Sábado, 27 de Fevereiro de 2010

Metro: Campo Pequeno

 Como uma banal fotografia duma saída do Metro nos dá uma cidade completamente transfigurada! O quarteirão da Avenida da República ao fundo, entre o Campo Pequeno e a Barbosa du Bocage, está irreconhecível. Foi todo demolido.
 Gente bem apresentada saindo do Metro.
 Nem a cidade nem a gente têm hoje tão bom ar, parece-me... - A cidade, decididamente, não tem!

Metro: Campo Pequeno (H. Novais, anos 60)
Metro: Campo Pequeno, na esquina da Av. de Berna, Lisboa, anos 60.
Fotografia: Estúdio de Horácio de Novais, in Biblioteca de Arte da F.C.G..

Escrito com Bic Laranja às 14:52
Verbete | comentar
26 comentários:
De Carlos Portugal a 27 de Fevereiro de 2010
Tem toda a razão, Caro Bic! Nem a cidade, nem as gentes... Resvalamos da civilização para a barbárie, para as «Eras Negras» que sobrevieram à queda do Império... (Romano, há 1500 anos, Português, no presente).

Bela e nostálgica foto (bem no início da década de 60, pelos carros e trajes).

Cumprimentos.
De Bic Laranja a 27 de Fevereiro de 2010
Também noto sinais de fim de ciclo. Pode ser só impressão.
Cumpts.
De Carlos Portugal a 27 de Fevereiro de 2010
Não será só impressão, Caro Bic. Infelizmente, pois a degradação nada tem de agradável, e ainda menos de épico.

Cumprimentos.
De Bic Laranja a 28 de Fevereiro de 2010
Pois! Bem parece.
Cumpts.
De Gastao de Brito e Silva a 27 de Fevereiro de 2010
Nestes tempos havia patriotismo e muito orgulho em ser português...havia menos bandalheira e mais civismo...sem ser saudosista ou fascista, todos sabemos que Portugal era um País...afinal a liberdade de Abril pouco nos trouxe de bom, uma vez que foi confundida muitas vezes com a liberdade de tudo se poder fazer ao abrigo da "democracia"...

Será que os genes lusitanos são os mesmos ou degeneraram em "tuguismo"??
De Bic Laranja a 28 de Fevereiro de 2010
Fomos reeducados nisso do tuguismo, fomos. Foi um êxito: Portugal ficou uma migalha, mas assaz nutrida de professores mais ou menos scolaris. E figos...
Cumpts.
De Luísa a 27 de Fevereiro de 2010
Caro Gastão mas há lá coisa mais bonita do que ver a roupoa interior de garotos e garotas, ou até a falta daquela nestas?!?! Há lá coisa melhor do que ir na rua e ver garotas vestidas como meninas frquentadoras de casas duvidosas e moços a segurarem com as mãos as calças (com certeza que as compraram folgadas já a contar poderem engordar!)?!? Há lá coisa melhor que ver ruas sujas, paredes riscadas ao abrigo da liberdade?!?!
Eu não sou saudosista, eu não sou fascista, eu não comparo a Lisboa de hoje (ou outro sítio qualquer) à Lisboa de há 50, 40 ou 30 anos, pois só tenho 27. E considero que o facto de ter nascido em plena liberdade não me dá o direito de abandalhar a cidade onde vivi 8 anos ou andar na rua como se fosse um palhaço ou ignorando por completo o significado de pudor...
De Carlos Portugal a 28 de Fevereiro de 2010
Cara Luísa:
Como tenho o dobro da sua idade, posso-me dar ao luxo de ser saudosista. Não por ser fascista - não sou, mas também o Estado Novo não o era (mais uma cretinice propalada, dos bárbaros que nos tomaram de assalto), pois era corporativista - mas por poder comparar; e, asseguro-lhe, o sentimento de opressão e vigilância policiesca de agora é muito maior e pesado do que era na altura. Quanto a liberdade de expressão, vai pelo mesmo caminho. E nos dias de hoje há que acrescer a bandalheira generalizada que refere, a ausência total de ética, honra e escrúpulos, e a falta daquela luz tão clara que tornava Lisboa tão especial. Por isso é que se chamava assim (de Lux Buna ou Luz Boa, e não Olissipo).

Cumprimentos.
De Bic Laranja a 28 de Fevereiro de 2010
Quando não havia liberdade havia o dever de não abandalhar. Já viu a opressão?!...
Cumpts.
De Carlos Portugal a 28 de Fevereiro de 2010
Nem mais, Caro Bic!

