Sexta-feira, 14 de Maio de 2010

Primórdios da Alameda

 A Alameda de Dom Afonso Henriques pelos inícios dos anos 50 com muitos pormenores interessantes.


Alameda de Dom Afonso Henriques, Lisboa, 195...
Fotografia: estúdio de Horácio de Novais, in Biblioteca de Arte da F.C.G..


 Os relvados primitivos debruados com canteiros e polvilhados dumas poucas de árvores. Uma opção paisagista mais inspirada que o insípido relvado que se acaba nestes dias da banda do Técnico, ao fim duma data de anos ali com um estaleiro do Metro. Nos restantes relvados, do lado da fonte, há hoje estranhas grelhas, também do Metro, e muito sortido de 'mobiliário urbano', garantidamente com 'design' de autor...
 No gaveto da Av. Guerra Junqueiro o prédio do café Pão de Açúcar (que chegou a ter duas frentes e hoje só tem uma). Não sei se foram as duas frentes do café que lhe mutilaram a fachada do r/c no lado da Guerra Junqueiro. Mas aprecie-o o benévolo leitor aqui como era no princípio, com uma harmoniosa fachada e cércea de seis andares, e compare com aquilo que lá temos hoje, num ocre manhoso e enxertado de mais dois pisos. Não deixe de reparar, caso lá passe, na extravagante altura das varandas do 7º andar (o 1º do enxerto). Há-de reparar se o que lá está lhe parece bem.
 Na esquina em frente (Av. Almirante Reis, 188 e Alameda, 68), um edifício de quatro pisos que admito ser dos primeiros a ter sido construído na Alameda, por volta de 1939 ou 40 (ou até antes). Lembro-me bem dele, devoluto, já no fim dos anos 80. Ter só quatro andares há-de ter servido bem à desdita que nos calha hoje de vermos um grande mamarracho no seu lugar.
 O que se lhe segue (Alameda, 66), em estilo Português Suave e com uma cércea da mesma altura, nem me lembro nunca de o lá ter visto. Não deve ter chegado ao meu tempo. Só conheci o que lá vejo hoje, típico dos anos 70, banalíssimo, sem encanto.
 Do mesmo lado, dois quarteirões adiante, estavam por construir o prédio dos correios e o que faz esquina com a Rua Actor Isidoro. Já cá me referi a eles por causa disto mesmo: de não estarem feitos (cf. Dois prédios na Alameda)...
 Continuando no mesmo lado, atente o benévolo leitor no desnível entre o prédio ao centro do quarteirão seguinte (já quase a par da fonte) e a cota superior da ladeira a par do dito prédio. Ali, onde se vêem umas terras em declive em vez de passeio calcetado, vieram a fazer-se depois umas escadinhas para vencer o desnível. Os prédios foram construídos à cota mais baixa do terreno antes da ladeira feita, donde acabaram numa cota inferior. Daí as escadinhas. Falo nisto porque ao ir por ali em criança, ora ia pelas escadinhas, ora me empoleirava no muro de protecção que fizeram do lado da rampa.
 No prédio a seguir a este, já na esquina da Abade Faria, se bem me lembro houve escrita na fachada desde princípios dos anos 80 e ainda por uns bons dez anos ou mais, uma enigmática frase que só nos alvores deste século lhe percebi o amplo sentido. Dizia algo obsceno sobre um tal Bibi...
 Adiante. A par da fonte monumental não havia nada construído. O casario que identifico lá no alto dá para Rua Barão de Sabrosa: a Igreja dos Santos Doze Apóstolos, cujo campanário facilmente se percebe, e a correnteza de casas à sua direita (com seis grandes janelas) que eram o asilo "A Caridade"; segue-se-lhes a casa do benemérito que fundou ambos, Raul Alves Fernandes, de quem já falei aqui. O preventório de S. José (hoje externato 'O Pelicano'), também obra sua, é de 1957. Aqui não existia ainda. 
 Logo diante da casa de Raul Alves Fernandes, no lado de lá da rua (Barão de Sabrosa, 206-220), estavam em fase adiantada da construção as casas do Bairro da Guarda Republicana. Percebem-se-lhes os andaimes. Não sei a data da conclusão deste bairro, mas ela dará com maior aproximação a data da fotografia. Vamos a ver se descubro.

 Outros detalhes de interesse nesta imagem, ao correr da Rua Barão de Sabrosa, são: para a direita, logo a seguir às traseiras duns velhos prédios que lá vi ainda muitos anos, a chaminé da padaria que havia ao cimo da velha Calçada da Ladeira (que existiu no lugar da rampa SE da Alameda); para a esquerda, a Casa dos Plátanos, grande edifício com zimbórios construído em 1821 e que foi asilo para crianças pobres; foi reconstruído no tempo de Sidónio Pais ou pouco depois; hoje pertence à Santa Casa. - À esquerda desta casa, contra o horizonte, notai uma nesga do Tejo.

 Por fim, quase na margem esquerda da imagem recortam-se também contra o horizonte umas árvores num monte: eram contíguas à quinta das Ameias, ao Areeiro; mais um pedacinho de abertura de lente e cá teríamos também o Casal Vistoso.

Escrito com Bic Laranja às 07:30
Verbete | comentar
4 comentários:
De João Baptista a 14 de Maio de 2010
Tem sido bastante maltratada, principalmente pelas obras da Linha Vermelha do Metro. Espero que recupere a sua beleza.
De Bic Laranja a 15 de Maio de 2010
Com o semi-abandono da fonte e com toda a tralha (publicidade, barracas de gelados, arte mais que duvidosa..)? Não acredito.
Cumpts.
De Attenti al Gatti a 15 de Maio de 2010
Algumas achegas, de memória: na tal esquina (Av.Almirante Reis 188 e Alameda 68) em frente ao Pão de Açucar, existiu uma padaria em estilo Arte Deco, que ainda funcionava quando o restante prédio já estava devoluto. Lá no alto, nos prédios por detrás do andaime, era a taberna do sr. Rogério no extremo esquerdo e, no extremo direito, na esquina da R. Barão de Sabrosa com a Calçada da Ladeira, ficava a padaria, de cuja chaminé se fala no texto. Junto desta, ainda havia vestígios das traseiras das casas desse troço da Rua do Garrido. Ao fundo do relvado que se vê em primeiro plano, á direita, junto ao que parece ser um poste com um painel publicitário, existiu um frondoso salgueiro chorão, debaixo de cuja copa, se bateram grandes sestas, nas tardes de calor. Tudo isto pode ser visto nas fotos do Arquivo Fotográfico da C.M.L. Por último, no topo do prédio do Pão de Açucar existia um anúncio em. néon, à Predial Lis, creio, que simulava um prédio a crescer e cujas janelas se iam iluminando. Também é interessante comparar o andaime, todo em madeira, com os modernos congéneres, feitos em tubo metálico.
A.v.o.
De Bic Laranja a 15 de Maio de 2010
O salgueiro n' >O 7 (http://biclaranja.blogs.sapo.pt/418879.html)...
Muito obrigado pelas achegas!
Cumpta.

Comentar

Setembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
17
19
21
23
26
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____