Domingo, 17 de Outubro de 2010

Leite com chocolate

 Em menino, na véspera de ir para a primeira classe, andava angustiado com a escola. Falaram-me de ter que ir para a escola e ter de obedecer a quem lá mandava; professores, contínuas; e sobretudo devia estar quietinho e calado na sala de aula. Lembro-me de uns dias antes andar a treinar o 'a' num caderninho como que para espantar o medo. Lembro-me de num desses dias a D.ª Adelina, uma senhora rija, já perto dos 80, que visitava amiúde a minha mãe para tomar chá e conversar, me ensinar o 'e'; para o caderno não ser só 'aa'. Lembro-me de achar o 'e' feio; tão feio que nem devia ser uma letra a sério; devia ser invenção da D.ª Adelina.
 Pois bem. No primeiro dia de escola a angústia deu em pânico. Soube que iria para a sala da D.ª Idalina. O Vijó, o meu amigo de brincar ao Bonanza, não era dessa sala. Era da da D.ª Maria do Rosário. O pânico deu num choro copioso, tanto que a minha mãe nesse dia já me não obrigou.
 No dia seguinte, porém, levou-me com ela às compras de manhã (as aulas eram de tarde, da uma e meia às cinco e meia). Comprou-me uma tablete - eu gostava de chocolates. E lá me ia dizendo que a sala da D.ª Idalina também era boa; havia lá o Zezinho da D.ª Joana. Eu era amigo do Zezinho, não era?...
 Era, mas era pouco. O pânico dava já em birra. Por conseguinte a minha mãe lá tratou duma troca e, por fim, no portão da escola só me disse: - "Tu agora vais para a sala do Vijó. Vais aqui com a D.ª Alda (a contínua). Mas ouve bem: se no fim ela me diz que te portaste mal, eu lá em casa logo te digo!..."
 Sentença lida, lá fui. Quando se abriu a porta da sala o Vijó levantou-se logo acenado-me. Foi imediatamente repreendido pela professora: - "David Jorge, sente-se!" - E a mim mandou ela friamente sentar na carteira da Ana Maria que tinha um lugar livre. Sem mais, tornou à lição: estava a ensinar a letra 'i'...
 O leite com chocolate foi na hora do recreio. Os meninos, íamos na forma à cantina onde a D.ª Alda e as contínuas nos davam um pão com mateiga e uma garrafa de leite com chocolate. Eu não gostava de leite, nem sendo com chocolate. Bebi-o todo, a custo, enjoado, e sem queixas. À hora do recreio tinha noção certa de que o crédito para caprichos se havia esgotado.

Garrafas de leite com chocolate pirogravadas(OLX Leilões)
(Imagem em OLX Leilões.)

Escrito com Bic Laranja às 10:06
Verbete | comentar
23 comentários:
De Renato Santos Passos a 17 de Outubro de 2010
Belas recordações.
Grande abraço.
De Bic Laranja a 17 de Outubro de 2010
Recordações de menino mimado.
Cumpts. :)
De Attenti al Gatti a 17 de Outubro de 2010
Também ensaiei essa do choro. Foi tempo perdido. E nem deu direito a chocolate nem nada. Com que então na carteira da Ana Maria, hem?! Olha que sorte. A mim tocou-me o Conceição, um puto assim meio campónio. Naquele tempo o respeitinho era muito bonito e não havia cá essa imoralidade das escolas mistas, pois então! E também não havia essa mama do lanchinho à borla com leitinho com chocolate e tudo. Quem não levasse a bucha de casa, bem fazia cruzes na boca.
A.v.o.
De Bic Laranja a 18 de Outubro de 2010
Todavia não se engane. Estas coisas que conto são ainda dantes do dealbar de Abril. O progresso, parece que não, mas chega a todo o lado.
Cumpts. :)
De Attenti al Gatti a 18 de Outubro de 2010
Pois. Parece que à Escola 28, na Picheleira, demorou mais. Talvez por ficar fora de mão, em território um tanto inóspito...
A.v.o.
De Bic Laranja a 18 de Outubro de 2010
Olhe que não! Olhe que não! Essa escola tornou-se mista em 73/74. E dava lanchinho.
Cumpts.
De Luísa Correia a 18 de Outubro de 2010
Bic, também me lembro da minha ida para a escola com a minha irmã. Ela foi para a infantil dos quatro anos e eu para a dos cinco. Ela chorou copiosamente durante três dias e eu, assustada, mas contida, fui chamada a consolá-la na classe dos quatro anos durante esses três dias. No fim, ela arrebatou o Prix d’Excellence e eu (nunca me conformarei!) o mero Prix de Sagesse. Mas isto tudo para dizer que também compreendi, desde o primeiro minuto, que aquele não era o lugar para dar largas aos meus caprichos: o crédito era limitado. E a minha irmã também o compreendeu (deduzo, aliás, que muito melhor do que eu) ao terceiro dia. :-)

