Quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2011

Metodologia tudológica

O primeiro passo é reconhecer que é parvo (in Portugal dos Pequeninos)

 Nas cartas à directora do Público há hoje uma dum leitor sobre as novas canções de protesto. Diz que a canção Parva... da Deolinda troa em todos os meios de comunicação mas a canção do T.G.V. do Paco Bandeira, do mesmo género, muito pouco ou nada. E dá ideia - segundo o leitor - duma subtil ou velada censura à canção do Paco. - Dá pois! - Esta é daquelas que não se prova mas que todavia se pode demonstrar pelo método tudológico do achismo. A censura informal é a cesura dos media. A Parva... da Deolinda conforma-se muito bem ao figurino (sub)urbano das televisões (como acontece com o Bloco); logo serve ao recorte dos media... Isto mais se mostra na cópia de Deolindas conversadeiras e assaz (sub)urbanas, muito afins das redacções jornaleiras, como sabeis, que debitam ciência a toda a hora na televisão. A ortodoxia é sensaborona, não se ajeita ao que sabemos que o telespectador ou rádio-ouvinte querem; muito menos a poeirenta ortodoxia das cassetes, como o P.C.P. ou a música do Paco Bandeira. Quando muito vai uma pitadinha, muito ao leve, para dar um certo gostinho democrático ao caldo; mas só ingredientes muito refinados colhidos em cultura urbana.
 Portanto, eu acho que é por isto que há muitos mais paineleiros por ex. do B.E. que do P.C.P. a dar nas TV, quando no fundo todos são comunistas com direitos adquiridos.
 E acho também que eis como a Parva... da Deolinda leva-a o vento e o Paco Bandeira não drapeja por falta de sopro.

 

(Imagem do Portugal dos Pequeninos.)

Escrito com Bic Laranja às 12:01
Verbete | comentar
8 comentários:
De Zephyrus a 17 de Fevereiro de 2011
«Manif». O calão já entrou nos jornais. Provavelmente, daqui a dez anos, já é português erudito.

http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=1786389&seccao=M%E9dio%20Oriente
De Bic Laranja a 17 de Fevereiro de 2011
O «i» de segunda-feira parece que trazia «profes» na primeira página. Ganda curte!
Cumpts.
De [s.n.] a 19 de Fevereiro de 2011
Desculpe fugir do tema, mas nao posso deixar de escrever sobre algo que anotei para deixar a sua consideracao porque sei que o preocupa tanto quanto a mim. Mas sobretudo porque achei inadmissivel e mais ainda inacreditavel saido da boca de uma Advogada... Se o mesmo tivesse acontecido da parte de uma pessoa humilde e pouco instruida, como as vezes acontece nas entrevistas de rua, ainda va que nao va... mas agora vindo de uma jurista, francamente!!!

No dia 8 deste mes e porque estava em casa nessa tarde, resolvi passar pelos varios canais televisivos para ver se me deparava com alguma personagem interessante a ser entrevistada. Estes casos sao rarissimos, mas quando mal nos precatamos acontecem...

A determinada altura parei na TVI, no programa da Fatima Lopes, para ouvir uma senhora advogada convidada do programa, a tecer consideracoes juridicas sobre o tema em debate, as quais me pareceram bastante razoaveis. Mas eis senao quando a senhora borra a pintura e profere dois erros de palmatoria - eram exactamente 15.20, ate anotei a hora! - conjuga duas formas verbais reflexas do verbo IR e TER da seguinte maneira... IRA0-SE e TERA-SE!!!... que, caso eu nao estivesse habituada a ouvir os analfabetos politicos e nao politicos e comentadores 'debitando' as piores barbaridades linguisticas que imaginar se possa, ter me ia dado uma coisa naquele momento.

Porque o facto e que achei tal desconchavo absolutamente deploravel pra mais vindo da parte de uma jurista! Mas em que escolas estudou esta senhora? E que professores teve ela na disciplina de portugues? E por que gramatica aprendeu esta senhora a conjugar os verbos?

Se me tivessem contado isto eu diria que era impossivel. Foi preciso ver e ouvir para acreditar.
Sinceramente, e preciso ter coragem para alguem aceitar ir a um debate televisivo, ainda por cima uma advogada..., sem saber conjugar correctamente os tempos verbais!
Maria

Nota - Peco desculpa pela falta de acentuacao, sinais graficos e tracos de uniao, mas nao consigo resolver o assunto agora. Tenho que instalar outro software. Ja ontem perdi este comentario, de modo que hoje segue mesmo assim.
De Bic Laranja a 19 de Fevereiro de 2011
Com sua licença repito o que disse algures: "pela frequência com que ouço conjugações como darei-lhe ou pelo espanto e admiração que vejo em redor quando se enuncia rectamente dar-lhe-ei, por ex.; ou até pelo definhar das simples conjugações pronominais... Veja-se a imprensa.".
Nada a fazer. Ninguém aprende Português e quem devia corrigir os erros na escola já fala desta maneira. Isto só se revertia com doses maciças de de literartura clássica. Não vamos lá.
De [s.n.] a 20 de Fevereiro de 2011
Estou completamente d'acordo com o que escreveu.

Este abastardamento consecutivo e em crescendo da nossa língua-mãe - sendo este o nosso maior Bem tanto quanto é o solo sagrado que nos viu nascer, ambos definindo a nossa identidade como Povo - tem que acabar. Nem que seja à força.
Maria

Obs.: A Senhora advogada que citei era relativamente nova, talvez trinta e poucos anos, tendo portanto feito a sua escolaridade já neste "fabuloso" regime..., nota-se.
Todos quantos tenham feito os seus estudos (superiores ou não superiores) no anterior regime sabem exprimir-se correctamente. Eis a GRANDE diferença entre o ensino ministrado naquele regime e neste. Mais uma entre muitas outras. Para desespero (e inveja) desmedido e mal disfarçado, desta inútil gentaça que desde há quase 40 anos não se despega do poder nem à lei de Deus Pai Todo Poderoso, continuando a ele agarrada que nem uma lapa ao casco dum navio. Possìvelmente só o farão à lei da bala... exactamente como nos E.U. que eles tanto adoram, cujo degradante modelo político e social eles adoptaram e seguem à risca. Quem sabe se não será essa a solução?
De Bic Laranja a 20 de Fevereiro de 2011
O ensino antigamente (não só no Estado Novo, mas também) tinha uma intenção sensata de não ir o sapateiro além da chinela: ensinar os meninos a ler, escrever e contar era um objectivo realista.
Hoje os do eduquês connvenceram-se por artes mágicas que todo o humano pode ser um doutor. Nem tudo é para todos — non omnia possumus omnes.
Cumpts.
De Paulo Cunha Porto a 20 de Fevereiro de 2011
Ora, Caro Bic, os comentadores do PCP - até os Meus -são disciplinados e têm espírito de sacrifício, não aceitam ir à ribalta por dá cá aquela palha.
Mas o problema que subjaz parece-me residir em inexistir geração, ou, até grupo de bairro, que preze a bandeirada...
Ab.
De Bic Laranja a 20 de Fevereiro de 2011
Os seus talvez. Os do outro P.C.P. não; prova-o a artimanha das coligações A.P.U./C.D.U. para dobrar grupos parlamentares e o inerente direito a botar discurso.
Cumpts.

Comentar

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____