Domingo, 30 de Agosto de 2009

Domingo à noite...

Nova Lisboa, alçado das ruas principais...
Prospecto das frontarias que hande ter as ruas principaes que se mandaõ edificar em Lixboa baixa arruinada e se dividem com colunelos para separaçaõ do uzo da gente de pé do das carruages.
Desenho a tinta-da-china, aguarelado a carmim, assinado por Sabastião Joseph de Carvalho e Mello e Eugénio dos Santos e Carvalho. Dim. 340 x 1000 mm. In
Monumentos, nº 21, Setembro 2004, p. 70.
 



 Na era dourada dos cursos da C.E.E. julgo que criei na mente uma espécie de aura de sonho com a descoberta da Lisboa pombalina. Não sei se isto se entende.
 Frequentei um curso da C.E.E. no Largo da Abegoaria (o Paulo Pires, aquele que faz teatro, também andou lá) e costumava subir da Baixa à Trindade observando ruas e casas. Tentava perceber-lhes nas fachadas sóbrias que marcas lhes davam a origem setecentista ou oitocentista: o ferro forjado raiado do tímpano duma porta que por vezes trazia data; o velho feitio das janelas de guilhotina; o esconso das escadas; o piso nobre de sacadas; o acanhado das trapeiras... Queria ver vestígios de cena pombalina que amalgamava na mente, com antiga gente imaginada nebulosamente nos seus distintos modos e roupagem. Um livro que resgatei por esse tempo na Barateira da Trindade (Suzanne Chantal, A Vida Quotidiana em Portugal ao Tempo do Terramoto, Livros do Brasil, Lisboa, s.d.) forçou mais o devaneio. Coisas da imaginação, ou pior.
 O fenómeno, quando o explico, adensa-se em algo mais extraordinário porque se dava com o walkman (o barbarismo derivou em fones e, até ver, no neobarbarismo hi-pod) nos ouvidos, nalgumas vezes com música pouco a condizer: uma cassete dos primórdios de Suzanne Vega. Pois com toda esta mistura, ouvir velhas cantigas da Suzanne Vega traz-me sempre a aura diáfana do devaneio em que naquele tempo punha a imaginação. Calculo que os meus itinerários da Baixa se gravaram em fundo na cassete da Suzanne Vega e no fim, refundida a cassete, plasmou-se tudo cá na ideia. Assemelha-se-me isto - agora que o conto - a uma involuntária lavagem ao cérebro, porque a busca incessante de vestígios do passado tornou-se-me numa mania em todos os caminhos que percorro. Não sei se é coisa que faça bem.
 


Suzanne Vega, Ironbound (Fancy Poultry)
Madrid, 1989.

Escrito com Bic Laranja às 21:45
Verbete | comentar
8 comentários:
De Luciana a 30 de Agosto de 2009
Que coisa mais curiosa… Após ler a sua resposta no texto da Praça da Figueira, fui procurar o projecto de que falou, e que eu também tenho, nesta mesma revista de onde agora retirou este desenho.
Ele há coisas… Às vezes andamos a trilhar exactamente os mesmos caminhos sem sabermos!

Abraço
De Bic Laranja a 30 de Agosto de 2009
Acabei também por dar com ele quando fui buscar o alçado das ruas principais. Cumpts. :)
De Luciana a 30 de Agosto de 2009
Está na página 148, o horrendo ante-projecto para a Praça da Figueira, de 1949.
Confesso que, neste caso, prefiro a estúpida inutilidade actual, ao total disparate então previsto!... :-X

Abraço
De Luciana a 30 de Agosto de 2009
Cruzes! Mandei esta mensagem ao mesmo tempo que a sua sobre o dito!...
Isto hoje está bonito! Andarão por aí as almas penadas e revoltadas da antiga Praça da Figueira?!

Abraço
De Bic Laranja a 30 de Agosto de 2009
Como trocamos impressões sobre o mesmo é natural que aconteça. A inutilidade actual é perigosíssima quando age. Cumpts.
De Luciana a 30 de Agosto de 2009
Verdade nas duas coisas.

Abraço
De Luciana a 30 de Agosto de 2009
Já agora… também tenho esse livro de Suzanne Chantal, comprado na Feira do Livro, juntamente com a vida quotidiana na Rússia no tempo dos Czares (pancadas minhas…).
E também ando quase sempre por esses caminhos do passado. Penso que nem sempre fará lá muito bem… Mas o total esquecimento - ou alheamento - é bem pior!

Abraço
De Bic Laranja a 30 de Agosto de 2009
:) Cumpts.

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____