Sexta-feira, 23 de Abril de 2010

Luís Gonzaga Pereira...

Luiz Gonzaga Pereira (G.E.O.)

 Tenho andado nestes dias com os Dispersos do grande olisipógrafo, o engº Augusto Vieira da Silva. Li há poucos dias no vol. II um artigo «Gonzaga Pereira e a sua obra» (p. 137 e ss.) que serviu de prefácio aos Monumentos Sacros de Lisboa em 1833, manuscrito do dito Luís Gonzaga Pereira dado à estampa pela Biblioteca Nacional de Lisboa em 1927.
 Luís Gonzaga Pereira (1796-1868) foi artista gravador – assim é citado por Raczynski em 1847 no Dictionnaire Historico-Artistique du Portugal –, foi desenhador e abridor de cunhos da casa da moeda. Numismatas e medalhistas dão notícias biográficas dele; Brito Aranha conheceu-o e aduziu também dados biográficos seus no tomo 16º do Dicionário Bibliográfico Português, de Incocêncio F. da Silva. O interesse que Gonzaga Pereira tinha pela arte levou-
-o a deixar-nos o seu legado mais interessante: desenhos e descrições de edifícios e monumentos, mormente religiosos, e nota dalgumas riquezas artísticas que eles possuíam; Gonzaga Pereira refere-lhes o estado em 1833 e as alterações sofridas posteriormente à extinção das ordens religiosas.
 Isto é o que nos diz o engº Vieira da Silva. O leitor interessado, caso não tenha à mão qualquer dos volumes atrás mencionados, pode com proveito ainda assim saber mais pelo resumo biográfico publicado na página electrónica do Gabinete de Estudos Olisiponenses.

---

 Nestes mesmos dias, num dos últimos verbetes (que nada tem até que ver com o assunto) cruzaram-se alguns comentários a propósito dalgo que publiquei há mais de quatro anos sobre a Quinta dos Embrechados. Comentou o prezado leitor Attenti sobre o que se recordava e não recordava a propósito da tal quinta, aduzindo que do que não tinha ele a menor ideia era duma certa Azinhaga do Curral. Respondi um tanto à nora que da tal azinhaga nem eu sabia, sem prestar atenção à legenda da imagem onde eu próprio escrevera: "Quinta dos Embrechados [tomada da Azinhaga do Curral, que partia da Calçada da Picheleira, anos 60]".
 Eis a imagem:

Quinta dos Embrechados, Lisboa
Foto: Vasco Gouveia de Figueiredo, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.


 E bom! Alertado pelo prezado leitor para a dita legenda, lá me justifiquei que devo andar precisado de rever o que aprendi, talvez relendo-me a mim mesmo, enfim!...
 Que Azinhaga do Curral era esta, afinal?
 Uma serventia sem importância. É assim chamada em 1908 na planta 13 L do Levantamento da Planta de Lisboa - 1904-1911; partia da Calçada da Picheleira (nºs 85-87) em direcção à Calçada do Teixeira, com cuja se ligava atravessando o fecho da linha de cintura que vai de Chelas a Xabregas.
 Na dita planta 13 L identifica-se bem a azinhaga, ao centro, na descendente, sensivelmente a 1/3 da altura da planta; no meio das hortas identifica-se uma construção em L invertido: é o aqueduto que se vê na fotografia.
 Quase que se poderia haver crismado a Azinhaga do Curral como Rua Direita do Casal do Pinto, tal foi o horror de barracas que se ergueram ao longo dela; tal qual uma pequena povoação.
 Pois esta Azinhaga do Curral foi de facto crismada pela C.M.L. em 28/12/1956. Sabeis como?
 Nem de propósito! – Rua Luís Gonzaga Pereira.

Levantamento da Planta de Lisboa (13 L, 1908)

Escrito com Bic Laranja às 07:35
Verbete | comentar
4 comentários:
De jose quintela soares a 23 de Abril de 2010 às 18:51
Muito interessante.
Desconhecia por completo.
De Bic Laranja a 24 de Abril de 2010 às 11:58
Ou talvez apenas curioso.
Cumpts.
De Attenti al Gatti a 24 de Abril de 2010 às 23:50
Fantástico!Como,por vezes, desconhecemos aquilo que os nossos pés pisam. Apesar de conhrcer a Rua Luís Gonzaga Pereira porque, entre outra razões, era visita frequente do prédio de esquina, onde está a mercearia do Ismael(outro nome ilustre da Picheleira - chefiou a agremiação empresarial do seu ramo de negócio) ignorava completamente que era aí a Azinhaga do Curral. Curiosamente, há uns meses atrás, estive no que foram os Embrechados a olhar para o cimo da Calçada do Garcia e a imaginar o que teríam sido os muros velhos que ainda lá estão. Talvez restos daquela azinhaga, quem sabe?
Tenho pena que Luís Gonzaga não tenha sido homenageado com uma artéria mais consentânea do que esta ruela entalada entre o ex-campo dos telefones e as traseiras dos prédios da Calçada da Picheleira e que a minha mãe, por já ter falecido, não possa frequentar estas suas páginas. O seu trabalho ganharía, assím, mais uma entusiasta. Merecidamente.
De Bic Laranja a 25 de Abril de 2010 às 23:25
A Câmara é useira e vezeira em homenagens assim. Como exemplos dou-lhe a Rua dos Amigos de Lisboa e a casa de Júlio de Castilho.
Cumpts.

Comentar

Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
14
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____