4 comentários:
De Paulo Nunes a 26 de Abril de 2009
Nem imagina o prazer que me deu ler a história desta rua. Frequento a zona desde miúdo por motivos de trabalho dos meus pais.
Rogo-lhe que não se esqueça da sua promessa de contar a história da quinta da imagem (embora não o conheça, não me parece que seja como outro sr que tantas promessas fez e depois de eleito poucas cumpriu)
Os melhores cumprimentos para todos.
De T a 27 de Abril de 2009
Estou a ler o texto e a imaginar o Pastor Macedo a dizer encerre-se o assunto e vamos a uma almoçarada:)
Pena a minha patroa Dona Câmara não reeditar todo o acervo que está esgotado!
Cumprimentos senhor Bic e agurdando da Imagem a história:)
De APS a 27 de Abril de 2009
Muito interessante esta história do "Escritor" Marques Silva.
Também nesses tempos existiam enganos "de se lhe tirar o chapéu".
Tenho três livros de Lisboa de Lés-a-Lés, falta-me este quarto.
É uma pena não fazerem reedições, entretanto vamos lendo no seu blogue o que aquele grande olisipógrafo ia investigando.
Cumprimentos.
De Bic Laranja a 28 de Abril de 2009
Paulo Nunes: Grato pela estima em que me tem. A promessa mantém-se. // Dona T.:Se há coisa que não enetendo é a falta de reedição destas obras. Deve ser coisa de pequena renda, embora de grande alcance cultural, e a Câmara parece mais interessada em grandes obras, sim, mas doutro género. // A.P.S.: Este 'catrapesquei-o' há pouco tempo num alfarrábio no Poço dos Negros. Só assim consegui completar a obra. A Câmara neste particular é duma pobreza atroz. // Cumpts. aos três.

Comentar