Segunda-feira, 17 de Setembro de 2007

Elevador da Glória

 Quando fui para o 7º ano tive direito ao passo por causa da escola ser longe. Senti-me então - aos 12 - como um pássaro a quem abrem a gaiola; podia descobrir livremente toda a cidade em qualquer autocarro ou eléctrico. Podia descer dum autocarro e apanhar o primeiro que viesse a seguir e ir aonde essoutro me levasse. E podia andar no Metro também porque embora eu não precisasse para ir para a escola, o meu pai foi sempre generoso (sempre, se excluirmos um certo mês em que as notas que tive não foram suficientes para manter o privilégio) e comprou-me sempre a senha L que permitia livre trânsito no Metropolitano.

 O que eu não soube logo e ainda demorou até o meu irmão me dizer foi que o passo da Carris também dava para os elevadores.

Elevador da Glória, Lisboa (E.Portugal, 1931)
Abrigo e bilheteira do elevador da Glória, Lisboa, 1931.
Fotografia de Eduardo Portugal in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 21:14
Verbete | comentar
23 comentários:
De Bic Laranja a 1 de Outubro de 2007
Sou eu que lhe agradeço o comentário. Tem inteira razão sobre o alumínio e o Marquês; e é muito sagaz a sua apreciação acerca dos humanos e dos lugares de garagem. Eu pela minha parte considero que merece respeito a Lisboa que herdámos na medida em que ela tenha nobreza e valor. Considero que o vidro e o alumínio ficam bem e caracterizam a Alta de Lisboa e talvez até nas torres das Amoreiras, mas é aberrante no I.S.T. (os cubos) tal como no Palácio Foz. Considero que as avenidas poderiam ser muito mais belas como monumento duma época de Lisboa e não como estão, incaracterísticas e deixando-nos indiferentes. O mesmo para o Bº Azul ou as avenidas novíssiomas (estas menos mal). Mas estamos num tempo diferente sim senhor; num tempo em que o património herdado é como os idosos: dos antigos não se quer aprender nada, só usá-los para reforma... Por isso vejo esta geração e as vindouras a precisar de aprender tudo do zero sem que haja quem ensine. Cumpts.
De Martim d' Eça Leal a 30 de Setembro de 2007
Boa Noite ! Antes de mais gostava de lhe agradeçer, por contribuir para o meu enrrequecimento cultural ! Acho de facto, que é uma pena não poder-mos apreciar esta imagem todos os dias ! Não posso deixar de fazer uma critica a alguns comentários que li ! Se tambem acho que devemos contribuir para conservar o património arquitectonico da nossa cidade, tambem acho que devemos aceitar a modernidade e o tempo em que vivemos ! Acho que se o Marquês de Pombal tivesse aluminium ou pvc teria concerteza utilizado na grande reforma que fez em Lisboa, não nos podemos esqueçer que se não tivesse existido um terramoto, Lisboa seria completamente diferente da que conheçemos e não deixaríamos de a amar ! Muita gente que aqui discurssa e diz mal da arquitectura contemporânea, não conssegue viver sem um lugar de garagem e sem uma janela de aluminium ! O que fazer então ??? Boa pergunta !!
Aceitar que estamos num tempo diferente e que daqui a 300 anos estarão possivelmente por aqui pessoas a reclamar com a destruição das Amoreiras!!! Bom, não podia deixar de dar a minha opinião e de agradeçer !!! Obrigada !! Martim d'Eça Leal
De Bic Laranja a 21 de Setembro de 2007
Já rectifiquei. Obrigado!
De jose quintela soares a 20 de Setembro de 2007
Fico-lhe grato por ter colocado o meu blogue nos seus links, o que irei retribuir.

No entanto, o endereço deverá ser:

http://www.lisboantiga.blogspot.com

Cumprimentos
De Bic Laranja a 20 de Setembro de 2007
De nada! E mérito do fotógrafo que teve a percepção que valia a pena legar o motivo à posteridade. Cumpts.
De jose quintela soares a 20 de Setembro de 2007
Fotografia espectacular!

Obrigado.
De Bic Laranja a 19 de Setembro de 2007
Muito gosto em vê-la por cá, Neves de Ontem. // Funes el Memorioso: Julgo que o 1º autocarro em que andei tinha dois pisos. // JVP: Grato pela remissão; dá até impressão que a Calçada da Glória está mais estreita. // Absinto: Nem eu. // JA: Ainda havemos de ver caixilharia de alumínio nas janelas e cubos de vidro nos torreões do Terreiro do Paço. // Cumpts.
De [s.n.] a 19 de Setembro de 2007
Uma das diferenças entre as duas fotos é que se pode facilmente constatar que os caixilhos das janelas do Palácio à esquerda, são uma falsificação que não tem nada a ver com o original. Se nem num edifício destes se acerta em substituir igual por igual, que esperar do resto da cidade... :-(


JA
De absinto a 19 de Setembro de 2007
Curioso, não sabia da existencia anterior deste abrigo...
De JPV a 19 de Setembro de 2007
vejam as diferenças..

http://www.roug.org/soren/lissabon/20050722-181302.jpg/view?display=xlarge

Comentar

Julho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____