18 comentários:
De Paulo Cunha Porto a 31 de Janeiro de 2011
Tem o Amigo Bic Kilogramas de razão. Mas o amor ao KAPA está entranhado, veja-se a Kilometragem de noticiários no caso Carlos Castro...

Se me visitar em casa nova

jovensdorestelo.blogspot.com

, prometo não abusar dos barbarismos.
Abraço

De Bic Laranja a 31 de Janeiro de 2011
Caríssimo. Mas que grato prazer!
Grande abraço.
De VSC a 1 de Fevereiro de 2011
Eu li Eça naquela edição do centenário que respeita a ortografia da 1ª edição e sempre por lá vi is gregos (como se dizia cá em casa), dablius e capas.
São bárbaras? E os visigodos não eram? E não fazem eles, com os suevos, parte do nosso passado?
De Bic Laranja a 1 de Fevereiro de 2011
Se é para tornar à orthographia etymologica do tempo do Eça sou a favor. Mas de toda a maneira diga-me se o 'w' do Cuanza é suevo ou visigodo.
Cumpts.
De VSC a 1 de Fevereiro de 2011
Não me referia tanto à palavra em si, que penso nunca ter visto em Eça, mas ao uso do "w".
no caso do "Kwanza" do tempo de Eça, seria a grafia inglesa.
De Bic Laranja a 1 de Fevereiro de 2011
Não pode ser à amaricana? Concedamos mais esta à modernidade.
Cumpts.

De Luísa a 31 de Janeiro de 2011
Oh! E eu que pensava que a língua de Camões tinha sido adquirida além-mar...
Sabe como se resolvia isto? Cada um por si... Portugal com a língua portuguesa, Angola com a angolaa, Brasil com a brasileira... Dizia-se que eram línguas com raiz no Português, que por sua vez tinha vindo do Latim. E estava tudo resolvido.
Assim, ficávamos com o nosso Cuanza e eles com os drinks, os esportes e todo o estresse provocado por uma cambada de analfabrutos...
De Bic Laranja a 1 de Fevereiro de 2011
"Adquirida além-mar" não percebo?
É mais ou menos como diz. Com reforço de que os portugueses não impõem o idioma a ninguém, apenas o falam. E quem no fale e escreva, português ou estrangeiro, que siga a gramática. Será isto tão absurdo?
Cumpts.
De Luísa a 1 de Fevereiro de 2011
Não, de todo, caro Bic!
Devia ser lei saber falar e escrever de forma correcta a Língua Materna. O problema é que a ileteracia (para mim é mesmo analfabetismo) cresce a olhos vistos. Acabei de receber uma mensagem do banco a dizer que uma certa aplicação financeira "trás" inúmeras vantagens. Se for como o português deles... prefiro guardar o dinheiro debaixo do colchão.
Mas, infelizmente, não é só em Portugal! Ainda há pouco ouvi uma princesa (sem duplo significado, é mesmo da nobreza, só não me lembro a que país pertence) questionar as razões de tamanho problema pela Europa. Dá vontade de dier "Oh! admirável mundo novo!!"

Quanto ao "além-mar"... foi piada fracota!! (não sou boa humorista!) Era sobre a pretensão das pessoas em reescreverem o português (o exemplo do Kwanza vs Cuanza) , como se o português tivesse nascido noutro país (além-mar) que não Portugal.
Saudações!
De Bic Laranja a 1 de Fevereiro de 2011
E agora lendo melhor já percebo. As reticências são marca de ironia, claro.
Cumpts. :)
De Luísa a 1 de Fevereiro de 2011
E eu respondi logo, antes de descer para este comentário!! :D
De VSC a 31 de Janeiro de 2011
Creio que a língua portuguesa não é um bem disponível sobre o qual o governo possa celebrar tratados com potências estrangeiras.
Mesmo internamente, as entidades a quem é reconhecido um papel na defesa da língua, apenas poderão declarar, em caso de dúvida, se a evolução de uma palavra se fez conforme o espírito da língua ou se um neologismo é admissível ou não.
O resto é um abuso de poder que, como tal, não poderá ter qualquer validade nem obrigar ninguém.
Do mesmo modo, o estado não pode adoptar grafias de países estrangeiros seja em diplomas oficiais seja no ensino.
De Bic Laranja a 1 de Fevereiro de 2011
Claro que não é bem disponível. Só tiranos ignorantes se arrogam a tomar o idioma como bem de compra e venda. Como o fazem com a soberania, de resto.
Cumpts.
De Gracioso a 1 de Fevereiro de 2011
"O Português deriva do Latim, não do colonialismo, como tantos se convenceram."
E essa nova ortografia deriva ela, do pretoguês ?
Nada a ver com o Cuanza nem com Angola, claro .
Cumpts
Gracioso
De Bic Laranja a 1 de Fevereiro de 2011
Deriva muito em rigor do brasileiro. E em geral de ignorantes. Se isto corrobora o seu adjectivo...
Cumpts.
De JPG a 2 de Fevereiro de 2011
Off-topic (e para apagar, se quiser): podia fazer o favor de enviar-nos um email, mesmo em branco? Obrigado.
De Carlos Eduardo Borges a 2 de Fevereiro de 2011
Esta triste estória do «acordo» foi pior emenda do que o soneto, (antes cada qual com a sua ortografia como acima é sugerido) mas não posso deixar de considerar muito engraçadas algumas expressões brasileiras como por exemplo aquelas - porventura aplicáveis ao dito «acordo» - do "disfruto" e da "discaração" ...
De Bic Laranja a 2 de Fevereiro de 2011
Realmente!
Cumpts.

Comentar