Quinta-feira, 23 de Agosto de 2007

Alegadamente

 Abstraindo para já do triste caso da menina atentai à gramática. "A Polícia Judiciária transmitiu...": ora o verbo 'transmitir', sendo transitivo, pede complemento directo; mas lendo pergunto: transmitiu o quê? Há ali algum complemento?
 Bem! Há um indirecto: os magistrados; mas não se percebe o que lhes foi transmitido. Só se dissessem A Polícia Judiciária transmitiu aos magistrados &c. que acredita fortemente na possibilidade de blá blá blá.
 Há no texto da notícia um erro de concordância, portanto; o complemento directo não concorda em número com sujeito. A menos que o (a) jornalista ache que a Polícia Judiciária é um substantivo colectivo e force - alegadamente - por aí o plural.
 Ou talvez não saiba - alegadamente - contar...
 
 Que me lembre, este caso da menina inglesa — segundo os jornalistas - já foi rapto sórdido levado a cabo - alegadamente - por um luso-britânico; a menina já foi vista na Holanda; já houve um - alegado - pederasta suíço que morreu; os pais da menina já foram ao Papa e a Marrocos à procura; há dias um cão descobriu que a menina morreu; a — alegada — culpa passou para os pais; a culpa anteontem era dum amigo dos pais; ontem a menina foi vista em Espanha; hoje diz que houve um acidente dentro do apartamento há três meses...
 Há erros de concordância na notícia, portanto. Ou os jornalistas não a sabem contar. Alegadamente.

