Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2008

Casal dos Ladrões

 A quinta do Casal dos Ladrões descia na maior parte pela encosta oriental duma colina em cuja cumeada corria a Azinhaga do Carrascal. Confinava a N com a Calçada da Picheleira, a S com a Quinta dos Embrechados e com a Quinta do Carrascal, a E com Quinta da Conceição de Cima (depois dita Casal do Pinto); a O e SO julgo que o limite era o vale da Quinta Nova. O Levantamento da Planta de Lisboa (1904-1911) não apresenta qualquer construção nesta quinta salvo o casal propriamente dito. Pela sobreposição com o mapa actual ficaria este casal situado sensivelmente pelas traseiras do 64 da R. Capitão Roby.
 O Arquivo do Arco do Cego guarda documentos do Anteprojecto de arruamentos destinados a habitações económicas, com datas entre 1927 e 1937 e cuja concessão de construção foi entregue a um tal Francisco Lopes da Costa. O Casal dos Ladrões foi vendido em conjunto com a Quinta Nova, mais uma certa Quinta do Manteigueiro (que não consegui identificar), por 1.749.842$00. A escritura de quitação existe no mesmo arquivo; foi dada por Francisco Perfeito de Magalhães e Menezes, José de Magalhães e Menezes Vilas-Boas e outros em 1949. Presumo que estes Menezes Vilas-Boas sejam da família dos condes de Alvelos mas só mais aturado estudo o poderá confirmar.
 O nome da calçada (da Picheleira) donde partia a Azinhaga do Carrascal veio naturalmente a dar nome ao bairro que veio a ser construído sobrepondo-se ao pouco fiável topónimo Casal dos Ladrões cuja origem parece facilmente explicável, embora em concreto eu a não saiba determinar.

Antigo Casal dos Ladrões, Lisboa (M.Oliveira, c. 1955/6)
Fotografia aérea do cemitério do Alto de S. João, Lisboa, c. 1955/56.
Fotografia de Mário de Oliveira, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 No verbete Questão de Preço em que apresentei primeiramente esta fotografia deixei no ar uma melhor identificação do local (o arquivista equivocou-se dizendo que era a parada do Alto do S.João), bem como a sua datação. Farei esse trabalho agora na legenda:
 1) Quinta dos Embrechados (roxo): pequena quinta onde se construiu a nova escola primária; perdida a noção dos seus limites foi o nome dos Embrechados estendido a toda a área de hortas (depois bairro de lata) entre a escola e as traseiras da Capitão Roby (3).
 2) Escola da Câmara (ou da Cambra, na fala popular): a escola primária masculina nº 28 concluíu-se em 1956 e o primeiro aluno a matricular-se foi um Joaquim Alves Lavado; é com base neste dado que procedo à datação da fotografia, onde se vê a escola primária em construção. Actualmente chama-se Escola do 1º Ciclo Engº Duarte Pacheco.
 3) Rua Capitão Roby (amarelo): visível o troço do 53 ao 77 (ímpares) e do 64 ao 92 (pares); a numeração segue de N para S (da base para o topo da fotografia), ao contrário do habitual em Lisboa, mas que denuncia que a construção dos arruamentos foi feita a partir da Calçada da Picheleira (antes dita azinhaga, cujo nome original sobreviveu até aos anos 60 no troço que vinha do lado do Jardim da Nêspera, ao Alto do Pina). O tipo de habitações económicas originais do bairro eram as moradias térreas que se identificam nos nos 53, 57 e 59.
 4) Rua Frei Fortunato de São Boaventura (verde): a rua de cima da Capitão Roby também numerada a partir da Calçada da Picheleira; o seu troço inicial truncou a primitiva Azinhaga do Carrascal.
 5) Calçada do Carrascal (vermelho): primitivamente chamada Azinhaga do Carrascal, cujo alinhamento e alargamento rebaptizou em calçada. A numeração das casas, ao invés da das ruas de baixo, começa na Rua do Sol a Chelas (10), ou seja, do lado do Tejo como é tradicional.
 6) Praça Sócrates da Costa (castanho): a praceta, no falar do bairro; aparenta ter plano distinto do original do bairro; não parece enquadrar-se no plano original de habitações económicas. Mas posso estar enganado...
 7) Quinta do Grilo (rosa): em cujo planalto se fez o campo do Vitória Clube de Lisboa. Na parte visível na imagem vieram a edificar-se as bancadas e as cabinas (balneários).
 8) Quinta do Carrascal (verde azeitona).
 9) Quinta Nova (grená): segundo me contaram há não muito, nos anos sessenta ainda nesta quinta se cultivavam cereais.
10) Rua do Sol a Chelas (laranja): já aqui falei dela mais do que uma vez. Caminho meio rural (entre muros) que ligava a Estrada de Chelas à R. Morais Soares. Subsistem os troços inicial e final, soterrado que foi o resto com as recentes terraplanagens que produziram largas ruas que vão das Olaias à Paiva Couceiro.
11) Quinta de São João de Baixo (azul): antiga quinta na vertente NE do cemitério, limitada a nascente pela Calçadinha de Santo António, um curioso carreiro que seguia pela meia encosta oposta à da linha de cintura (a do túnel de Xabregas) e que entroncava na Estrada de Chelas depois dumas escadinhas, um pouco mais a sul. Nos terrenos desta quinta que se aí vêem arados julgo que fez a Câmara uma E.T.A.R. ou algo que o valha.
12) Quinta do Pinheiro (amarelo): extensa quinta que ia até à quinta do Manuel dos Passarinhos (Largo Mendonça e Costa), ao fundo da Calçada do Poço dos Mouros. Também conhecida como quinta do Abel, aonde se podia ir ao leite.
13) Cemitério oriental: ou do Alto de S. João.