De Bic Laranja a 18 de Outubro de 2010
Pois eu foi à 3ª letra do a-e-i-... E premonitoriamente em relação ao leite com chocolate.
Cumpts. :)
De Mário Cruz a 19 de Outubro de 2010
Caro Bic,
Excelente texto. Não sei se é memória ou ficção.No entanto, há um promenor que me inclina para que a sua memória o possa ter atriçoado. Se o episódio foi antes do 25 de Abril de 1974 e se a escola primária era pública seria impossível sentar-se na sala de aula na carteira da Ana Maria, porque naqueles tempos as turmas não eram mistas nem tão pouco as Escolas. Havia Escolas para o sexo masculino e feminino. Creio que o ensino misto teve lugar algures no ano lectivo 74/75 ou 75/76.
Cumprimentos
De Bic Laranja a 19 de Outubro de 2010
Posso assegurar-lhe que foi em 73/74. As escolas 28 e 40 tornaram-se mistas nesse ano, ainda que fisicamente separadas. No ano lectivo seguinte demoliram-se umas paredes e ligaram-se as duas.
Grato pelo apreço.
De Attenti al Gatti a 19 de Outubro de 2010
Efeitos da "Primavera Marcelista". Juntaram as florzinhas todas...

A.v.o.
De Bic Laranja a 19 de Outubro de 2010
Mais Outono marcelista, que as aulas abriam a 7 de Outubro.
E como lhe disse, o progresso chega aos lugares mais insuspeitos.
Cumpts. :)
De cb a 19 de Outubro de 2010
Não me recordo da minha entrada na escola, sei que se chamava "O Lar dos Pequeninos" e ficava ali ao Campo Grande junto à alameda universitária, onde havia uma lojeca que alugava bicicletas. Mais tarde passou para a Estrada de Benfica, para uma moradia, hoje convertida em prédio de habitação. Desconheço se o colégio ainda existe. Não era míudo mimado nem dado a choraminguices (hoje sou mais), pelo que a ida para a escola primária passou sem problemas. Lembro-me bem da professora Guilhermina que me brindou com um castigo de virado para a parede e umas quantas reguadas de madeira com escala amarela, provávelmente por comportamento desviante, como agora se diz. Ainda tenho uma fotografia da turma da 4ª classe com a professora Guilhermina, e de vez em quando revejo-a para que ninguém caia no esquecimento.
As refeições iam de casa num cesto de verga apinhado de uma marmita dupla de alumínio e normalmente uma banana para rematar.
Naquela época não havia essas modernices de se comer a meio da manhã (no intervalo era só pontapé na chincha) e à tarde o lanche já era em casa.
Apetecia-me continuar, mas não posso.
Cumprimentos


De Bic Laranja a 19 de Outubro de 2010
Já que fala nisso, também me recordo que com o avanço na escola primária o recreio se tornou mais importante e o lanchinho, mariquice da primeira classe. São os tempos.
Cumpts.

De msc a 19 de Outubro de 2010
Gostei do seu texto, que não cai na pieguice mas é saudoso o que deve ser.

