Quinta-feira, 22 de Abril de 2010

Dos fluidos gasosos

 Imagine o benévolo leitor que a companhia do gás se intoxica e lhe factura o triplo...
 Não! Não! Não!
 Imagine o benévolo leitor uma civilização em que o preço unitário dum papo-seco seja achado, não em função do kg da farinha ou do pão, mas em função duma unidade energética potencial pela ingestão do papo-seco – p. ex. flexões de braços por minuto – calculada através duma fórmula rocambolesca que inclua os índices médios mensais de massa corporal da população, temperatura média em ºC na zona da padaria, arcos de curvatura dos pepinos eurocomunitários, algo assim, tudo somado ou ponderando.
 Se consegue o caro leitor conceber uma civilização com tal avanço poderá já perceber porque é que os fluidos gasosos ditos naturais que fluem nas canalizações se vendem agora em kWh e não em m3. É em função disto que reguladoras ERSES, devidamente escudadas em civilizadoras directrizes bruxeleantes, lhes afixam (aos gases ditos naturais) o valor unitário. Dizem-me que é simples, por natureza.
 Cheira-me que não.

Gás natural (imagem inodora)

Escrito com Bic Laranja às 22:00
Verbete | comentar
8 comentários:
De Blondewithaphd a 22 de Abril de 2010
Ui, linguagem demasiado técnica...
De Bic Laranja a 23 de Abril de 2010
Deve ser isto a transparência que ouço apregoar.
Cumpts.
De Donatien Alphonse François a 22 de Abril de 2010
Do mesmo modo a inteligência dos nossos governantes não se mede em Q.I.,mas em Kg...da cabeça de abóbora.
De Bic Laranja a 23 de Abril de 2010
Cabeça de abóbora com dentes de tubarão...
Cumpts.
De Luísa a 22 de Abril de 2010
Lá em casa ainda não há dessas modernices. Ainda se vai à bomba de gasolina comprar a botija, que também não há menina, nem menino do gás!
Mas... essa novidade é deveras interessante. Estava a rir-me da "curvatura dos pepinos" e juro que estiquei o pescoço para a frente quando vi essa dos KWH. No mesmo instante perdi a vontade de me rir.
Vivo na Europa, mas fora da Comunidade Europeia, não acho que por aqui seja um mar de rosas e há coisas que me parecem óbvias e que os nativos demoooooram a entender, mas essa... tenho sérias dúvidas que se faça uma assim, ou parecida, por estas bandas...
Saudações tristes e desiludidas com esse país
De Bic Laranja a 23 de Abril de 2010
Acha possível?... Parar a marcha da 'civilização'...
Cumpts.
De Carlos Portugal a 23 de Abril de 2010
Caro Bic:
Pois é, infelizmente, tudo serve aos escroques que nos impingiram como desgovernantes mais a sua camarilha para nos ludibriarem com pretensões de «modernidade» de labregos e «ciência» asinina, sempre com o fito de nos extorquirem mais uns cobres, para as suas ignóbeis actividades.

Na verdade, Caro Amigo, o gás dito «natural» é uma mistela de hidrocarbonetos não refinados, de aromáticos (com mau cheiro enxofrado, se quiser saber), de mercaptanas leves e, principalmente, metano, o célebre «gás das minas» que, misturado na proporção de 1/8 com o ar, forma o temível «grisú», que tantos mineiros matou e tem morto. É o que resta num poço de petróleo onde o dito esteja esgotado...

Assim, essa porcaria, com baixo poder calorífico (ao contrário do que apregoam) e que era queimado nos nossos poços de Pande, em Moçambique, como coisa nefasta, é uma das misturas gasosas mais POLUENTES que se conhecem (a sua queima produz óxido e dióxido de enxofre, entre outros mimos), para além de ser altamente explosivo (por isso é que as explosões de gás «natural» rebentam com tudo), o que levou a França do século XIX a proibir a utilização do gás «natural» de Lacq na iluminação pública e nos usos domésticos...

Mas, pelos vistos, o que era altamente poluente e perigoso no Século XIX, é agora muito ecológico e «natural» (o petróleo também o é, caramba!), peitoral, até, mais do que os rebuçados do Dr. Bayard... Ou seja, usam o termo «natural» para nos impingir aquela porcaria, ainda por cima aldrabando fortemente (como seria de prever) no seu poder calorífico (que é fraquinho e se deveria medir em quilocalorias, e não KW)...

Tomam-nos por parvos, do alto da sua insapiência de burgessos que julgam ter o mundo na mão. Pois, mas na minha casa é que essa porcaria não entra. Nem essa nem muitas outras na «moda», como as nefastas lâmpadas «economizadoras»... E subscrevo o comentário da Cara Luísa.

Cumprimentos.
De Bic Laranja a 23 de Abril de 2010
Cuido que tem razão. Quanto mais denso o esquema mais fácil é o ludibrio; de mais a mais com fórmulas que nenhum 'cidadão comum' (como apreciam dizer) é capaz de avaliar se estão erradas. Ninguém me convence da bondade de vender gás ao quilovátio.
Cumpts.

Comentar

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____