15 comentários:
De Luis Maia a 17 de Dezembro de 2008
E por aí já não sei em que número, num prédio de esquina, com uma rua que também não recordo, mas que do outros lado tinha uma tasca a atirar para restaurante chamado Cacho Dourado.
Num prédio que pertencia à Hidro Eléctrica do Alto Alentejo trabalhei eu até ir para a tropa em 1967,
quando voltei de Moçambique em 1970 já tinha ido abaixo e a HEAA noutras paragens

Andámos pela mesmas ruas é o que digo

Um abraço
De Bic Laranja a 18 de Dezembro de 2008
Pelos vistos.
Cumpts.
De cabo carvoeiro a 17 de Dezembro de 2008
Ainda bem que existem fotos e os filmes como costa do castelo embora tenha sido realizado em grande parte em estúdio , para as próximas gerações , não esquecerem que existiu uma cultura e um modo de vida português
Em Paris Londres Viana, tudo é conservado a população tem orgulho nos seus valores, nos desde há muito, somos dirigidos por anti-portugueses , era preciso uma enciclopédia para denunciar isto tudo é quase um crime, quando se vem da A8 para Lisboa e se vê Loures com Q. do Infantado, aonde é que esta o humanismo ?
Tenho um amigo que lá vivia, num grande apartamento com garagem, um dia chegou a conclusão que passava quase 3h ou mais por dia em transporte, escola para os filhos trabalho etc. , comprou um apartamento num prédio antigo totalmente restaurado, resultado os filhos vão a pé para a escola ele muitas vezes tb , esta mais calmo, ainda por cima se precisar de o vender nunca perde valor.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Ainda bem que existem fotos e os filmes como costa do castelo embora tenha sido realizado em grande parte em estúdio , para as próximas gerações , não esquecerem que existiu uma cultura e um modo de vida português <BR>Em Paris Londres Viana, tudo é conservado a população tem orgulho nos seus valores, nos desde há muito, somos dirigidos por anti-portugueses , era preciso uma enciclopédia para denunciar isto tudo é quase um crime, quando se vem da A8 para Lisboa e se vê Loures com Q. do Infantado, aonde é que esta o humanismo ? <BR>Tenho um amigo que lá vivia, num grande apartamento com garagem, um dia chegou a conclusão que passava quase 3h ou mais por dia em transporte, escola para os filhos trabalho etc. , comprou um apartamento num prédio antigo totalmente restaurado, resultado os filhos vão a pé para a escola ele muitas vezes tb , esta mais calmo, ainda por cima se precisar de o vender nunca perde valor. <BR class=incorrect name="incorrect" <a>Ps</A> . Só para dar uma ideia dos dirigentes que temos vejam o que eles querem fazer em Alcobaça http :/ caminhosdamemoria.wordpress.com /2008/12/16 depois-de-peniche-alcobaca /
De Bic Laranja a 18 de Dezembro de 2008
Um hotel de charme no mosteiro. Pior só se o demolirem. Cumpts.
De Ze Lisboeta a 19 de Dezembro de 2008
O pior de tudo é que o triste estado de coisas relatado foi, em grande parte, produzido «automaticamente», pela manutenção da lei do inquilinato.
De Bic Laranja a 19 de Dezembro de 2008
Não se engane. Há mais leis.
Cumpts.
De Zé Lisboeta a 21 de Dezembro de 2008
Creio ser a principal razão, desde logo por não haver qualquer outro país europeu - nem os que sofreram bombardeamentos - com as cidades em tal estado de ruína. E em toda a Europa não há legislação equiparável - nem de longe! - ao que sucedeu e sucede aqui: um congelamento ou constrição de rendas habitacionais e comerciais com quase com 90 anos!
De Atentti al gatti a 19 de Dezembro de 2008
Este é um texto pungente que causa um aperto no peito, misturado com um sentimento de impotência. E ainda faltou falar da padaria de gavêto, exemplar representativo dos tempos de apogeu destes estabelecimentos.
Percebe-se porque somos um país de emigrantes. Até a mim me apetece emigrar. Para esquecer o que não posso evitar.
A.v.o.
De Bic Laranja a 21 de Dezembro de 2008
É triste que tudo tenha que dar nisto. Cumpts.
De Marta a 19 de Dezembro de 2008
olá bicc, gosto das tuas noticias sempre em cima do acontecimento, continua assim que precisamos de estar actualizados
De Bic Laranja a 21 de Dezembro de 2008
Obrigado Dª Marta. Cumpts.
De Luciana a 20 de Dezembro de 2008
Há três coisas que me partem mesmo o coração: Ver tantas casas esvaziadas de alma; ver tantos restos de vidas vendidos em leilão ou na Feira; constatar a inesgotável estupidez e ingratidão do povo!
Mas que fazer? É o que temos… :-(

Abraço
De Bic Laranja a 21 de Dezembro de 2008
É falta noção do valor das coisas. Que espelha educação grosseira. Enfim!...
Cumpts.
De Luciana a 21 de Dezembro de 2008
É verdade... E simultaneamente muita falta de humildade e consciência de si mesmo. Por isso é que tanta gente entra em parafuso quando tem de pensar mais um bocadinho na sua vida. Se houvesse mais ginástica de massa cinzenta…

Abraço
De Bic Laranja a 23 de Dezembro de 2008
Nada a fazer. Parece falha estrutural.
Feliz Natal!

Comentar