14 comentários:
De cb a 19 de Outubro de 2010
Vendo pelo preço que comprei, estes números da Câmara Municipal de Lisboa (em honra da verdade esta situação é transversal a vereações e partidos de há muitos anos a esta parte, presumo):

Cedência habitacional = 829 fogos
Arrendamento habitacional = 1870
Cedência não habitacional = 1523

Rendas inferiores a 50€:
Cedência habitacional = 828
Arrendamento habitacional = 1750
Cedência não habitacional = 819

Rendas inferiores a 5€
Cedência habitacional = 778
Arrendamento habitacional = 244
Cedência não habitacional = 222

Agora é favôr fazer contas !
Fica ressalvada a apreciação qualitativa dos fogos e de quem usufrui.
Estes números parece que constam de uma lista que o excelso Presidente da Edilidade distribuiu aos Vereadores.
Dos fogos constam palácios, palacetes e ateliers, e dos arrendatários, instituições e pessoas públicas e privadas.
Cumprimentos

De Bic Laranja a 19 de Outubro de 2010
Também nos campos os boys costumam juntar-se em mais que uma manada. São é animais que pouco sabem de arte ou de arquitectura. Ficam só especados a olhar para palácios, ou então investem à bruta.
Cumpts.
De Carlos Portugal a 19 de Outubro de 2010
Caro Bic:
Escreveu bem: «investem à bruta». Como touros que são, só poderia ser assim. Aliás, em bom Português, o verbo investir aplica-se quase exclusivamente a marradas de alimárias providas de cornos. Como esses «boys» (ou «bois»?).

Cumprimentos
De Bic Laranja a 19 de Outubro de 2010
É igual: bois, boys...
Cumpts. :)
De Attenti al Gatti a 19 de Outubro de 2010
Quem diria que a crise tinha vantagens?! Graças a ela, começa agora a saber-se por onde se tem malbaratado vertiginosamente, ao longo de décadas, o nosso tão suado dinheirinho. A magna questio é que isso não servirá para nada, em termos práticos, porque quem manda, mandou ou mandará, jámais esteve ou estará intressado em acabar com a roubalheira.
A.v.o.
De Bic Laranja a 19 de Outubro de 2010
E não haverá ninguém que não seja larápio?
Cumpts.
De Prezado a 19 de Outubro de 2010
Sendo eu um lisboeta que consegue gostar de Lisboa e de Street Art, e conhecendo minimamente o que movimenta este meio, digo só que é uma forma bastante barata de promover a cidade, turisticamente. Não é um movimento de massas, mas é algo que não causará a bancarrota da camara e tem visibilidade global.

E neste momento, asneira é cortar na promoção de Lisboa como destino turístico. Venham eles.
De Bic Laranja a 19 de Outubro de 2010
Prezado,
A sua teoria também é barata mas nem assim eu lha compro. Promoções de mau gosto atraem fraca clientela. Depois, a cidade é dos que lá moram, não dos turistas.
Cumpts.
De Prezado a 19 de Outubro de 2010
Mas gostos eu não discuto.

cumps.
De Bic Laranja a 19 de Outubro de 2010
Claro. Só a falta dele.
Cumpts.

De [s.n.] a 21 de Outubro de 2010
Fui através da ligação ver o resto das fotografias. Uma pequena (grande) maravilha. Fiquei admirada das paredes permanecerem intactas, (possìvelmente os proprietários ter-se-ão oposto à sua substituição por simples tinta acrílica ou d'água...) e/ou do prédio já não ter desaparecido e no local terem colocado um mamarracho qualquer, como os há aos milhares na cidade de Lisboa. E também um pouco admirada por se tratar de um prédio e não de um palacete ou palácio, tal é a beleza interior. Pensando melhor, nem tanto. Conheço alguns prédios, sobretudo na Baixa Pombalina que têm (tinham) frescos maravilhosos e que foram criminosamente destruídos por os andares terem sido divididos em pequenos apartamentos por ganância camarária e desprezo total pelo que tem um valor inestimável e cujas sólidas construções datam de há mais de duzentos anos! Estas pinturas estão cheias de beleza e tudo o que seja destruir pequenas obras d'arte desta qualidade é um crime de lesa-património. Património arquitectónico que pertence ao país e portanto a todos nós, é preciso não esquecer, que deveria levar à prisão os seus autores.

Mas os sucessivos presidentes de Câmara que temos tido ao longo destes 36 anos de "amplas liberdades" (para, entre outros crimes gravíssimos, destruírem o que é belo, sólido e feito com materiais nobres e em seu lugar edificarem tudo o que há de mais feio, deselegante e fabricado com materiais mais do que duvidosos que, no máximo, têm uma durabilidade de não mais de seis meses sem que necessitem de obras), deveriam ser todos chamados à pedra pelos seus actos abjectos.

