20 comentários:
De cb a 10 de Dezembro de 2010
Não fui explicito. Referia-me exclusivamente aos soldados, os que lá ficaram em campa rasa porque o Estado do antes não os trouxe (convém lembrar que as famílias tinham que pagar a trasladação dos corpos), e aos feridos regressados, estropiados fisica e mentalmente, muitas vezes, diria demasiadas vezes, votados ao abandono e por vezes ao ostracismo.
Vi-os no Hospital Militar da Estrela, como restos escondidos para que não se soubesse.
Com o Estado do depois ainda alimentei uma esperança que justiça fôsse feita...mas salvo algumas timidas e isoladas atitudes o que se percebe é que "eles" esperam que estejamos todos mortos, pela lei da vida.
Vai ser um fardo de que se livrarão, a menos que os nossos filhos e netos tomem em mão o encargo de nos resgatar a memória. Alguns têm-no feito e com isso mostram que, apesar de tudo, ainda há esperança, porque ainda se fazem PORTUGUESES.
Cumprimentos
De Bic Laranja a 10 de Dezembro de 2010
Também percebi mal. Fica claro agora. E infelizmente tem razão.
Cumpts.

Comentar