8 comentários:
De Luciana a 26 de Julho de 2009
Boa tarde, Senhor Bic! (hoje deu-me para o cumprimentar… :-))
Desconhecia que estivessem a desconstruir (termo maravilhoso) parte do edifício da Portugália. E eu que tantas vezes fui a caminho de lá…
Tenho pena! Principalmente porque nada de bom se espera de 99% por cento das desconstruções deste país!...

Abraço
De Bic Laranja a 26 de Julho de 2009
Boa tarde Dª Luciana. Talvez daqui não venha coisa pior. Cumpts.
De Luciana a 26 de Julho de 2009
Deus o oiça!...

E Sr. Bic fica bem (não é pela idade é pelo posto :-)), Dª Luciana fica péssimo! Luciana mais que basta! :-)

Abraço
De Bic Laranja a 26 de Julho de 2009
:) Cumpts.
De Politikos a 2 de Agosto de 2009
Tb reparei na semana passada. Aquilo como estava não era nada e parece - a julgar pelo «recuperação da fábrica antiga com novos usos» - que se irá guardar alguma «memória do sítio» no novo projecto...
De Bic Laranja a 2 de Agosto de 2009
Sim. Dizem que sim.
Só não percebo porque se arreda a agricultura e a indústria da malha de Lisboa. Terá de ser tudo serviços? E então porquê os contentores?
Cumpts.
De Politikos a 17 de Agosto de 2009
Sim, tem alguma razão no que diz. Pessoalmente tb gostaria de ver essa mescla. Mas para isso era preciso legislar, ou então, como infelizmente acontece, as tais «leis do mercado» acabam por imperar... Os contentores têm a ver com o rio que está ali e não noutro lado e com o porto de Lisboa... E o entra e sai dos navios tb faz parte da paisagem de Lisboa, coisa que tem sido escamoteada na discussão... Aliás, v. já aqui tem mostrado algumas fotos do Tejo povoado de navios ancorados...
De Bic Laranja a 22 de Agosto de 2009
Pois bem vê. A malha urbana aumenta e no fim a população de Lisboa cai (hoje é metade de há 30 anos). Depois queixam-se do ermo que fica...
O rio e a sua faina faz parte, sim.
Cumpts.

Comentar