Domingo, 22 de Novembro de 2009

Uma panorâmica de Lisboa

Panorâmica sobre as terras da Alameda e Areeiro, Penha de França (J.A.L. Bárcia, c 1900)
Panorâmica de Lisboa, 1890-1945.
José Artur Leitão Bárcia, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..


 O título vago que o arquivista deu a esta imagem é exactamente isso: vago. Com um pouco mais de poesia e partindo do âmbito cronológico conhecido (1890-1945) poderia titulá-la Hortas de Lisboa.
 — Bem! A Lisboa das hortas quadrava-se bem com a cronologia dada até 1910 ou, vá lá, 1920, não 1945...
 De todo o modo que vemos na fotografia?
 — Isso mesmo: hortas. Hortas, quintas, casario disperso, caminhos entre muros. E um panorama tirado do alto...
 Ponhamos por instantes a hipótese da Penha de França que é um monte alto (o Monte de S. Gens também é, bem sei, mas em 1890-1910 o panorama não era assim ermo). Ora o panorama tirado da Penha poderia dar logo abaixo o esparso casario de Arroios: a igreja e o hospital a um lado e, rodando o observador o seu olhar para nascente, mais algum casario veria trepando para o Alto do Pina (Rua Barão de Sabrosa); mais ao longe, continuando, veria o Alto de São João, e por aí até ao Tejo. Pelo meio disto mais não haveria senão... hortas, pois. E acompanhando o fio deste olhar à volta desde a Penha de França estaria logo abaixo a circunvalação de 1858, entre Arroios e o Alto de São João, ou seja: a Rua do Conselheiro Morais Soares, necessariamente entre muros nesse tempo da Lisboa das hortas. E assim sendo, a nesga do casarão que se vislumbra à esquerda na imagem vamos lá ver se não é o hospital de Arroios? — Ora bem! — Neste caso então, confirma-se que a estrada que rasga o panorama da esquerda à direita é a Rua Morais Soares no troço que parte hoje da Praça do Chile.
 O caminho que parte do fundo da imagem haverá pois de ser a antiga Travessa do Caracol da Penha (hoje Rua dos Heróis de Quionga) que liga a Rua Marques da Silva (antigo Caracol da Penha) à Morais Soares - umas casas que se vêem a encobri-la haviam de ser da Quinta do Saraiva. - E o caminho que serpenteia para Norte na margem direita da fotografia? - Só pode ser a Azinhaga do Areeiro (coincide grosso modo com as actuais ruas Carvalho Araújo e Abade Faria); perto do Arieiro entroncava esta azinhaga com a Estrada de Sacavém cujo casario disperso se espalha numa diagonal para o horizonte na imagem acima.
 Parece-me, pois, que é isto.
 Só mais uma nota: quem c.1900 subisse desde Arroios o troço reconhecido aqui da Morais Soares apanharia à sua mão esquerda a Horta da Cera cujo muro comprido — ao meio com portão — se vê nitidamente na imagem. Logo depois entrepunha-se-lhe o muro e as casas da Quinta da Brasileira estreitando a via; esta propriedade ocupava sensivelmente a área delimitada hoje pelas ruas Actor António Cardoso, José Ricardo e Edith Cavell, a N da Morais Soares. Quando finalmente chegasse por alturas da Calçada do Poço dos Mouros teria então, ainda à sua mão esquerda, o Retiro do Manuel dos Passarinhos que coincidia pouco mais ou menos com o actual Largo Mendonça e Costa. Neste pequeno percurso havia à direita a Quinta do Saraiva e, depois da Travessa do Caracol da Penha (Heróis de Quionga), a Quinta do Manuel Padeiro. Mas não sigamos mais...

Manuel dos Passarinhos, Lisboa (J.Benoliel, c. 1900)
Retiro do Manuel dos Passarinhos, Lisboa, c. 1900.
Joshua Benoliel, in Marina Tavares Dias, Lisboa Desaparecida, v. 1, Lisboa, Quimera, 1987.

Escrito com Bic Laranja às 16:09
Verbete | comentar
21 comentários:
De VSC a 22 de Novembro de 2009 às 17:53
Muito curioso e interessante!
E como quem pouco faz, muito exige, não há possibilidade de datar a fotografia com precisão ou uma margem de erros de poucos anos?
De Bic Laranja a 22 de Novembro de 2009 às 19:04
As edificações mais próximas representadas que pude identificar correspondem com muita exactidão à planta topográfica 12 K do Levantamento da Planta de Lisboa. A data da planta é de 1909. Não me adiantaria muito a esta data.
Cumpts.
De VSC a 22 de Novembro de 2009 às 19:23
Muito obrigado pela sua boa vontade e prontidão!
Francamente, não tenho presentes os dados da aviação, mas, se a fotografia é de avião e não de balão a data não iria para 1914/15 - não muito longe daquela que fixou.

