16 comentários:
De Attenti al Gatti a 21 de Junho de 2010
Curiosamente, também tenho algumas fotos da dita locomotiva (e não automotora)comigo no lugar do maquinista. Também dá para vêr, mesmo ao lado, um prédio construído (legalmente?)no leito da antiga via férrea. É uma terra agradável, mas a falta do comboio é uma lacuna irreparável. Vá lá, que pelo menos a antiga estação ferroviária viu poupados alguns dos seus componentes na transformação em central de camionagem. Infelizmente, já o mesmo não se pode dizer da sua envolvente.
Pistas para uma próxima visita: Estação de Sernada, respectivas oficinas e material circulante antigo e ao abandono, Ponte de Santiago, em Sevér e o Museu Ferroviário, em Macinhata onde, aí sim, podem ser vistas duas automotoras, construídas a partir de camionetas de carreira.
A.v.o.
De Bic Laranja a 21 de Junho de 2010
Calhamos todos a fazer o mesmo.
Tem razão sobre o tal prédio e sobre o destino dado à estação.
Grato pelas sugestões.
Cumpts.
De Carlos Portugal a 22 de Junho de 2010
Caro Bic:

O dito prédio foi construído na mesma linha de actuação que levou ao arrancar dos carris e à construção de um ridículo troço de 2 Km de via «rápida» sobre parte do trajecto da via férrea. Ou seja, tentar impedir que se volte a fazer circular o caminho-de-ferro, para tornar as povoações dependentes da camionagem e dos interesses que lhe estão por detrás.

Não é nada que não se possa resolver com facilidade, haja vontade para tal: as principais obras de arte (viadutos, túneis) estão ainda lá, e a via «rápida» e o dito prédio podem bem ser demolidos.

Aliás, um abaixo-assinado de habitantes de Vouzela, S. Pedro do Sul, até de Coimbra, pedia a reabertura da Linha do Vouga, de preferência a vapor, como forma de melhorar acessibilidades e promover o turismo. Mas, como em quase tudo o resto, deparou-se com a oposição imbecil e criminosa dos governos centrais, pagos por lobbies com interesses inconfessáveis...

Enfim.

Cumprimentos
De Bic Laranja a 22 de Junho de 2010
Pois!... Enfim!...
Cumpts.

Comentar