Cumprimentos.
De Luísa a 27 de Fevereiro de 2010
Ah! Tenho que acrescentar, gostei muito da imagem. Lisboa seria mais bonita se ainda tivesse o Campo Pequeno assim.
De Bic Laranja a 28 de Fevereiro de 2010
É bem verdade!
Cumpts.
De Carlota joaquina a 28 de Fevereiro de 2010
Também tenho o dobro da idade da Luisa E já lá diz o povo e muito bem ."Atrás de mim virá quêm justiça me fará "

Afinal continuamos na mesma ou ainda pior .
De Bic Laranja a 28 de Fevereiro de 2010
Na mesma não estamos.
Cumpts.
De [s.n.] a 28 de Fevereiro de 2010
Que bonitas moradias, parecem autênticas casas de bonecas. Até a claridade de Lisboa (famosa cá e lá fora), bem patente nesta fotografia, parece ter desaparecido para sempre, como muito do que era normal e corrente na sociedade portuguesa, como por exemplo e só para referir dois aspectos fundamentais, o civismo absoluto e o respeito total pela autoridade e pelo próximo e que tanta falta nos fazem e a enorme saudade que nos deixam. De facto este troço da cidade está completamente irreconhecível, como diz. A cidade de Lisboa está uma autêntica desgraça. A famosa democracia trouxe-nos muita coisa "boa" - como os democratas não se cansam de proclamar, mentindo alarvemente, há 36 anos para convencer os incautos e o bom povo crente - principalmente uma degradação total das instituições, uma violência como nunca se viveu em Portugal, roubos diários dos mais simples aos mais violentos, mega corrupções e traficâncias nas mais altas instâncias do Estado e da sociedade civil, libertinagem da mais desbragada, desrespeito absoluto pelos mais velhos, etc., etc. Já para não falar na reles classe política e não só, que mais parecem salteadores de estrada. Quanto à justiça que nos devia proteger como povo (é para isso que ela existe) e que tão carente está dela, é simplesmente inexistente. Se isto não são bençãos "magníficas" que os democratas nos trouxeram, então não sei o que lhes hei-de chamar. Na verdade devemos-lhes tantos e tão grandes favores que nem uma vida inteira nos chegaria para lhos agradecer. Sim, não há dúvida, nós povo português estamos-lhes eternamente gratos. Dito doutro modo, estamos-lhes eternamente gratos sem dúvida alguma mas por nos darem motivos de sobra para os amaldiçoarmos enquanto nos restar um sopro de vida.
Maria
De Bic Laranja a 28 de Fevereiro de 2010
Como há-de Lisboa ter a mesma luz se os mamarrachos que plantam só fazem sombra?
A democracia trouxe-nos os democratas, para começar. Portugal é que não teve a essa sorte porque acabou logo aí.
Cumpts.
De [s.n.] a 7 de Abril de 2013
Leia-se "amaldiçoar" e não amaldiçoarmos.

Só hoje e agora:), depois de reler o meu comentário, reparei no erro verbal na última linha.
Maria
De Bic Laranja a 7 de Abril de 2013
:)
De Attenti al Gatti a 28 de Fevereiro de 2010
Curiosa foto, sem dúvida. Dos edifícios que se avistam em fundo, só resta o palacete à direita, junto ao autocarro. E mesmo esse, esteve, vai não vai, para dar a alma ao criador. Os restantes marcharam todos. Não eram obras-primas arqitectónicas, é certo, mas os pardieiros a armar ao pingarelho que vieram a seguir são, seguramente, bem piores.
Note-se o sinaleiro, figura práticamente extinta nos dias de hoje. Com o fim dos do Grilo e de Xabregas, só restam os do Museu dos Coches e do Principe Real. Este será, provalvelmente, o último a ser extinto. Devido à proximidade, seguirá dalí, directamente, para o Museu de História Natural.
Atente-se, também nas pessoas que estão no acesso ao Metro: parecem manequins. Demasiadamente bem vestidos para o dia-a-dia e em pose pouco natural (veja-se o fulano de cabeça encostada ao gradeamento). Dá a impressão deuma foto encenada.
A.v.o.
De Carlos Portugal a 28 de Fevereiro de 2010
«Dá a impressão de uma foto encenada». É bem provável. O que não invalida o ambiente geral.

Cumprimentos
De Bic Laranja a 28 de Fevereiro de 2010
O palacete que diz foi demolido; é na Av. da República, nº 50, na esquina com a Barbosa du Bocage, onde há uma consultora ou algo assim.
A fotografia parece ter figurantes, sim, mas não teve grande trabalho de encenação; esse fulano que diz mais parece um curioso atrevido a quem o fotógrafo ignorou. E os figurantes ignoraram o fotógrafo, claro.
Cumpts.
De Attenti al Gatti a 1 de Março de 2010
O palacete sobrevivente de que falo, é o que se situa na esquina da Av. de Berna com a Av. da República, do lado do Saldanha e que, num primeiro olhar me pareceu ser o que está junto ao autocarro.
A.v.o.
De Bic Laranja a 1 de Março de 2010
Esse conserva-se. Mas há-de ver como o irão abafar...
Cumpts.
De [s.n.] a 7 de Abril de 2013
Esse palacete meio Arte-Nova ainda lá está e creio pertencer à Câmara de Lisboa, era/é onde está/va instalada a EMEL...
Maria

Nota: Só agora li estes comentários (após o meu), seguindo a ligação que deixou hoje, 7/4/13...
De Bic Laranja a 7 de Abril de 2013
Esse palacete não está na imagem. Também não sei de a E.M.E.L. habitar ali.
Cumpts.
De [s.n.] a 8 de Abril de 2013
É o palacete que faz esquina da Av. de Berna para a Av. da República. E sim, parece-me aquele que vejo na imagem. É de cor esverdeada, meio desmaiada. Pelo menos era quando eu lá passava, já vai algum tempo.
Maria

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____