Escrito com Bic Laranja às 00:03
Verbete | comentar
18 comentários:
De Bic Laranja a 22 de Fevereiro de 2008
:) Cumpts.
De T a 22 de Fevereiro de 2008
Muito obrigada:) Já averbei ao post:) Assim fica muito mais completo.
De Bic Laranja a 21 de Fevereiro de 2008
Obrigado pelo amável convite, caro Victor Nogueira. Infelizmente tem-me faltado o tempo. Depois dá-se o caso de não haver participações anónimas... // Julgo que se resolveu, Dona T. // Cumpts.
De T a 21 de Fevereiro de 2008
Sr Bic, quando tiver um bocadinho de tempo pode ir ao Dias ajudar a identificar um quarteirão da Avenida da República?
Obrigada:)
De Victor Nogueira a 21 de Fevereiro de 2008
Viva
Como não tenho o seu mail venho convidá-lo para participar em http://osabordolhar.blogspot.com/2008/02/convvio-do-movimento-e-do-contraste_21.html (http://osabordolhar.blogspot.com/2008/02/convvio-do-movimento-e-do-contraste_21.html)
Se quiser ver as «minhas» deambulações por Lisboa encontram-se em
http://kantoscriptoriumindex.blogspot.com/2008/02/srie-deambulando-por-lisboa.html (http://kantoscriptoriumindex.blogspot.com/2008/02/srie-deambulando-por-lisboa.html)
Um abraço
Victor Nogueira
De Bic Laranja a 19 de Fevereiro de 2008
Dum casal a um país deles? Talvez não; talvez o fenómeno seja localizado. Sem 'deslocalização' (que vocábulo horrível) à vista, infelizmente.
Cumpts.
De O Réprobo a 19 de Fevereiro de 2008
Como as coisas são, Amigo Bic! Com Campolide aconteceu encolha de vulto, toda a parte Sul que vinha à Ribeira comida no direito ao nome! Com os Ladrões, ao invés, dos limites traçados pelo Seu teclado magistral estendeu-se a legitimidade do apodo à Cidade e ao País! Obrigado por nos relembrar tempos em que não eram tantos. Abraço
De Bic Laranja a 19 de Fevereiro de 2008
Pitx: Prédio do Cunha? Figueira? Onde era isso? Há histórias dessas no Pipàterra? // Fui fazendo, Dona T. Obrigado eu! // Sou eu que agradeço as boas palavras, Dª Carlota Joaquina. // Cumpts.
De Carlota joaquina a 19 de Fevereiro de 2008
Bic ,sou alfacinha de gema nascida em Campolide sinto muitas saudades de Lisboa antiga o seu blog é uma lufada de ar fresco no fim de um dia de trabalho intenso .

Obrigadinha


Carlota Joaquina
De T a 19 de Fevereiro de 2008
Que trabalheira teve Senhor Bic. Mas que bem que está!
Obrigada:)

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____