Aos comentadores espantados com a co-educação: estive no jardim-escola num colégio de freiras e tive colegas de carteiras meninas. A escola primária era de rapazes, mas o liceu, ainda nos anos 60, era misto, com turmas mistas.
De Bic Laranja a 19 de Outubro de 2010
Agradeço-lhe o apreço e a achega. Cumpts.
De [s.n.] a 19 de Outubro de 2010
Em 1952,no então chamado ensino secundário,a minha aula de física/química era frequentada, na mesma sala,por rapazes e raparigas. Fernando C.
De Bic Laranja a 19 de Outubro de 2010
Física/química sempre são ciências muito evoluídas...
Abraço! :)
De Mário Cruz a 20 de Outubro de 2010
Caro Bic,
Não quero ser teimoso mas há que destinguir o ensino público oficial do ensino particular e cooperativo. No caso do ensino público oficial, antes do 25 de Abril de 1974, tenho muitas dúvidas que houvessem turmas mistas (a lei impunha a segregação). Ainda que pudesse haver alguma excepção. No caso do ensino particular e cooperativo regiam-se por normas diferentes e aí cada caso é um caso. Não confundir com as escolas públicas que estavam divididas em sectores (no caso das primárias). Por exemplo, no Vale escuro a Escola de cima era para rapazes e a de baixo para raparigas. Mas as turmas não eram mistas. No Preparatório, Liceus e Escolas Industriais a segregação era total. As Escolas eram dedicadas a sexos diferente. A título de exemplo, Liceu Camões ou o Liceu Gil Vicente não eram frequentado por raparigas.
Esta divisão impunha-se por motivos ideológicos mas aos pouco o aumento da população escolar obrigaria a repensar a questão face à falta de instalações. Claro que após o 25A a questão foi recolocada em outros moldes e ficou consagrado o ensino misto na escola pública.
PS. Estou à procura da Lei que estabelece o princípio da segregação por sexos na escola pública oficial.
De Bic Laranja a 20 de Outubro de 2010
Que quer que lhe diga? É intrigante, não é?
Cumpts. :)
De Mário Cruz a 20 de Outubro de 2010
Decreto-Lei n.o 482, de 28/11/1972. A coeducação fora instituída pela primeira vez em Portugal, durante a 1.a República, em 1919. Logo no início da ditadura militar foram decretadas as primeiras medidas no sentido da cessação do ensino coeducativo, tendo-se reinstituído o ensino separado, ao longo do Estado Novo,a todos os tipos e níveis de ensino.
No Parecer, emitido pela Câmara Corporativa ao Projecto de Decreto-Lei que restabelecia a coeducação, afirmava-se que “A coeducação não se improvisa. (…)
A complexidade da função coeducadora excede a que
lhe corresponde em regime de separação de sexos,
pelo que o corpo directivo e docente deve possuir comprovada formação psicopedagógica”. Manifestava-
-se, assim, a consciência de que a coeducação era
uma modalidade complexa para a implementação da
qual era necessária formação adequada. O próprio
texto do Decreto-Lei que instituiu a coeducação alertava para as diferenças entre a coeducação e o ensino misto, sublinhando que aquela não se concretizava pela mera coexistência, nas escolas e turmas, dos dois sexos. Uma verdadeira coeducação exigia, mesmo, uma nova concepção das instalações escolares.
O Ministério da Educação Nacional publicou duas brochuras sobre as implicações específicas da coeducação a nível pedagógico. Nelas se procurava sensibilizar o corpo docente para o facto do regime coeducativo implicar objectivos bem definidos e processos de ensino-aprendizagem adequados: “Não se confunda a presença simultânea dos dois sexos com coeducação. Aquela é um simples facto; esta uma modalidade bem definida, nas suas intenções e nos modos”
Concluindo. É plausível que as escolas públicas começassem a adoptar o ensino misto a partir do ano lectivo 73/74, pelo menos as mais avançadas (embora não tenha visto o DL e se este impunha uma calendarização). Este processo foi gradual e variaável.É plausível, também, que a sua memória esteja total ou parcialmente certa.
Cumps :)
De Mário Cruz a 20 de Outubro de 2010
DL n.o 482, de 28/11/1972.
“É de salientar que não se trata apenas de
constituir turmas mistas, mas de realizar uma
verdadeira coeducação. (…) A turma mista,
só por si, limita-se a uma disposição material,
enquanto a coeducação é um ambiente
(…). Aliás, as futuras construções escolares
deverão ter em conta este princípio.”
De Bic Laranja a 22 de Outubro de 2010
E pronto! Salva-se-me a memória.
Grato pela pesquisa.
Cumpts.

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____