Domingo, 30 de Janeiro de 2011

Nos ermos do Bom Sucesso

Gaiola de vidro

Como paredes através das quais
o mundo vemos pelo ser dos outros,
quem vamos conhecendo nos rodeia,
multiplicando as faces da gaiola
de que se tece em volta a nossa vida.

No espaço dentro (mas que não depende
do número de faces ou distância entre elas)
nós somos quem nós somos: só distintos
de cada um dos outros, para quem
apenas somos uma face em muitas,
pelo que em nós se torna, além do espaço
uma visão de espelhos transparentes.

Mas o que nos distingue não existe.

 

Travessa do Arco da Torre [adjacente ao Largo da Princesa], Bom Sucesso (E. Portugal, 1939)
Travessa do Arco da Torre [adjacente ao Largo da Princesa], Bom Sucesso, 1939.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 

«[...] No entanto a palavra gaiola retinha, no contexto, uma alusão à liberdade que cada vez mais eu via que não há, e que, contraditoriamente nenhuma solidão me daria. Levantei-me para ir visitar a Torre. Mas, quando já descia uma das azinhagas [...] vi um homem, que me olhava com pasmo, encostado numa das esquinas, ao sol. Por certo espantava-se de ver um fulano parado na rua a escrever e, ou já ali estava e observara-me enquanto eu escrevera, ou parara precisamente assistindo à cena para ele insólita. É possível que a minha insatisfação com o final [do poema] tivesse já sido a intromissão, de que eu não fora consciente, de um olhar fito em mim.. Guardei apressadamente o papel no bolso e estuguei o passo [...]»

 

Rua do Arco da Torre, Bom Sucesso (E. Portugal, 1939)
Rua do Arco da Torre [estrada do Forte, adjacente à Fábrica do Gás], Bom Sucesso, 1939.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 

« Estava já perto da Torre, cuja imagem me distraiu. Não a via completamente, porque a muralha [da Fábrica do Gás] que se continuava do baluarte do Forte [do Bom Sucesso] me encobria a sua parte mais baixa. De resto, o que aparecia à minha frente, ao seguir pela estrada de macadame escuro, era a porta do Forte, que se abriria na parede inclinada, se não estivesse, como estava, apenas entreaberta, e sem sentinela à vista. Diante dela, obliquei à esquerda, entre o baluarte e um muro vermelho acima do qual brilhavam montes de carvão. Passada a aresta do baluarte, um não extenso descampado, com esparsas ervas altas e pequenos montes de lixo e caliça, prolongava-se até à borda da muralha. Fui por ali em direcção à Torre, tal como, pelas azinhagas e sem vê-la, me orientara até à estrada do Forte. Nas proximidades da Torre, e contornando-a a alguma distância só pelo lado de que eu vinha, a muralha descia em rampa meio desfeita para uma praia suja. À beira de água, corriam e saltavam rapazes, uns de cuecas rasgadas, outros inteiramente nus, cujos montes de escassa roupa coloriam espaçadamente o sopé da Torre. Quando me vislumbraram descendo à praia, uns correram a esconder-se atrás da muralha que avançava do Forte, enquanto outros precipitadamente corriam para as roupas. Por certo me haviam tomado por qualquer guarda que os impedia de tomar banho ali, ou que por vezes passava para impor decência aos que andassem nus [...] Eu afastei-me para contornar o monumento e achar a entrada, do outro lado. Na sombra, junto das escadas enterradas parcialmente na areia estavam duas mulheres com dois homens que pararam de rebolar-se por cima delas, quando assomei na esquina. A porta estava de facto fechada. Os quatro, sacudindo-se da areia, ficaram a olhar-me suspeitosamente. Muito mal-encarados, os dois homens pareciam avaliar a minha carteira. As duas mulheres eram menos que prostitutas: no riso alvar que lhes estagnara nos rostos, havia a marca de vadias de arrabalde, entregando-se por uns cobres atrás de um tapume, sobre um monte de lixo. Para mostrar que era a Torre o meu fito, subi os degraus e bati à porta. Um dos homens, atrás de mim, disse: — Não está aí ninguém.»

Jorge de Sena, Sinais de Fogo, Público, Lisboa, 2003, pp. 504-509 passim.

 

Forte do Bom Sucesso, Pedrouços (E. Portugal 1939)
Forte do Bom Sucesso, Lisboa, 1939.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 


Notas:

1) O tempo da narrativa é 1936, concretamente na véspera da Revolta dos Barcos (8/9/1936). Segundo diz D.ª Mécia de Sena na introdução desta edição dos Sinais de Fogo, Jorge de Sena percorreu os arredores da Torre de Belém em Setembro de 1939, no regresso duma temporada na Figueira da Foz. Foi nessa ocasião que escreveu o poema Gaiola de Vidro. Transpôs circunstâncias reais desse episódio da sua vida para o tempo do romance fundindo-as com a História; também no romance, Jorge, tornara a Lisboa vindo da Figueira. A descrição da porta entreaberta do Forte, o façanhudo sargento da guarda desvendando que o Forte está em prevenção, o laxismo da sentinela que o autor relata pouco depois neste episódio do livro são, talvez, uma ironia ao desfecho da Revolta dos Barcos, pois, insinua o autor, o governo sabia da iminente revolta e deixou-a dar-se para daí colher dividendos políticos. A bateria do Forte do Bom Sucesso, a par da do Alto do Duque, detiveram os dois navios amotinados (o aviso Afonso de Albuquerque e o contratorpedeiro Dão) de desertarem para se juntarem aos Republicanos na guerra civil de Espanha; logo depois foi criada a Legião Portuguesa e endurecida a vigilância do Estado contra actos sedição.
2) O caminho do Largo da Princesa para a Torre descia pela Travessa do Arco da Torre, passava debaixo da casa do arco onde se abria uma largo, e seguia após cruzar a linha de caminho de ferro, direito ao Forte do Bom Sucesso pela Rua do Arco da Torre — esta rua ainda hoje existe com os seus muretes através do jardim agora fronteiro ao monumento aos soldados do Ultramar; em frente à porta do Forte passava a rua que ligava a Torre de Belém à praia de Pedrouços, já a jusante do Forte. Jorge de Sena não se refere ao caminho de ferro que se entrepunha entre a casa do arco e a rua que levava ao Forte, no entanto refere-se à rua que ia do Forte à praia de Pedrouços, uma estrada militar, por onde a ludibriada sentinela deixou seguir Jorge a troco dum cigarro.

Escrito com Bic Laranja às 09:45
Verbete | comentar

Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
14
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____