Quarta-feira, 31 de Outubro de 2007

Campo dos Mártires da Pátria

" Isto foi o Campo de Sant'Ana.
  Desde 12 de Novembro de 1880, passou a chamar-se Campo dos Mártires da Pátria, designação que perdura no dístico municipal, mas que não entrou na auditiva popular.
  O jardim — muito cortado de ruazitas, mais jardim «de passar» do que «de estar» — possue belos exemplares de olaias, faias e cedros; esteve para ostentar um chafariz monumental, encomendado pela Câmara a certo arquitecto, que apresentou o seu risco e chegou a executar estátuas, que levaram outro destino.
  Mas, Dilecto, recomecemos a jornada [...] "

Campo de Santana, Lisboa (E. Portugal, 1940)
Panorâmica sobre o Campo dos Mártires da Pátria, Lisboa, 1940.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..


 Olho do alto o Campo de Santana — vista privilegiada desde a esquina da Rua Gomes Freire — em 1940 pela objectiva de Eduardo Portugal. Ao fundo o Tejo e o Castelo, imersos na luz difusa de Lisboa. À esquerda o Largo do Mitelo — o nome deriva do palácio de porte nobre que faz esquina com o largo do Mastro, logo abaixo. Segundo Castilho — com remate e actualização de Norberto de Araújo...

" [...] no tempo do útimo rei Filipe, era dona dumas casas nobres, aqui no campo do Curral [nome primitivo do Campo de Santana] — o actual palácio que estamos vendo — D. Guiomar Nunes Coronel. Por sua morte passou o prédio, em conjunto, a sua sobrinha D. Ana de Sousa, que em 1672 o vendeu a Francisco Mendes. Dos herdeiros dêste passou em 1737, por venda, ao Dr. Alexandre Mitelo de Menezes, alfacinha puro, pois nasceu em Santo Estêvão da Alfama e que foi diplomata, conselheiro de El-Rei, desembargador e também capitalista. Foi êle quem acrescentou à sua formosa casa solarenga a Capela que junto a ela se vê [...] "

 Não vale a pena alongar-me na lista de sucessivos proprietários do palácio nem na descrição dos interiores. Talvez volte ao assunto mais tarde. Deixo-vos cá a informação — nova para mim — que neste palácio do Mitelo morreu em 1865 o Conde de Vimioso, cavaleiro fidalgo e toureiro, afamado pela ligação à cantadeira Severa.
 Por ali abaixo continua a velha Carreira dos Cavalos (Rua de S. Lázaro, continuada na Gomes Freire), que desce ao Socorro. Ali, na cortina que suspende este jardim Braamcamp Freire (outro caso de toponímia que não entrou na auditiva popular) sobem umas escadinhas a partir da Rua do Sol a Santana; é delas que se surge ofegante o Vasquinho da Anatomia numa cena conhecida d'A Canção de Lisboa (imagem nº 3).
 Mas a correnteza poente ficou a meio, não foi?
 Depois do Kaiser, Papa, viscondes, embaixadores, médicos, alemães e toiros sobra realmente pouco para acrescentar. Apenas que para o lado da Calçada do Moinho de Vento, a caminho do Torel (correnteza de casario à direita da Escola Médica na foto acima) sempre houve, afinal, demolições e reconstruções, mormente a sul da Calçada do Moinho de Vento. A fotografia aí em cima já mostra um palacete afrancesado que trasanteontem lá vi na esquina sul da Calçada envolto em tapumes. Mas esta parte da correnteza era no tempo da praça de toiros mais castiça, conforme vejo seguir.

Campo de Santana, Lisboa, c. 1900
Campo dos Mártires da Pátria, 39-39A [esquina com a Calçada do Moinho de Vento], Lisboa, [ante 1908].
Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Campo de Santana, Lisboa (A.F.C.M.L., c. 1900)
Campo dos Mártires da Pátria, 29-37, Lisboa, [ante 1908].
Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 Nesse dia de trasanteontem em que lá passei no Campo de Santana, da Calçada do Moinho de Vento até ao Torel só me lembra agora dum prédio grotesco-modernaço a meio do quarteirão. Ofuscado por essa modernice espelhada nem reparei se ainda lá estava, na esquina com a Travessa do Torel, o velho edifício adquirido pelo Estado em 1928 para funcionar o Ministério da Educação Nacional, em cuja fachada existiu uma lápide comemorativa da execução naquele local em 1817 dos 11 companheiros de Gomes Freire de Andrade. São eles os mártires da pátria do topónimo do Campo de Santana.


Ref.ª: Norberto de Araújo, Peregrinações em Lisboa, Vol. IV, 2.ª ed., Vega, Lisboa, 1992, pp. 32-47.
[Revisto em 1/11 às 11h11 e ao meio-dia e meia. E novamente em 2/11 às 11h12 da noute]

Escrito com Bic Laranja às 23:48
Verbete | comentar
13 comentários:
De MCA a 21 de Dezembro de 2007
Nasci e cresci no Campo de Santana, tal como os meus Pais. Nunca lhe chamei outra coisa. Campo dos Mártires da Pátria é só para quem não é do Campo de Santana :-)
De Bic Laranja a 3 de Novembro de 2007
Obrigado!
De papoila a 3 de Novembro de 2007
Sempre bom no relembrar a Lisboa de outros tempos.
BF
De Bic Laranja a 2 de Novembro de 2007
Ainda hoje alguém me dizia o mesmo. Apenas o autocarro era o 11, do tempo em que ia para a Picheleira. E sim senhora! Lembro-me de ter lido esse seu texto. A ver se encaixo no verbete esta remissão para ele. Obrigado! O livro assim compõe-se muito mais. E a menção de autor será necessariamente AA.VV. Cumpts.
De T a 2 de Novembro de 2007
Bem que tinha ideia que já tinha escrito sobre a minha antiga escola.
http://diasquevoam.blogspot.com/search?q=mitelo
Cumpts:)
De T a 2 de Novembro de 2007
Sem ser no autocarro 33, nunca ouvi chamar a senão Campo de Santana. EStudei aí ainda uns anitos. Cumprimentos
De Bic Laranja a 1 de Novembro de 2007
A minha mãe também se lhe referiu sempre assim como a sua. Obrigado Scarlata!
De Scarlata a 1 de Novembro de 2007
Por acaso, a minha mae é do campo de Santana e toda a vida nunca lhe chamou outra coisa. ;)
Belo post.
De Ana a 11 de Outubro de 2008
Para mim, Santana é topónimo mágico. Moro na Calçada de Santana e também partilho desse sentimento - apesar de não ter nascido em Lisboa, mas desde pequena percorrer estes caminhos até S. José.
Adorei a sua recolha!
De Bic Laranja a 11 de Outubro de 2008
Obrigado!
Cumpts.
De csantana a 30 de Maio de 2009
Adorei ver, vamos fazer um blog so para os que gostam do Campo de Santana.

Cumprimentos
De Bic Laranja a 4 de Dezembro de 2011
Grato pelo convite. Cumpts. :)

Comentar

Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____