Domingo, 16 de Janeiro de 2011

Nos ermos do Bom Sucesso...

«[...] Sentei-me num dos bancos, e fiquei a saborear aquela paz, aquele isolamento, aquela claridade que a passagem de um eléctrico de quando em quando amarelava fugidiamente. Às vezes, percorrendo distraidamente certas porções de Lisboa, houvera à minha volta, ou deslizara a meu lado, alguma atmosfera como aquela. Outras vezes, numa rua modificada ou alargada, em que demolições inconclusas enchiam de escombros e de lixo, ou de paredes interiores semi-demolidas em que sinais de vida ainda se agarravam, um dos lados da rua, eu sentira que, do lado oposto e não atingido pelas modificações, um velho palacete ou uma correnteza de humildes casas, projectavam uma aura semelhante àquela [do Largo da Princesa, à Rua de Pedrouços], apenas já marcada por uma condenação senil. Ainda outra vezes, como por exemplo na Graça, na Estrela, nas Amoreiras, ou na Costa do Castelo para Alfama, a atmosfera mantinha-se, mas mais palpitante, como quando, ao silêncio que só os passos cortavam, se sobrepunha no ar um eco de vozes, de gritos longínquos, de burburinho feito de agitação tranquila em muitas ruas diversas. Mas, ainda que em lugares mais vetustos, mais pitorescos, mais sujos de passado eu pudesse ter sentido mais fortemente ou mais sugestivamente uma atmosfera assim, talvez nunca antes me penetrasse tanto, e tão pacificadoramente como na simplicidade quase mesquinha daquele largo agora, uma consciência de que o passado pode ser, sem história e sem memória, sem azedume ou saudade, sem culpa ou inquietação, um espaço em que se pára, menos para regressar a ele, que para estar nele sem regresso algum. Um espaço que se não procura ou se nos não impõe teimosamente, mas um espaço que se encontra sem que ele tenha de comum connosco mais que uma coincidência de estar ali.»

Jorge de Sena, Sinais de Fogo, Público, Lisboa, 2003, p. 504.

 


Quinta do Seabra na Rua de Pedrouços [adjacente ao Largo da Princesa], Bom Sucesso, c. 1939.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 Jorge, a personagem da narrativa, entremeia meditações num episódio em que decide de súbito visitar a Torre de Belém. A descrição daqueles ermos arrabaldinos em Agosto 1936 (tempo da narrativa) não deixa de supreender. A fisionomia do largo é hoje diferente, o caminho até à Torre (pela Rua do Arco da Torre) ou a fauna humana que se encontrava por aquelas bandas estranhamo-la hoje conhecendo o lugar...

Escrito com Bic Laranja às 13:00
Verbete | comentar
5 comentários:
De Mário Cruz a 17 de Janeiro de 2011
A quinta é hoje ocupada pelo Instituto de Altos Estudos do Exército?
De Bic Laranja a 18 de Janeiro de 2011
Isso não é mais para o lado de Algés? Esta imagem é adjacente à Av. da Torre de Belém, que não existia ainda.
Cumpts.
De Mário Cruz a 19 de Janeiro de 2011
Sobre o IAEM
«Inicialmente, o IAEM herdou as instalações que vinham sendo utilizadas pela ECO, mantendo-se, assim, no Palácio Real de Caxias, até à data em que foi transferido para a quinta dos Duques de Cadaval, em Pedrouços. A propriedade era posse da Câmara Municipal de Lisboa, que a transferiria para o Exército, que por sua vez, no que restava da quinta e respeitando a traça do palácio e do bosque, construiu as instalações do Instituto de Altos Estudos Militares.
O processo iniciou-se em 15 de Março de 1949 e consistiu na realização de um auto de arbitragem entre o Exército e a Câmara Municipal de Lisboa, detentora do terreno.
As novas instalações do IAEM foram inauguradas no dia 4 de Novembro de 1958, tendo o ano lectivo de 1958-1959, cuja abertura solene teve lugar na mesma data, decorrido já no novo aquartelamento.»
Quinta dos Duques do Cadaval, haverá fotos?
Cumps
De Bic Laranja a 20 de Janeiro de 2011
Há. uma busca rápida aos arquivos da Câmara dão isto... antes de se começar a separar o trigo do joio. A casa fica no lado oposto aos Altos Estudos, na Rua de Pedrouços.
Cumpts.
P.S.: Ainda lhe devo um comentário sobre aquela encosta N da Penha de França. Não me esqueci, mas peço-lhe entretanto desculpa da demora.
De Mário Cruz a 28 de Janeiro de 2011
Muito obrigado.

Comentar

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____