Terça-feira, 23 de Outubro de 2007

A biblioteca de turma

minha madrinha tinha o condão de adivinhar prendas que me deliciavam. Quando fiz oito ou nove deu-me um livro grande, ilustrado, do Robinson Crusoe. Naquela época já tinha visto várias vezes o Robinson Crusoe na televisão e conhecia a história. Uma daquelas vezes na televisão fora em francês: Robinson pronunciava-se Ro-ban-sôm. As aventuras do Robinson Crusoe fascinavam-me. Fragmentos e coisas de nada das viagens marítimas no séc. XVII vinham nas ilustrações do livro e a minha imaginação povoava-se de piratas, tempestades, naufrágios, ilhas perdidas, antropófagos, amotinados de navios ingleses, &c.. Adorava aquele livro e estimava-o muito bem.
  No 1.º ano, não sei se por vaidade se por generosidade resolvi  apesar do melhor conselho de minha mãe — levar o Robinson Crusoe para a biblioteca de turma que a professora de Português organizou. Cada aluno devia levar um livro  ela também  e cada um depois escolheria dessa pequena biblioteca improvisada algum outro que não o seu para levar e ler. No fim do ano lectivo todos devolveriam e os livros tornariam ao seu dono. O livro fez um vistaço e suscitou a cobiça; ouvi até a professora:  "Olhem que livro tão bonito, já viram?"  e inchei.
  A biblioteca não me impressionou: um Tio Patinhas, alguns livros mais infantis da Anita, um dos Cinco e outro dos Sete que já lera e não me lembra já mais o quê. Acabei com um sobre o Edison que foi quem inventou a lâmpada eléctrica, uma novidade para mim (o Edison, não as lâmpadas). E vi o Rui Pires Cardoso arrebanhar o Robinson Crusoe; ele fora da minha aula na primária e confiei no zelo que poria no meu livro. Mas a decepção já me dava arrependimento; acho que sonhara lá encontrar mais livros do género do meu: uma Ilha do Tesouro, talvez.
  Com o passar do ano a biblioteca esmoreceu. Poucos devolviam o que levaram, talvez porque o não lessem, talvez porque a professora o não estimulasse. E em casa a minha mãe dizia:  "Eu bem te disse. Ainda ficas sem o livro."
  Com o ano lectivo a terminar fechou-se a biblioteca de turma e os livros tornaram aos donos. Não sei se todos os outros; o meu não. E com o pouco caso que a professora fez, fiz eu um ultimato ao Rui Pires Cardoso:  "À saída vais comigo à tua casa e dás-me o livro. Se não vou lá na mesma e digo à tua mãe.  O Rui Pires Cardoso foi e devolveu-me a medo o livro todo rebentado e com os cadernos mal pendurados na costura. Se não fosse a sua mãe aparecer quando me zanguei com aquilo o Rui Pires Cardoso tinha ficado com a lombada mais maltratada que o Robinson Crusoe. E não sei se o nariz lhe não ficaria pela costura...
  Isto a propósito do Plano Nacional de Leitura
.


Ilustrações de Balter in Daniel De Foe, Robinson Crusoe, Didáctica, [s.l.], [s.d].

 

Escrito com Bic Laranja às 00:04
Verbete | comentar
17 comentários:
De Bic Laranja a 13 de Janeiro de 2008
Edmundo de Amicis. O «Coração». Cumpts.
De João Sequeira a 10 de Janeiro de 2008
Pois parece-me que andamos todos pela mesma idade.
Eu tive um Robinson Crusue igualinho a este, mas não me chamo Rui nem Pires.
Quanto ao Coração, também li, e parce-me que era de um autor de nome Amicis. Mas este já era um livro muito antigo. Penso que o herdei dos meus irmãos, mais velhos 18 anos, junto com um lote de Salgari.
De Bic Laranja a 24 de Outubro de 2007
Dª Luar: Parece-me muito bem. Louvo-lhe o trabalho de recriação. Não sabendo para já como a ajudar deixei-lhe lá uma remissão para quem pode. // Réprobo: Tome cuidado com isso. Essa bicharada em encontrando pasto torna-se uma praga. // Manuel: Com as páginas cheias de arte abstracta... Parabéns mais uma vez! // Cumpts.
De Manuel a 24 de Outubro de 2007
Também inteiramente solidário com a sua indignação! E quando vinham escritos, anotados, rabiscados?!!! Abraço
De O Réprobo a 24 de Outubro de 2007
Os empréstimos! Quantos livros perdidos e destroçados não tive de carpir! Mas, na semana passada, deixei de estar em inocência: devolvi a um Amigo um com ligeiros picos de bicharada do papel na sobrecapa, feitos cá, à minha revelia. Abraço
De Luar a 24 de Outubro de 2007
A mim o meu Padrinho deu-me um livro chamado "Coração" é um dramalhão sobre uma criancinha.. li-o vezes sem conta.
beijos.
Amigo por favor se não se importa desloque-se até as minhas Luas para ver como lhe parecem agora (só não consigo mudar as letras dos comentários).
De Bic Laranja a 23 de Outubro de 2007
É o melhor, Dona T. É o melhor. // "O Morais era grande e bruto." - Pois! Assim é sempre mais difícil. // Cumpts. aos dois.
De Je Mainriendrai a 23 de Outubro de 2007
O seu texto fez-me vir dos fundos da memória uma coisa semelhante, com um fim menos feliz: estafermo do Morais que lá me ficou com uma encadernação de "Mickeys", ed. brasileira. O Morais era grande e bruto.
De T a 23 de Outubro de 2007
Esse tal de Rui Pires Cardoso merecia forte correctivo! Por essas coisas é que só empresto os meus livros a um reduzido número de amigos.
Cumprimentos:)
De rui pires cardoso a 20 de Junho de 2016
ola boa tarde fiz uma pesquisa do meu nome completo no google. é a plataforma que eu uso ! , e apareceu isto quero tirar duvidas se esta falando sobre mim
De Bic Laranja a 20 de Junho de 2016
Se estivesse não o haveria vossemecê de saber?...
Cumpts.
De rui pires cardoso a 22 de Junho de 2016
nao entendi a sua resposta bic laranja seja
direto e sobre mim ? voce me conheçe ? aqui esta meu email ruiipiires@gmail.com obgd
De Bic Laranja a 23 de Junho de 2016
Prezado Rui Pires Cardoso,
Só vossemecê pode saber se o texto é sobre si. Leia-o, por favor. Se porventura continuar sem lhe e me perceber a linguagem, pode ficar descansado; o texto não é sobre si.
De rui pires cardoso a 23 de Junho de 2016
ate entao entendi e li mas nao lembro do fato. achei que pelo seu expresar vc fosse de outro pais pq nao uso vossmece para se referir a uma pessoa , e sobre a sua pergunta de onde sou?
- minha naturalidade e do brasil cidade de londrina estado parana bairro cinco conjuntos foi aqui que aconteceu o fato ? ... agora nimguem melhor do que voce para esclarecer a minha duvida se e sobre mim !
De Bic Laranja a 23 de Junho de 2016
Caro Rui Pires Cardoso de Londrina do Paraná. O facto (é como dizemos em português) deu-se em Lisboa, se bem me lembro, no anos de 1978 ou 1979. Com toda a certeza foi com o Rui Pires Cardoso de Portugal e não consigo, que já vejo, é o Rui Pires Cardoso do Brasil.
Tem graça haver dois Ruis Pireses Cardosos no mundo.
Um abraço

Comentar

Setembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
17
19
21
23
26
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____