º morreram, as portas foram escancaradas...

 Crónica de Lisboa à roda dum prédio sem remédio. Há um ano e picos, esquecido já, na Cidadania LX. Lisboa está perdida. Ergue-se a cultura do vazio.

« Morei durante anos no nº 42 da Av. Duque de Loulé. O meu quarto era no 3º andar. Precisamente aquele que tem a porta aberta para a varanda. Era um prédio magnífico. Apenas o 1º andar tinha um cabeleireiro e uma habitação. Os ou-
tros apenas 1 habitação por andar. 10 assoalhadas, apenas 1 tinha janela para o saguão. Todas as outras eram viradas para as 3 ruas. 39 portas e janelas, 35 m de corredor. Nos anos 80 começou o êxodo dos lisboetas para as periferias. O presidente da Câmara autorizou a venda para escritórios de todos os prédios de habitação. Destruíram-se edifícios de grande valor arquitectónico para construirem o que hoje se vê. Das Avenidas Novas sairam milhares de pessoas. Na Duque de Loulé desapareceram os vizinhos, fecharam as lojas de bairro, os cafés mudavam para lojas de comida à pres-
sa e em pé. Deixou de passar o ardina que atirava o jornal dobrado para a varanda. Desapareceram as senhoras que ven-
diam fruta todo o dia em frente da mercearia da espanhola que passou a ser uma casa de comida rápida. Os passeios pas
saram a estar ocupados por carros todo o dia e vazios à noite. "O Noite e Dia" passou a ser uma outra coisa que só ser-
via a noite. Destruíram-se vivendas, abandonaram-se outras. Abriram-se portas. foi assim no nº 42. Os inquilinos do 4º andar morreram, as portas foram escancaradas e quando chovia, no 3º andar quase tinhamos que andar de gabardina e chapéu.
  O coreto da José Fontana passou a ser armazém de garrafas vazias, abrigo de quem não tinha casa. A António Arroio mudou-se para as Olaias. O Camões esteve quase abandonado. A Escola de Medicina Veterinária mudou-se. O Monu-
mental foi arrasado. Ainda recordo a Laura Alves em frente dos destroços a gritar já louca. Fechou o Monte Carlo, o Mo
numental, a Paulitana (acho que era este o nome)... E desde os anos 80 ainda ninguém parou com a destruição de Lisboa.
   [...] Criminosos!»

Comentário de V.M. em 11/12/07 às 4h10 da tarde. Imagem: Ciddania LX.

Escrito com Bic Laranja às 00:45
Verbete | comentar
15 comentários:
De Luis Maia a 17 de Dezembro de 2008
E por aí já não sei em que número, num prédio de esquina, com uma rua que também não recordo, mas que do outros lado tinha uma tasca a atirar para restaurante chamado Cacho Dourado.
Num prédio que pertencia à Hidro Eléctrica do Alto Alentejo trabalhei eu até ir para a tropa em 1967,
quando voltei de Moçambique em 1970 já tinha ido abaixo e a HEAA noutras paragens