Aproveito para dar os parabéns pelo blog, que visito com assiduidade muito gosto.
De VSC a 22 de Novembro de 2009 às 19:29
Falta um ponto de interrogação em "1914/15"?
Agradeço o link da planta. :)
De Bic Laranja a 22 de Novembro de 2009 às 23:29
A fotografia é tomada do alto da Penha de França e é de certeza anterior a 1915. Nesse ano já há notícia da Rua Edith Cavell, que não existe na panorâmica.
Certezas maiores só a história do loteamento destas quintas nos dirá.
Cumpts.
De VSC a 23 de Novembro de 2009 às 14:16
Confundir a Penha de França com uma vista de avião! Obrigado pelo seu esclarecimento.
De Bic Laranja a 23 de Novembro de 2009 às 19:27
Também me pus essa hipótese quando vi a imagem pela primeira vez. É uma panorâmica bastante alta.
Cumpts.
De Luciana a 22 de Novembro de 2009 às 20:07
Bela panorâmica!
Agora tenho de olhar bem com atenção para a coisa…
:-)

Abraço
De Bic Laranja a 23 de Novembro de 2009 às 00:07
Pena não ter mais qualidade. Cumpts. :)
De Luciana a 25 de Novembro de 2009 às 22:04
É bem verdade... Assim torna-se difícil descobrir contornos familiares.

Não lhe dá vontade de ter as fotos todas do arquivo em tamanho "reconhecível"? A mim dá. E algumas, aqui da minha zona, bem gostaria de ter...
Quanto será que cobram, nos dias de hoje, para fazer uma reprodução de jeito? Sei que o preço varia consoante o fim a que se destina… O Bic sabe valores?

Abraço
De Bic Laranja a 25 de Novembro de 2009 às 22:51
Não. Não sei. E o original desta no arquivo está mais manchado.
Cumpts.
De Funes, el memorioso a 22 de Novembro de 2009 às 20:36
O post é muito interessante, mas não tenho competência para adiantar nada que possa ajudar a datar a foto.
Venho só choramingar, porque o Marques da Silva que deu o nome à rua referida no texto não é, como pensei inicialmente, o Arquitecto Marques da Silva, pai da escola de arquitectura do Porto (de onde saíram Álvaro Siza e Souto de Moura, por exemplo), autor, entre dezenas de outras obras de relevo, do Teatro Nacional de S. João, da estação de S. Bento, da Casa de Serralves (parcialmente)e vulto incontornável da cultura portuguesa da primeira metade do século XX.
De Bic Laranja a 23 de Novembro de 2009 às 00:11
Muito obrigado!
De feito o Marques da Silva do Caracol da Penha era só um comerciante dos Anjos. Mas não estamos numa era em que empreendedores valem mais que eruditos? Pois já vê...
Cumpts.
De [s.n.] a 22 de Novembro de 2009 às 21:15
Sim senhor! Trabalhinho assím, nem o Sherlock Holmes! Quanto ao Lgº Mendonça e Costa, como sempre o conhecí mais coisa, menos carros, com é actualmente, intuí automáticamente que anteriormente só por lá haveriam terrenos de cultivo. Afinal a realidade, ao tempo do Manuel dos Passarinhos era bem diferente. Podia muito bem ser um cenário para algumas personagens de Eça de Queiroz. Uma caixinha de surpresas,este blogue.
Quanto á foto das tais "varandas" da Barão de Sabrosa, o prédio que se lhes segue tinha, à esquina, como é visível um estabelecimento. Tratava-se de uma padaria, com a área do balcão toda decorada com azulejos representando coloridas cenas campestres, guarda-ventos espelhados e tetos de estuque trabalhado. Um primor. O próprio prédio era muito bonito, todo revestido a azulejo e com estatuetas na platibanda. Foi tudo substituído por um mamarrcho execrável.
A.v.o.
De Bic Laranja a 23 de Novembro de 2009 às 00:22
Só o lado baixo do Largo Mendonça e Costa tinha casas. O restante era uma quinta, tal como conjecturou, cortado pela Tr. dos Baldaques, que descia até às casas.
Cumpts.
P.S.: As estatuetas na platibanda e a azulejaria na fachada lá no prédio do Alto do Pina lembro-me. Os estuques trabalhados e os interioes só os posso imaginar. Valores artísticos do género derretem-se por grosso. Nem sei que lhe diga...
De Carlota Joaquina a 23 de Novembro de 2009 às 16:01
Muito obrigada por estas e outras preciosidades que coloca aqui no seu blog a Lisboa de que meu Pai contava .

De Bic Laranja a 23 de Novembro de 2009 às 19:28
De nada. Foi um gosto. Cumpts.
De tron a 25 de Novembro de 2009 às 23:31
lisboa antes dos especualdores imobiliarios, coisa rara
De Bic Laranja a 26 de Novembro de 2009 às 19:20
Eram outros tempos. E havia menos gente a estragar e a deixar estragar.
Cumpts.
De José Carlos Almeida a 9 de Fevereiro de 2016 às 23:02
O fios eléctricos que cortam o céu vindos de um poste implantado atrás do fotógrafo, poderão ser uma boa referência para a datação aproximada da foto, caso se saiba em que época se procedeu à electrificação dos arredores de Lisboa. Terá sido antes de 1920?
Também é curioso o facto do observador aparentemente se encontrar mais ou menos à mesma altitude do Casal Vistoso no alto da sua colina do Areeiro (lado direito ao fundo)

De Bic Laranja a 13 de Novembro de 2017 às 21:50
Respondo-lhe com atraso, mas não me apercebi do seu comentário antes.
Temo bem que os fios sejam a chapa fotográfica mutilada. Mas, a não serem, eis uma boa pista para a datação. Todavia terá de ser antes de 1914-15.
Da Penha vê-se por cima do Casal Vistoso. Tanto que se lhe apanha o horizonte baixo a seguir, até à Portela.
Cumpts.

Comentar

Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
14
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____