Escrito com Bic Laranja às 17:52
Verbete | comentar
8 comentários:
De Bic Laranja a 24 de Agosto de 2007
Srª Dª Maria: Agora disse tudo e eu subscrevo. Resta-me agradecer-lhe o seu comentário. Obrigado! // Réprobo: Etilizado, diz bem; doutra maneira não se entenderia esta gente. Cumpts.
De O Réprobo a 24 de Agosto de 2007
Não cesso de dizer para com os meus botões que se trata de uma confissão, construída a partir de uma corruptela popular, a que, por lapso, omitiram a letra "r", que é a minha inicial: queriam em todos esses casos significar "alegradamente", no sentido de contributo etilizado e etilizante. Abraço
De [s.n.] a 24 de Agosto de 2007
Ainda se fosse só isso... É com cada uma, nos jornais, revistas, televisões, etc., tanto no discurso oral como no escrito que, mais do que bradar aos céus, brada à própria galáxia, mas vendo bem já nada verdadeiramente espanta no País em que Portugal se transformou. E tem absoluta razão na observação que faz. E isso vem escrito num jornal por uma funcionária (jornalista?), agora quando se vê (ou lê) o modo como é feita a construção de uma oração ou frase em resposta a uma pergunta, por um ilustre professor universitário, ecritor, comentarista, articulista, bloguista, etc., num outro Blog, na qual coloca o sujeito a não concordar (de todo) com o predicado ou verbo, numa daquelas frases em que nem é possível alterar atabalhoadamente os elementos gramaticais que entram obrigatòriamente na sua composição para baralhar quem a lê, mas sem os quais ela torna-se quase ininteligível. Mesmo olhando de relance frases que tais, estes são (indesculpáveis) erros de palmatória e ainda por cima vindos de alguém que, pela idade aparente, terá obtido a sua instrução, da primária à universitária, no anterior regime e por consequência num tempo em que acabados os estudos quaisquer que estes fossem, se lia e escrevia correctamente a língua portuguesa... Temos então de partir do princípio, melhor, chegámos ao cúmulo em que ela já está TAMBÉM a ser abastardada por quem além de ter a obrigação de a conhecer profundamente TAMBÉM já a desrespeita escandalosamente, juntando-se em número àquelas inomináveis criaturas com responsabilidades ministeriais na elaboração dos programas escolares e nos que, hieràrquicamente acima destas, o permitem os quais criminosamente o têm vindo a fazer desde há trinta anos. Mas porque este era um dos vários pontos na agenda das prioridades a implementar com carácter d'urgência no País por quem o virou do avesso e porque todas as nossas gratas e nobres tradições teriam que ser varridas para o lixo da História e ainda porque o seu aspecto linguístico, isto é, o falar e escrever, já nem digo correctamente, mas bem a nossa língua, era uma das tradições por nós mais acarinhadas e sem dúvida nosso motivo de orgulho, teria ela também e obrigatòriamente que ir na enxurrada e porque todos os outros pontos já foram executados, um a um, este lá por ser o último (ou dos últimos) nem por isso tem sido levado com menor enlevo e empenho, antes pelo contrário, está a ser levado até às últimas consequências com um denoto a todos os títulos notável e de tal modo assim é que já quase não conseguimos discernir com rigor o que escrevem os jornais e revistas e dizem as televisões e quanto aos políticos, jornalistas e comentadores televisivos, para estes então é necessária tradução simultânea. Estão todos de parabéns: os que destruíram o País, os que abastardaram a língua portuguesa, os pseudo-ecologistas-maltrapilhos-drogados que fazem o jogo daqueles por quem ademais são contratados nos tempos livres para fazerem desacatos e fingirem que se preocupam com o ambiente, os icendiários - que provàvelmente são os anteriores executantes já que é impossível haver tantos perturbados mentais a fazer o mesmo desde há 30 anos (os que são apanhados em flagrante nunca são presos, se tanto detidos, os que o são, umas horitas para inglês ver) e que por sua vez não fazem mais nada na vida do que drogarem-se e ter este tipo de actividades paralelas e que por sua vez andam de país em país contratados e comandados por organizações semi-políticas, obscuras nos actos mas muito claras nas intenções e vice-versa, nos respectivos verões de cada um destes, a dar algum trabalho aos bombeiros (e rôdos de dinheiro aos donos das empresas que vendem as respectivas viaturas e aos proprietários das empresas d'aluguer d'aeronaves de combate aos fogos... mas estas contudo sem licenças para os combater como convém e que, segundo os responsáveis anunciaram, só estarão operacionais, isto é, munidas das necessárias licenças para levantar vôo, quando começarem as chuvas ou seja lá mais para o inverno já que outono quase não há, empresas estas que, indirectamnente claro está, estão ligadas a políticos e/ou gente com estes co-relacionada segundo notícias dos jornais do passado ano, gente esta que por sua vez quer tudo menos que os incêndios sejam extintos e quantos mais e maiores em dimensão houver tanto melhor, como é óbvio) e por fim todos os restantes actores medíocres desta trági-comédia a que vimos assistindo há décadas sob a batuta de fantoches manobrados à distância e que são, desgraçadamente para todos nós, quem põe e dispõe do País e do Povo marcando uma agenda político-mediática embrutecedora, diabólica e paranóica dia sim, dia sim no parla-vento de S. Bento, nas televisões, nos jornais e revistas deste infeliz País. O fim que eles almejavam para o País está em fase de conclusão. Os fazedores desta obra-prima, deste autêntico primor, merecem que lhes seja atribuída a mais alta condecoração honorífica do 'estado português' e conjuntamente o prémio Camões e Pessoa ex aequo a todos eles sem uma única excepção. Foram de um brilhantismo inexcedível e digno dos maiores encómios. Maior destruíção de um país em menor tempo útil era pràticamente impossível de ser alcançada por quem quer que seja e eles conseguiram-no com sobras. Estão portanto triplamente de parabéns. Fizeram obra.
Cumprimentos e pela minha parte agradeço-lhe os assuntos que aqui vai trazendo.
Maria (mas não a Maria sua colega administradora de um Blog, creio).
De Bic Laranja a 23 de Agosto de 2007
Verdade Dª Maria. Mas será possível perceber um argumento tão mau e tão mal escrito? // Alegados inocentes?! Caramba, Manuel! // Cumpts.
De Manuel a 23 de Agosto de 2007
E d'"os alegados inocentes" [expressão ouvida há tempos julgo que na rádio], o que se poderá dizer a respeito? :)
É uma classe povoada de mentes brilhantes, a dos jornalistas.
Abraço
De maria a 23 de Agosto de 2007
Então não sabe que, alegadamente, os erros, de sintaxe ou de ortografia já não importam para nada? Nem o conteúdo das alegadas notícias, desde que a história venda bem.
De Bic Laranja a 23 de Agosto de 2007
Provavelmente ninguém. É um risco confiar nestes espalha brasas. São capazes de pegar fogo a quem não deviam. Cumpts.
De Carlos Portugal a 23 de Agosto de 2007
Ou seja: É uma história muitíssimo mal contada. Resta perguntar quem é que estão a encobrir...

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____