23 comentários:
De Renato Santos Passos a 17 de Outubro de 2010
Belas recordações.
Grande abraço.
De Bic Laranja a 17 de Outubro de 2010
Recordações de menino mimado.
Cumpts. :)
De Attenti al Gatti a 17 de Outubro de 2010
Também ensaiei essa do choro. Foi tempo perdido. E nem deu direito a chocolate nem nada. Com que então na carteira da Ana Maria, hem?! Olha que sorte. A mim tocou-me o Conceição, um puto assim meio campónio. Naquele tempo o respeitinho era muito bonito e não havia cá essa imoralidade das escolas mistas, pois então! E também não havia essa mama do lanchinho à borla com leitinho com chocolate e tudo. Quem não levasse a bucha de casa, bem fazia cruzes na boca.
A.v.o.
De Bic Laranja a 18 de Outubro de 2010
Todavia não se engane. Estas coisas que conto são ainda dantes do dealbar de Abril. O progresso, parece que não, mas chega a todo o lado.
Cumpts. :)
De Attenti al Gatti a 18 de Outubro de 2010
Pois. Parece que à Escola 28, na Picheleira, demorou mais. Talvez por ficar fora de mão, em território um tanto inóspito...
A.v.o.
De Bic Laranja a 18 de Outubro de 2010
Olhe que não! Olhe que não! Essa escola tornou-se mista em 73/74. E dava lanchinho.
Cumpts.
De Luísa Correia a 18 de Outubro de 2010
Bic, também me lembro da minha ida para a escola com a minha irmã. Ela foi para a infantil dos quatro anos e eu para a dos cinco. Ela chorou copiosamente durante três dias e eu, assustada, mas contida, fui chamada a consolá-la na classe dos quatro anos durante esses três dias. No fim, ela arrebatou o Prix d’Excellence e eu (nunca me conformarei!) o mero Prix de Sagesse. Mas isto tudo para dizer que também compreendi, desde o primeiro minuto, que aquele não era o lugar para dar largas aos meus caprichos: o crédito era limitado. E a minha irmã também o compreendeu (deduzo, aliás, que muito melhor do que eu) ao terceiro dia. :-)

De Bic Laranja a 18 de Outubro de 2010
Pois eu foi à 3ª letra do a-e-i-... E premonitoriamente em relação ao leite com chocolate.
Cumpts. :)
De Mário Cruz a 19 de Outubro de 2010
Caro Bic,
Excelente texto. Não sei se é memória ou ficção.No entanto, há um promenor que me inclina para que a sua memória o possa ter atriçoado. Se o episódio foi antes do 25 de Abril de 1974 e se a escola primária era pública seria impossível sentar-se na sala de aula na carteira da Ana Maria, porque naqueles tempos as turmas não eram mistas nem tão pouco as Escolas. Havia Escolas para o sexo masculino e feminino. Creio que o ensino misto teve lugar algures no ano lectivo 74/75 ou 75/76.
Cumprimentos
De Bic Laranja a 19 de Outubro de 2010
Posso assegurar-lhe que foi em 73/74. As escolas 28 e 40 tornaram-se mistas nesse ano, ainda que fisicamente separadas. No ano lectivo seguinte demoliram-se umas paredes e ligaram-se as duas.
Grato pelo apreço.
De Attenti al Gatti a 19 de Outubro de 2010
Efeitos da "Primavera Marcelista". Juntaram as florzinhas todas...

A.v.o.
De Bic Laranja a 19 de Outubro de 2010
Mais Outono marcelista, que as aulas abriam a 7 de Outubro.
E como lhe disse, o progresso chega aos lugares mais insuspeitos.
Cumpts. :)
De cb a 19 de Outubro de 2010
Não me recordo da minha entrada na escola, sei que se chamava "O Lar dos Pequeninos" e ficava ali ao Campo Grande junto à alameda universitária, onde havia uma lojeca que alugava bicicletas. Mais tarde passou para a Estrada de Benfica, para uma moradia, hoje convertida em prédio de habitação. Desconheço se o colégio ainda existe. Não era míudo mimado nem dado a choraminguices (hoje sou mais), pelo que a ida para a escola primária passou sem problemas. Lembro-me bem da professora Guilhermina que me brindou com um castigo de virado para a parede e umas quantas reguadas de madeira com escala amarela, provávelmente por comportamento desviante, como agora se diz. Ainda tenho uma fotografia da turma da 4ª classe com a professora Guilhermina, e de vez em quando revejo-a para que ninguém caia no esquecimento.
As refeições iam de casa num cesto de verga apinhado de uma marmita dupla de alumínio e normalmente uma banana para rematar.
Naquela época não havia essas modernices de se comer a meio da manhã (no intervalo era só pontapé na chincha) e à tarde o lanche já era em casa.
Apetecia-me continuar, mas não posso.
Cumprimentos


De Bic Laranja a 19 de Outubro de 2010
Já que fala nisso, também me recordo que com o avanço na escola primária o recreio se tornou mais importante e o lanchinho, mariquice da primeira classe. São os tempos.
Cumpts.