Andámos pela mesmas ruas é o que digo

Um abraço
De Bic Laranja a 18 de Dezembro de 2008
Pelos vistos.
Cumpts.
De cabo carvoeiro a 17 de Dezembro de 2008
Ainda bem que existem fotos e os filmes como costa do castelo embora tenha sido realizado em grande parte em estúdio , para as próximas gerações , não esquecerem que existiu uma cultura e um modo de vida português
Em Paris Londres Viana, tudo é conservado a população tem orgulho nos seus valores, nos desde há muito, somos dirigidos por anti-portugueses , era preciso uma enciclopédia para denunciar isto tudo é quase um crime, quando se vem da A8 para Lisboa e se vê Loures com Q. do Infantado, aonde é que esta o humanismo ?
Tenho um amigo que lá vivia, num grande apartamento com garagem, um dia chegou a conclusão que passava quase 3h ou mais por dia em transporte, escola para os filhos trabalho etc. , comprou um apartamento num prédio antigo totalmente restaurado, resultado os filhos vão a pé para a escola ele muitas vezes tb , esta mais calmo, ainda por cima se precisar de o vender nunca perde valor.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Ainda bem que existem fotos e os filmes como costa do castelo embora tenha sido realizado em grande parte em estúdio , para as próximas gerações , não esquecerem que existiu uma cultura e um modo de vida português <BR>Em Paris Londres Viana, tudo é conservado a população tem orgulho nos seus valores, nos desde há muito, somos dirigidos por anti-portugueses , era preciso uma enciclopédia para denunciar isto tudo é quase um crime, quando se vem da A8 para Lisboa e se vê Loures com Q. do Infantado, aonde é que esta o humanismo ? <BR>Tenho um amigo que lá vivia, num grande apartamento com garagem, um dia chegou a conclusão que passava quase 3h ou mais por dia em transporte, escola para os filhos trabalho etc. , comprou um apartamento num prédio antigo totalmente restaurado, resultado os filhos vão a pé para a escola ele muitas vezes tb , esta mais calmo, ainda por cima se precisar de o vender nunca perde valor. <BR class=incorrect name="incorrect" <a>Ps</A> . Só para dar uma ideia dos dirigentes que temos vejam o que eles querem fazer em Alcobaça http :/ caminhosdamemoria.wordpress.com /2008/12/16 depois-de-peniche-alcobaca /
De Bic Laranja a 18 de Dezembro de 2008
Um hotel de charme no mosteiro. Pior só se o demolirem. Cumpts.
De Ze Lisboeta a 19 de Dezembro de 2008
O pior de tudo é que o triste estado de coisas relatado foi, em grande parte, produzido «automaticamente», pela manutenção da lei do inquilinato.
De Bic Laranja a 19 de Dezembro de 2008
Não se engane. Há mais leis.
Cumpts.
De Zé Lisboeta a 21 de Dezembro de 2008
Creio ser a principal razão, desde logo por não haver qualquer outro país europeu - nem os que sofreram bombardeamentos - com as cidades em tal estado de ruína. E em toda a Europa não há legislação equiparável - nem de longe! - ao que sucedeu e sucede aqui: um congelamento ou constrição de rendas habitacionais e comerciais com quase com 90 anos!
De Atentti al gatti a 19 de Dezembro de 2008
Este é um texto pungente que causa um aperto no peito, misturado com um sentimento de impotência. E ainda faltou falar da padaria de gavêto, exemplar representativo dos tempos de apogeu destes estabelecimentos.
Percebe-se porque somos um país de emigrantes. Até a mim me apetece emigrar. Para esquecer o que não posso evitar.
A.v.o.
De Bic Laranja a 21 de Dezembro de 2008
É triste que tudo tenha que dar nisto. Cumpts.
De Marta a 19 de Dezembro de 2008
olá bicc, gosto das tuas noticias sempre em cima do acontecimento, continua assim que precisamos de estar actualizados
De Bic Laranja a 21 de Dezembro de 2008
Obrigado Dª Marta. Cumpts.
De Luciana a 20 de Dezembro de 2008
Há três coisas que me partem mesmo o coração: Ver tantas casas esvaziadas de alma; ver tantos restos de vidas vendidos em leilão ou na Feira; constatar a inesgotável estupidez e ingratidão do povo!
Mas que fazer? É o que temos… :-(

Abraço
De Bic Laranja a 21 de Dezembro de 2008
É falta noção do valor das coisas. Que espelha educação grosseira. Enfim!...
Cumpts.
De Luciana a 21 de Dezembro de 2008
É verdade... E simultaneamente muita falta de humildade e consciência de si mesmo. Por isso é que tanta gente entra em parafuso quando tem de pensar mais um bocadinho na sua vida. Se houvesse mais ginástica de massa cinzenta…

Abraço
De Bic Laranja a 23 de Dezembro de 2008
Nada a fazer. Parece falha estrutural.
Feliz Natal!

Comentar

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____