Eu julguei que havia excepções principalmente de pessoas que sempre foram de direita e assim permaneceram depois do 25/4..., mas quando me lembro do que fizeram ao belo cinema/teatro Monumental e às preciosas moradias da Av. da República muitas das quais Art-Nouveau lindas, mas não só A.N., que também desapareceram na voragem da especulação imobiliária (só para dar dois exemplos), não consigo perdoar ao falecido Engº Abecassis, um homem de direita ainda por cima, o tê-lo permitido, mas como ele houve outros que se lhe seguiram na destruição de maior parte da Lisboa antiga. É claro que ele e os seguintes fizeram o que os que mandam no país lhes ordenaram, porque tudo o que lembrar o antigo regime terá de ser destruído à força pelos novos donos e senhores nem que demore anos (eles sabem-na toda) e o intuito é para que os lisboetas com o passar do tempo se sintam menos chocados visualmente e menos afectados emocionalmente.

A destruição sistemática incluiu/inclui belos edifícios pombalinos, palacetes, palácios, cinemas, teatros, estátuas, pinturas de artistas conceituados substituídas por pinturas "modernas" (para dar trabalho aos amigos, que de pintores e escultores não têm nada), o ódio ao regime anterior é tal que até atingiu os pobres artistas de palco: os primeiros foram destruídos, os segundos foram escondidos em caves e armazéns e os últimos desprezados e esquecidos. Tudo isto foi substituído por prédios horrorosos, cinemas indistintos, que são cápsulas dentro de cápsulas, dentro de centros comerciais; retratos e bustos de políticos e de outras personalidades a eles ligadas - sem esquecer a estatuária... - feitos por pintores e escultores que na sua maior parte produzem trabalhos sem o menor gosto nem qualidade, mas que enchem d'orgulho fátuo os "brilhantes" governantes e políticos da nossa era.

Quanto aos filmes, realizadores e respectivos intérpretes, já se sabe como é, ou são familiares, ou amiguinhos de peito, ou amigos dos amigos, ou integrantes, na maioria traidores, do grupo de Paris e de Argel..., mas há um pormenor sine qua non: serem obrigatòriamente todos de esquerda ou mesmo de extrema esquerda, porque todos eles se adoram embora finjam o contrário.
E um ed-cétara que nunca mais acabaria.

Este regime, salvo a excepção da primeira república que dizem ter sido ainda pior, foi a maior desgraça que se abateu sobre Portugal nos seus quase 900 anos como país. Que mal fizeram os portugueses a Deus para merecerem tão terrível destino?

-------------
Chego a este Blogo e é uma calma absoluta. É uma espécie de anti-depressivo de que os portugueses tanto necessitam. Já uma vez lhe dei os parabéns por este facto. Volto a dar-lhos hoje.
Maria
De Bic Laranja a 22 de Outubro de 2010
Muito lhe agradeço o apreço em que tem estes desabafos.
Certeira no compadrio e no amiguismo dos auto-proclamados artistas, arquitectos, designeres e por aí fora, com os poltrões do circo em que isto se tornou. Replicam-se todos mutuamente sem gosto e em massa na trituradora que é a Educação Nacional. Se há gente considerando que borrar paredes é arte, é porque não lhe ensinam mais - porque calhando ensinar-se o gosto até há quem aprenda.
É tudo duma pobreza tão triste que nem sei dizer...
Cumpts.
De Luciana a 24 de Outubro de 2010
Não sei se o Bic se apercebeu da autêntica chacina que tem sido feita nestes últimos meses na Fontes Pereira de Melo (e peço desculpa se já aqui o referiu e eu não o li). Só numa semana deitaram abaixo dois dos mais emblemáticos prédios da avenida. E os prédios que estão há anos e anos a saque, agora levaram um belo “penso” pintado a metro, para disfarçar as desgraças que persistem. Isto precisamente no local onde alguns dos interiores - pintados - mais bonitos têm sido massacrados a eito.
É a cidade no seu pior e a incompetência camarária no seu “melhor”. :-((
De Bic Laranja a 24 de Outubro de 2010
Falei só dos da António Augusto de Aguiar 2-12. Sei que em frente demoliram um que dava as traseiras para o Largo do Andaluz. Não tarda vão os do gaveto com a 5 de Outubro. Já não quero saber. Ainda morro disto...
Cumpts.

Comentar