De msc a 19 de Outubro de 2010
Gostei do seu texto, que não cai na pieguice mas é saudoso o que deve ser.

Aos comentadores espantados com a co-educação: estive no jardim-escola num colégio de freiras e tive colegas de carteiras meninas. A escola primária era de rapazes, mas o liceu, ainda nos anos 60, era misto, com turmas mistas.
De Bic Laranja a 19 de Outubro de 2010
Agradeço-lhe o apreço e a achega. Cumpts.
De [s.n.] a 19 de Outubro de 2010
Em 1952,no então chamado ensino secundário,a minha aula de física/química era frequentada, na mesma sala,por rapazes e raparigas. Fernando C.
De Bic Laranja a 19 de Outubro de 2010
Física/química sempre são ciências muito evoluídas...
Abraço! :)
De Mário Cruz a 20 de Outubro de 2010
Caro Bic,
Não quero ser teimoso mas há que destinguir o ensino público oficial do ensino particular e cooperativo. No caso do ensino público oficial, antes do 25 de Abril de 1974, tenho muitas dúvidas que houvessem turmas mistas (a lei impunha a segregação). Ainda que pudesse haver alguma excepção. No caso do ensino particular e cooperativo regiam-se por normas diferentes e aí cada caso é um caso. Não confundir com as escolas públicas que estavam divididas em sectores (no caso das primárias). Por exemplo, no Vale escuro a Escola de cima era para rapazes e a de baixo para raparigas. Mas as turmas não eram mistas. No Preparatório, Liceus e Escolas Industriais a segregação era total. As Escolas eram dedicadas a sexos diferente. A título de exemplo, Liceu Camões ou o Liceu Gil Vicente não eram frequentado por raparigas.
Esta divisão impunha-se por motivos ideológicos mas aos pouco o aumento da população escolar obrigaria a repensar a questão face à falta de instalações. Claro que após o 25A a questão foi recolocada em outros moldes e ficou consagrado o ensino misto na escola pública.
PS. Estou à procura da Lei que estabelece o princípio da segregação por sexos na escola pública oficial.
De Bic Laranja a 20 de Outubro de 2010
Que quer que lhe diga? É intrigante, não é?
Cumpts. :)
De Mário Cruz a 20 de Outubro de 2010
Decreto-Lei n.o 482, de 28/11/1972. A coeducação fora instituída pela primeira vez em Portugal, durante a 1.a República, em 1919. Logo no início da ditadura militar foram decretadas as primeiras medidas no sentido da cessação do ensino coeducativo, tendo-se reinstituído o ensino separado, ao longo do Estado Novo,a todos os tipos e níveis de ensino.
No Parecer, emitido pela Câmara Corporativa ao Projecto de Decreto-Lei que restabelecia a coeducação, afirmava-se que “A coeducação não se improvisa. (…)
A complexidade da função coeducadora excede a que
lhe corresponde em regime de separação de sexos,
pelo que o corpo directivo e docente deve possuir comprovada formação psicopedagógica”. Manifestava-
-se, assim, a consciência de que a coeducação era
uma modalidade complexa para a implementação da
qual era necessária formação adequada. O próprio
texto do Decreto-Lei que instituiu a coeducação alertava para as diferenças entre a coeducação e o ensino misto, sublinhando que aquela não se concretizava pela mera coexistência, nas escolas e turmas, dos dois sexos. Uma verdadeira coeducação exigia, mesmo, uma nova concepção das instalações escolares.
O Ministério da Educação Nacional publicou duas brochuras sobre as implicações específicas da coeducação a nível pedagógico. Nelas se procurava sensibilizar o corpo docente para o facto do regime coeducativo implicar objectivos bem definidos e processos de ensino-aprendizagem adequados: “Não se confunda a presença simultânea dos dois sexos com coeducação. Aquela é um simples facto; esta uma modalidade bem definida, nas suas intenções e nos modos”
Concluindo. É plausível que as escolas públicas começassem a adoptar o ensino misto a partir do ano lectivo 73/74, pelo menos as mais avançadas (embora não tenha visto o DL e se este impunha uma calendarização). Este processo foi gradual e variaável.É plausível, também, que a sua memória esteja total ou parcialmente certa.
Cumps :)
De Mário Cruz a 20 de Outubro de 2010
DL n.o 482, de 28/11/1972.
“É de salientar que não se trata apenas de
constituir turmas mistas, mas de realizar uma
verdadeira coeducação. (…) A turma mista,
só por si, limita-se a uma disposição material,
enquanto a coeducação é um ambiente
(…). Aliás, as futuras construções escolares
deverão ter em conta este princípio.”
De Bic Laranja a 22 de Outubro de 2010
E pronto! Salva-se-me a memória.
Grato pela pesquisa.
Cumpts.

Comentar