Sexta-feira, 21 de Janeiro de 2011

Pelo arrabalde do Bom Sucesso nos anos 30...

Torre de Belém e Fábrica do Gás tomada das traseiras do Largo da Princesa, Bom Sucesso (E. Portugal, 1939)
Torre de Belém e Fábrica do Gás tomada dumas casas traseiras ao Largo do Chafariz da Princesa, Bom Sucesso, 1938.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 

«Tomei um carro eléctrico até Belém, mudei para outro até Algés, que estava parado a fazer horas, com duas ou três pessoas dentro, e o guarda-freio e o condutor [o pica-bilhetes] no banco da frente, a conversar e a fumar. A massa branca do Mosteiro dos Jerónimos fez-me pensar que eu nunca vira por dentro a Torre de Belém, apenas entrevista por trás de montes de carvão e misturada com gasómetros, quando se passava no comboio do Estoril. Eu nem sabia como se chegava lá, aonde se descia do eléctrico. Fui perguntar ao condutor. Ele e o guarda-freio discutiram o caso. Nenhum deles tinha a certeza, mas concordaram que o caminho para lá devia ser o mesmo que para o forte [do Bom Sucesso]. O melhor era eu descer no Largo da Princesa [...] Voltei a sentar-me. Uma das pessoas já sentadas dobrou-se para trás no seu banco: era à Torre que eu queria ir? Havia lá um guarda, ele até o conhecia, que morava perto. Mas o homem, coitado, cansava-se de estar a tomar conta duma coisa onde ninguém ia e onde se gelava de frio mesmo no pino do Verão, e nem sempre lá estava. Se ele não estivesse, eu que perguntasse no forte ao lado da Torre. O guarda costumava deixar a chave às sentinelas. Mas para que queria eu ver a Torre por dentro? Aquilo por dentro não tinha nada, ele já lá tinha entrado. E fitava em mim uns olhos inquiridores. Era um homem de meia-idade, muito grisalho, com ar de sapateiro ou qualquer profissão assim doméstica. Vestia modestamente um fato coçado que perdera a cor e que podia ter sido castanho ou pardo. Tinha, porém, gravata: muito esfiada e cheia de nódoas.»

 

Largo da Princesa, Lisboa (E. Portugal, 1939)
Largo da Princesa, Bom Sucesso, 1939.
Eduardo Portugal, in C.M.L., Belém/Bellem; Reguengo da Cidade, Porto, Asa, 1990.

 

«[...] Apeei-me e fiquei defronte do largo. Muitas vezes passara ali de eléctrico, vagamente reconhecendo a existência daquele largo que nunca vira. Ao atravessar as linhas dos carros e ao pisar nele, que era calçado irregularmente de pedras arredondadas cuja curvatura o tempo não delira [mais que perf. do v. delir], umas azuladas, outras brancas, todas à mistura e que não formavam passeio à beira da rua, mas desciam continuamente para uma valeta pouco funda, reparei que o largo era fechado por três lados com uma balaustrada de pedra, a que se encostavam antigos bancos de pedra também, daqueles que são uma laje de bordas trabalhadas, assentes em dois enormes pés recortados em voluta, semelhantes esses bancos aos que, de espaço a espaço, havia ao longo da rua. O chafariz erguia-se elegante daquele espaço de cuja calçada, e alteando com as invisíveis raízes, brotavam, esguias e grossas, árvores esparsas. A um lado e outro do largo desciam azinhagas, e outra havia por trás dele. As casas — modestas e antigas como ele — emergiam do outro lado das azinhagas, com as janelas dos andares à altura do balaústre, o que as fazia distantes e próximas, ao mesmo tempo. Os bancos ao longo da rua eram como que uma separação entre dois mundos: um, em que já havia carros eléctricos passando por entre muros velhos, e outro, ali recolhido, em que o tempo se suspendera uns dois séculos atrás, e onde apenas se ouvia o gorgolejar ténue da água caindo de uma das troneiras do chafariz. Deserto o largo, quietas as casas, a brisa que sacudia levemente as folhas e as sombras nas pedras azuis e brancas da calçada acrescentava a tudo, não um ar de sonho, mas de realidade perdida, de espaço não ocupado pelo tempo circundante.»

Jorge de Sena, Sinais de Fogo, Público, Lisboa, 2003, p. 503, passim.

 

Largo da Princesa, Bom Sucesso (P. Guedes, 19...)
Largo da Princesa, Rua de Pedrouços, 19...
Paulo Guedes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 18:31
Verbete | comentar
12 comentários:
De CS a 21 de Janeiro de 2011
É pena que não diga de quem é o texto.
De Bic Laranja a 22 de Janeiro de 2011
Lapso imperdoável. Já corrigido.
Cumpts.
De CS a 22 de Janeiro de 2011
Muito obrigado. Havia hiperligação para um outro texto de Sena, mas fiquei hesitante.
De Bic Laranja a 22 de Janeiro de 2011
Obrigado eu pelo aviso.
Cumpts.
De Luísa a 22 de Janeiro de 2011
Às vezes, colegas meus perguntam-me como é Portugal em geral e Lisboa em particular. Eu digo que é um país com um "montão de coisas" (normalmente digo só as boas) e que Lisboa é muito bonita. Depois venho aqui e vejo que conjugo os verbos no tempo errado: Lisboa era bonita...
De Bic Laranja a 22 de Janeiro de 2011
Arrisco "Lisboa foi"... O imperfeito dá a acção por inconclusa. E Lisboa, definitivamente, já não é...
Pretérito perfeito são o tempo e modo, portanto.
Cumpts.
De Luísa a 23 de Janeiro de 2011
Infelizmente, tenho que concordar em género, número e grau!
De Bic Laranja a 23 de Janeiro de 2011
Seja bem-vinda.
Cumpts.
De Attenti al Gatti a 23 de Janeiro de 2011
Há, parece-me, uma nota positiva. Atentado paisagistico era a Torre de Belém rodeada por todos aqueles edifícios.Hoje, desafogada, está bem melhor. Também ao nível de visitantes se evoluíu bastante, apesar de ainda não ser um monumento muito visitado.
A.v.o.
De Bic Laranja a 23 de Janeiro de 2011
Tem muita razão. Há mais um pedacinho em Jorge de Sena que corrobora isto que agora me diz. Conto alinhavá-lo aqui em breve com mais alguma imagens.
Cumpts.
De Paulo Ribeiro a 26 de Janeiro de 2011
Tomei a liberdade de partilhar este post no blog "Um pastel em Belém".
Espero que não haja problema.
http://www.umpastelembelem.com/2011/01/26/pelo-arrabalde-do-bom-sucesso-nos-anos-30/ (http://www.umpastelembelem.com/2011/01/26/pelo-arrabalde-do-bom-sucesso-nos-anos-30/)

Cumprimentos e continuação de um bom trabalho.
De Bic Laranja a 26 de Janeiro de 2011
Não senhor. Grato pelo apreço.
Cumpts.

Comentar

Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____