Quarta-feira, 25 de Agosto de 2010

Miragens

 Tudo sumido até ao cinema Avis. Inclusive. Inclusive aquele palacete cujo frontão espreita por cima do eléctrico (e não sei agora se a casa que o antecede ainda lá está neste momento).
 É Lisboa seguindo a carreira do sumiço; a mesma do eléctrico 24 (acabou provisoriamente, li já não sei onde) e até do autocarro 16, que também levou sumiço do Arco do Cego. Esteve para acabar este Verão; de Benfica, queda-se afinal por São Sebastião, já não segue para o Chile.

Arco do cego, Lisboa (C.Leach, 1984)
Lisboa: - Siga aquele eléctrico!
, Arco do Cego, [1984].

Cristóvão Leach, in Busworld Photography.

Escrito com Bic Laranja às 21:11
Verbete | comentar
17 comentários:
De André Santos a 26 de Agosto de 2010
Da fotografia apenas resta o edificio estreito com varandas (logo após o AVIS) e os dois do fundo de 3 pisos, tudo o resto desapareceu.

Por curiosidade, o eléctrico 321 começou a sua vida por ser um electrico tipo "salão" aberto, da serie 283-322 entrada ao serviço em 1902, que entre 1952 e 1955 recebeu uma nova carroçaria tipo "caixote" (a presente na foto), tendo sido aproveitado quase todo o equipamento mecanico e electrico do inicio do século.
Em 1984 alguns componentes do elctrico 321 tinham 82 anos de serviço.

Um abraço.
De Bic Laranja a 26 de Agosto de 2010
Bem me parecia que asim era. E ao prédio estreito não sei se lhe não comeram o miolo para fazer 'lofts' ou algo do género...
Muito interessante as notas sobre o eléctrico.
Obrigado!
De TX a 11 de Outubro de 2010
Deixe-me acrescentar que o proprietário do retaurante 2 amazonas adquiriu o prédio estreito com varandas e remodelou-o segundo a traça original , sendo eu um dos orgulhosos proprietários dos ditos apartamentos e homenageio o espirito de recuperação , pois esta bodega de derrubar obras de arte para construir condominios ridiculos com garagem e segurança privada tem de acabar.Viva Lisboa rejuvenescida
De Bic Laranja a 11 de Outubro de 2010
Pessoas que recuperam como conta e que compram como fez devíamos ser mais.
Grato pelo seu comentário.
De Ricardo Moreira a 26 de Agosto de 2010
A própria rua (faixas de rodagem e passeios) também quase levaram sumiço à conta da extensão do metro. Quanto mais tempo ficará aquela Duque d'Ávila naquele estado?
De Bic Laranja a 26 de Agosto de 2010
Bem lembrado. Temo que as cicatrizes do Metro nos tenham deixado mais a avenida amputada. A auto-estrada da República e os dromedários das 'requalificações urbanísticas' não hão-de parir senão dois becos Duque de Ávila.
Cumpts.
De Carlos Portugal a 26 de Agosto de 2010
Caro Bic:

É Lisboa que desaparece, para se tornar em mais uma subúrbia de qualquer coisa cinzenta e informe, cheia de mamarrachos minimalistas e horrendos, iguais a tantos outros em qualquer das metrópoles sem história do mundo.

São os transportes públicos que desaparecem, com a «desculpa» insolente de que é para «melhorar a qualidade de serviço», e depois apregoam «dias sem carros», «ande de transportes públicos» e outras imbecilidades no género. Pois é, transportes públicos. Quais? Se cada vez existem menos? De bicicleta? Só um fanático da modalidade, com uma conta-corrente nos hospitais por quedas devidas a circular numa cidade como Lisboa. Então com chuva ou calor estival, deve ser uma delícia, não haja dúvida...

Há muitos anos, na minha juventude, atrevi-me a experimentar andar de bicicleta por Roma (vivia então lá), que é, em muitos aspectos, semelhante a Lisboa (sete colinas, ruas calcetadas, etc.). Desisti ao terceiro dia, por motivos evidentes. Pois, em Roma, sê romano: comprei uma moto.

E, ao menos, lá ainda mantêm a alma da cidade, não destruindo estupidamente o que faz parte integrante dela. O que aconteceria se substituíssem o Coliseu, a Praça Navona, o Fórum, etc. por «centros comerciais» ou edifícios de escritórios? Roma deixava de ser Roma, simplesmente. Deixava de ter interesse, pois perderia a alma.

Mas estão a fazer isso com Lisboa, a nossa Lisboa...

Cumprimentos.
De Bic Laranja a 26 de Agosto de 2010
É verdade. A descaracterização de Lisboa é ditada por visões de subúrbio sem rasgo nem horizontes.
A estimada Luísa que me perdoe por socorrer-me dela para exemplificar.
http://nocturno-la.blogspot.com/2010/08/lisboa-moderna.html
Cumpts.
De Carlos Portugal a 26 de Agosto de 2010
Caro Bic:
Que coisa horrenda! Bem os militares do antigo Depósito de Beirolas (o nome original do agora pomposo «Parque das Nações») chamavam à zona o «Aterro Tóxico nº1», pois durante mais de 60 anos foram despejadas para aquelas terras (em tanques de terra) lamas tóxicas da refinaria da Sacor e resíduos de explosivos, metais perigosos, combustíveis, óleos, etc., de Beirolas.

Mas, o pior, é a intoxicação das mentalidades, que querem transformar toda uma cidade (ainda) linda e histórica como Lisboa num horror como o que a Cara Luísa retratou.

Cumprimentos.
De Bic Laranja a 26 de Agosto de 2010
Pois!... Já sobra pouca...
Cumpts.
De Luísa a 27 de Agosto de 2010
Estou em choque... Lisboa é assim tão feia?!? Juro que nunca me tinha apercebido da monumentalidade da aberração... :S
De Bic Laranja a 27 de Agosto de 2010
Pois!... Já vê.
Cumpts.
De JC Duarte a 27 de Agosto de 2010
Está para breve a reabertura total desta avenida. Talvez então o autocarro retome o seu trajecto, que dos eléctricos não acredito. Até porque já nem há cantenárias ou linhas!
De Ricardo Moreira a 27 de Agosto de 2010
... nem veículos para o serviço.
De Bic Laranja a 27 de Agosto de 2010
Houve anúncio disso. Muito requalificada com avantajada obra, que ela vai ser: pedonal e ciclística, como manda o figurino das modas.
O 16 não volta. Quem quiser ir de Benfica ao Chile que dê umas voltas de Metro até lá chegar.
Do eléctrico falta tudo menos a freguesia que haveria de ter.
Cumpts.
De Attenti al Gatti a 27 de Agosto de 2010
Não quero ser iconoclasta mas, na infância, tinha um ódio de estimação aos électricos "caixote". Tinham as janelas muito altas. E nos atrelados ainda era pior. E era sempre para aí, por azar, que o meu pai embicava. Daí, que prefira vê-los no museu, que tería ficado muito bem na falecida Estação do Arco do Cego. Começava-se logo por evitar o triste esectáculo daquele car-barn a definhar, solitário e sem préstimo.
A.v.o.
De Bic Laranja a 27 de Agosto de 2010
Iconoclastia é outra coisa (felizmente).
Concordo consigo sobre os caixotes e sobre o museu.
Cumpts.

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____