7 comentários:
De Bic Laranja a 2 de Outubro de 2007
O seu comentário é deveras interessante. Obrigado!
De Carlos Portugal a 1 de Outubro de 2007
Caríssimo Bic: Tanto quanto sei, os estragos feitos no chão de uma sala junto ao antigo refeitório (no piso inferior do Convento, geralmente fechado ao público), foram-no em 1941, pelo próprio Alfred Rosenberg, que esteve lá, à procura de uma entrada para a cripta sob a Charola. Acabaria por a encontrar, através de uma passagem que a ligava à cisterna do Castelo. Mas, ao que conta um velhote que então acompanhou a busca luso-germânica, não foi encontrado o tesouro (nem parece que fosse isso que Rosenberg estivesse à procura). Seria mais voltada para as teorias e estudos iniciados por Otto Rahn.
Ainda há poucos anos, um grupo de escutas tentou seguir por essa passagem até à Cripta, o que acabariam por conseguir, e tiraram algumas fotografias (mazinhas). Mas voltaram apressadamente, pois diziam que havia partes em risco de derrocada.
Quanto à hipótese aventada pelo Caríssimo Réprobo, também não me admiraria nada, pois os «trabalhos de restauro» encobrem muitas vezes verdadeiras operações de saque.

Abraço a ambos.
De Bic Laranja a 1 de Outubro de 2007
Com a gosma dos tempos que correm não me admiraria. Cumpts.
De O Réprobo a 30 de Setembro de 2007
Ose estragos seriam todis resultantes de buracos abertos na senda do tesouro dos Templários? Ab.
De Bic Laranja a 30 de Setembro de 2007
Passámos lá em 2006. Pelo menos a charola estava livre dos andaimes que lá vira anos antes. Mas talvez fosse preciso mais, sim. Cumpts.
De jose quintela soares a 30 de Setembro de 2007
mete dó o estado de degradação a que deixaram chegar esta obra-prima.

Visitei-o há pouco tempo e assustei-me.

Pobre país!
De RUI a 23 de Junho de 2009
Boas tardes,
Alguém sabe como posso contactar Carlos Portugal?
Obrigado

Comentar