26 comentários:
De Bic Laranja a 17 de Novembro de 2007
Seja bem-vindo. Folgo em sabê-lo cá chegado de autocarro. Obrigado eu pelo seu comentário. Cumpts.
De jsequeira a 16 de Novembro de 2007
Boa noite: Como alfacinha desterrado, por muito que agradecesse nunca o faria na medida do prazer que me é proporcionado cada vez que visito este blog e revisito as memórias cada vez mais esbatidas que guardo da minha cidade. Goste-se ou não da arquitectura daquela zona, uma coisa tem que ser reconhecida: havia um equilibrio no estilo, uma harmonia não cansativa. Era, de faco uma zona que trouxe um certo ar cosmopolita à cidade e que manteve essa aura por alguns bons anos. No entanto, como até descobri este blog a "bordo" de um AEC da Carris, vou ter a ousadia de pedir que reparem num pormenor: o parque automóvel. Um espectáculo. Quem me dera ter apenas uma, umazinha, daquelas máquinas que ali estão. O carro branco que vem a circular é um Anglia Fascinante, mais conhecido por ora bolas. Fui o proprietário de um, nos Açores, nos anos 80, que, por imposição das autoridades, devido à pouca chapa que perdurava no meio da ferrugem, repousa hoje no fundo do Atlântico, a lixeira lá do sítio. Peço desculpa pelo testamento, mas as palavras são como as cerejas.
De Bic Laranja a 15 de Novembro de 2007
Carlos Freitas: Obrigado pelo seu atento comentário. O que diz está muito bem posto. // Luar: Obrigado pelas suas memórias. Dão elas mais vida à cidade. E mais cor ao blogo. // Cumpts.
De Luar a 15 de Novembro de 2007
Na altura em que falo não acho que fosse mas nós não frequentávamos o Vává de noite, apenas a minha mãe encomendava o dito cujo casco que o engraxador (agora ñ me recordo o nome) levava lá a casa.
Só por curiosidade, a foto do casório da minha mana é precisamente na casa da Av. EUA nº 101 ...
Só a mana mais velha é que quando casou saiu da casa do Areiro (das torres cor-de-rosa) por cima da cervejaria Munique. Um dia ponho lá para ver.
Beijinho da palrradora
De carlos freitas a 15 de Novembro de 2007
É um enorme prazer encontrar o autor. Reconhecer o mérito do seu trabalho ou do prazer com que teria feito fotografia. A prova provada de que a fotografia deve merecer todo o nosso carinho. Para além de arte, da fotografia enquanto arte e enquanto tal construída, existe essa outra que, sem pretender ser arte, deve ser preservada, mostrada, enquadrada, como o Bic faz. Com prazer, com saber e muito trabalho de procura. Através deste englobam-se as diversas perspectivas, a nostalgia, a saudade, a memória pessoal de cada habitante do lugar, de uma certa Lisboa que foi sendo engolida pelo tempo e se transformou numa cidade enorme. E a memória do autor, que aqui chega e deixa saber que se sente reconhecido (e comovido) por as saber apreciadas, discutidas, enquadradas. Por as suas fotos verem a luz do dia, andarem por aí pela mão de outros, que sabem que uma foto pode valer mais que mil palavras, mas não quando se encontram encaixotadas, sem legendas e sem identidade.
De Bic Laranja a 14 de Novembro de 2007
:) Cumpts.
De Scarlata a 14 de Novembro de 2007
Gostei muito da carta do senhor Goulard. Essa rua é tao reconhecivel para que é de Lisboa, nem precisa de apresentaçoes. ;)
De Bic Laranja a 14 de Novembro de 2007
Kikusui: Ora essa caro amigo. A gente vai-se vendo. Um abraço. // Dona T.: E nã precisava obras? // André Santos: Com o túnel não é possível. Nem seria aconselhável. // D. Luar: Quando estudei por ali parece-me - mas posso estar enganado -, a Vává andva um tanto mal afamada. Obrigado pela sua descrição! // Cumpts.
De Luar a 13 de Novembro de 2007
Era realmente uma zona muito bonita o Vává era muito agradável e tinha um casco de santola fantástico o dono o Sr. Petróneo e o impagável engraxador que por vezes até as meias engraxava... Havia um Supermecado do outro lado do largo e descendo as escadas dos prédios altos (q não se vê daqui, em frente ao nariz do carro branco) uma pequena mercearia que dava para o largo onde jogávamos há bola...
De André Santos a 13 de Novembro de 2007
Com aquela placa relvada seria um prazer atravessa-la. Com o tunel, hoje em dia, nem tanto... ;)

Comentar