Domingo, 16 de Agosto de 2009

Igreja de Arroios

 Tinha chegado eu ao largo de Arroios e... divergi. Retomando.

« Na sua simplicidade, fachada banal com uma única porta e com três janelas envidaraçadas, tudo liso, apenas com um apontamento arquitéctónico nas pilastras de ordem jónica - é esta a Igreja de S. Jorge de Arroios. Podemos fazer-lhe uma pequena visita.
  S. Jorge de Arroios é uma das mais pobres igrejas de Lisboa embora, cheia de claridade, e - simpática. Possue uma única nave. Ostenta quatro capelas laterais: do lado esquerdo, a começar da entrada do templo, a primeira capela é de S. Miguel, N.ª S.ª do Carmo e N. S. do Perpétuo Socôrro, e a segunda (antiga do Santíssimo) é do Senhor dos Passos e de N.ª S.ª das Dôres; do lado direito as capelas são do Sagrado Coração de Maria e de Santa Terezinha, a primeira, e do Sagrado Coração de Jesus e Santa Cecília, a segunda. Nos topos há os altares pequenos de Santo António e de N.ª S.ª de Fátima.
  A capela-mór guarda hoje o Santíssimo no centro do altar, e sôbre ela a imagem, tão graciosa, embora sem valor artístico, de S. Jorge; aos lados N.ª S.ª da Conceição e S. José.
  O grande interêsse da Igreja é, porém, o Cruzeiro - considerado monumento nacional.»

Norberto de Araújo, Peregrinações em Lisboa, IV, 2ª ed., Vega, Lisboa, 1993, p. 84.

Igreja de S. Jorge, Arroios (E. Portugal. c. 1940)
Igreja de S. Jorge de Arroios, fachada principal, Lisboa, 194...
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.

 Este templo, acima descrito, foi levantado entre 1820-1828. O terramoto arruinou o templo anterior e a paróquia abrigou-se na ermida de Santa Bárbara até 1770. Nesse ano passou para a ermida do Senhor Jesus da Boa Sorte e Santa Via Sacra no largo das Olarias e finalmente, uns anos depois, para ermida de Santa Rosa de Lima, no palácio dos Senhores de Murça, depois Mesquitelas, na Rua de Arroios. Em 8 de Novembro de 1829 a paróquia tornou ao Largo de Arroios para a nova Igreja de S. Jorge; o próprio rei D. Miguel assistiu ao cerimonial (cf. Norberto de Araújo, loc. cit. e Luiz Pastor de Macedo, Lisboa de Lés-a-Lés, vol. I, Pub. Culturais da C.M.L., Lisboa, 1981, pp. 185 e ss.).
 Foi demolido este templo por volta de 1970 - diz - por ter sido considerado pequeno, dando lugar a outro mais amplo - diz também (apesar de no mesmo terreno) - mas para cujo gosto arquitectónico não acho qualificativo.

Escrito com Bic Laranja às 11:34
Verbete | comentar
8 comentários:
De Luciana a 17 de Agosto de 2009
Eu tenho o termo: pavorosa!
Conheço quem tenha casado na antiga igreja e quem tenha vivido mesmo ao lado, por altura da demolição.
Penso que todas as vozes são unânimes: foi mais um vergonhoso atentado arquitectónico, que os Lisboetas - impotentes - tiveram de engolir.
Aliás, no que toca à “chacina”, nem as igrejas estão a salvo! Veja-se o caso da igreja do Socorro, demolida em 49, para dar lugar a uma das zonas mais "bonitas e bem projectadas" de Lisboa!... :-X

Qual terramoto, qual quê? É a mão humana - cheia de trocos - que mais tem devastado a nossa cidade.

Abraço

PS- a ver: (http://arquivomunicipal.cm-lisboa.pt/x-arqweb/(S(2e032a55iu3ba3igcxi5k445))/ContentPage.aspx?ID=952be67b864a0001e240&Pos=1&Tipo=PCD)
De Bic Laranja a 17 de Agosto de 2009
Pavoroso pode ser. Aguentou-se a capelinha da Saúde sabe-se lá como. Cumpts.
De Attenti al Gatti a 18 de Agosto de 2009
Conhecí a antiga igreja de Arroios na minha infância. Mas a memória que guardo dela, estranhamente, difere da foto.
Infelizmente, o execrável estilo arquitectónico replicou-se noutros templos, como o do Sagrado Coração de Jesus, na R. Camilo Castelo Branco, nos Olivais, etc.
Talvez fosse para dar um ar de modernidade, mas passou de modernice horrosa.
A.v.o.
De Bic Laranja a 19 de Agosto de 2009
Talvez seja do jardim que depois fizeram. No mais há inúmeros exemplos. Demasiados. Cumpts.
De André Santos a 23 de Agosto de 2009
A história da nova igreja de Arroios começa com a mudança do padre de então, com a vinda do padre José de Freitas de Sesimbra para a Freguesia de Arroios.

Construção de aparencia pouco agradável, conta-se ter sido uma obra muito util na altura pois o anterior edificio - ou templo, como também lhe chamam - pelas suas dimensões e estado avançado de degradação, já não dava conta do recado.

Foi a 3ª igreja edificada na vida de Monsenhor José de Freitas, que permaneceu de - se não me engano - 1955 até cerca de 2000 ao comando da sua igreja, freguesia na qual - já bastante idoso - ainda reside.

Tudo em: "Salpicos de uma caminhada" / Mons. José de Freitas.
Publicação: Castelo de Sesimbra : Junta de Freguesia, 2005

Tivesse toda a Lisboa devastada por mãos humanas cheias de trocos tanta sorte quanto a igreja de Arroios...
De Bic Laranja a 24 de Agosto de 2009
Arquitectonicamente tem tido a mesma má sorte. De mais a mais não vejo a igreja nova de Arroios assim tão desafogada. Mas se faz melhor a sua função não se perdeu tudo. Agradeço-lhe o seu comentário, em todo o caso. Obrigado!
De António Azeredo a 26 de Setembro de 2016
Meus pais casaram , nessa igreja, no ano de 1949. É lamantável a sua demolição.
De Bic Laranja a 28 de Setembro de 2016
Sim, é verdade. Mas o que lá puseram prima pelo gôsto mai' refinado. Na linha de todas as igrejas edificadas dos anos 70 para cá, aliás!...
Cumpts.

Comentar

Setembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
17
19
21
23
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____