8 comentários:
De Luciana a 17 de Agosto de 2009
Eu tenho o termo: pavorosa!
Conheço quem tenha casado na antiga igreja e quem tenha vivido mesmo ao lado, por altura da demolição.
Penso que todas as vozes são unânimes: foi mais um vergonhoso atentado arquitectónico, que os Lisboetas - impotentes - tiveram de engolir.
Aliás, no que toca à “chacina”, nem as igrejas estão a salvo! Veja-se o caso da igreja do Socorro, demolida em 49, para dar lugar a uma das zonas mais "bonitas e bem projectadas" de Lisboa!... :-X

Qual terramoto, qual quê? É a mão humana - cheia de trocos - que mais tem devastado a nossa cidade.

Abraço

PS- a ver: (http://arquivomunicipal.cm-lisboa.pt/x-arqweb/(S(2e032a55iu3ba3igcxi5k445))/ContentPage.aspx?ID=952be67b864a0001e240&Pos=1&Tipo=PCD)
De Bic Laranja a 17 de Agosto de 2009
Pavoroso pode ser. Aguentou-se a capelinha da Saúde sabe-se lá como. Cumpts.
De Attenti al Gatti a 18 de Agosto de 2009
Conhecí a antiga igreja de Arroios na minha infância. Mas a memória que guardo dela, estranhamente, difere da foto.
Infelizmente, o execrável estilo arquitectónico replicou-se noutros templos, como o do Sagrado Coração de Jesus, na R. Camilo Castelo Branco, nos Olivais, etc.
Talvez fosse para dar um ar de modernidade, mas passou de modernice horrosa.
A.v.o.
De Bic Laranja a 19 de Agosto de 2009
Talvez seja do jardim que depois fizeram. No mais há inúmeros exemplos. Demasiados. Cumpts.
De André Santos a 23 de Agosto de 2009
A história da nova igreja de Arroios começa com a mudança do padre de então, com a vinda do padre José de Freitas de Sesimbra para a Freguesia de Arroios.

Construção de aparencia pouco agradável, conta-se ter sido uma obra muito util na altura pois o anterior edificio - ou templo, como também lhe chamam - pelas suas dimensões e estado avançado de degradação, já não dava conta do recado.

Foi a 3ª igreja edificada na vida de Monsenhor José de Freitas, que permaneceu de - se não me engano - 1955 até cerca de 2000 ao comando da sua igreja, freguesia na qual - já bastante idoso - ainda reside.

Tudo em: "Salpicos de uma caminhada" / Mons. José de Freitas.
Publicação: Castelo de Sesimbra : Junta de Freguesia, 2005

Tivesse toda a Lisboa devastada por mãos humanas cheias de trocos tanta sorte quanto a igreja de Arroios...
De Bic Laranja a 24 de Agosto de 2009
Arquitectonicamente tem tido a mesma má sorte. De mais a mais não vejo a igreja nova de Arroios assim tão desafogada. Mas se faz melhor a sua função não se perdeu tudo. Agradeço-lhe o seu comentário, em todo o caso. Obrigado!
De António Azeredo a 26 de Setembro de 2016
Meus pais casaram , nessa igreja, no ano de 1949. É lamantável a sua demolição.
De Bic Laranja a 28 de Setembro de 2016
Sim, é verdade. Mas o que lá puseram prima pelo gôsto mai' refinado. Na linha de todas as igrejas edificadas dos anos 70 para cá, aliás!...
Cumpts.

Comentar