8 comentários:
De Zephyrus a 17 de Fevereiro de 2011
«Manif». O calão já entrou nos jornais. Provavelmente, daqui a dez anos, já é português erudito.

http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=1786389&seccao=M%E9dio%20Oriente
De Bic Laranja a 17 de Fevereiro de 2011
O «i» de segunda-feira parece que trazia «profes» na primeira página. Ganda curte!
Cumpts.
De [s.n.] a 19 de Fevereiro de 2011
Desculpe fugir do tema, mas nao posso deixar de escrever sobre algo que anotei para deixar a sua consideracao porque sei que o preocupa tanto quanto a mim. Mas sobretudo porque achei inadmissivel e mais ainda inacreditavel saido da boca de uma Advogada... Se o mesmo tivesse acontecido da parte de uma pessoa humilde e pouco instruida, como as vezes acontece nas entrevistas de rua, ainda va que nao va... mas agora vindo de uma jurista, francamente!!!

No dia 8 deste mes e porque estava em casa nessa tarde, resolvi passar pelos varios canais televisivos para ver se me deparava com alguma personagem interessante a ser entrevistada. Estes casos sao rarissimos, mas quando mal nos precatamos acontecem...

A determinada altura parei na TVI, no programa da Fatima Lopes, para ouvir uma senhora advogada convidada do programa, a tecer consideracoes juridicas sobre o tema em debate, as quais me pareceram bastante razoaveis. Mas eis senao quando a senhora borra a pintura e profere dois erros de palmatoria - eram exactamente 15.20, ate anotei a hora! - conjuga duas formas verbais reflexas do verbo IR e TER da seguinte maneira... IRA0-SE e TERA-SE!!!... que, caso eu nao estivesse habituada a ouvir os analfabetos politicos e nao politicos e comentadores 'debitando' as piores barbaridades linguisticas que imaginar se possa, ter me ia dado uma coisa naquele momento.

Porque o facto e que achei tal desconchavo absolutamente deploravel pra mais vindo da parte de uma jurista! Mas em que escolas estudou esta senhora? E que professores teve ela na disciplina de portugues? E por que gramatica aprendeu esta senhora a conjugar os verbos?

Se me tivessem contado isto eu diria que era impossivel. Foi preciso ver e ouvir para acreditar.
Sinceramente, e preciso ter coragem para alguem aceitar ir a um debate televisivo, ainda por cima uma advogada..., sem saber conjugar correctamente os tempos verbais!
Maria

Nota - Peco desculpa pela falta de acentuacao, sinais graficos e tracos de uniao, mas nao consigo resolver o assunto agora. Tenho que instalar outro software. Ja ontem perdi este comentario, de modo que hoje segue mesmo assim.
De Bic Laranja a 19 de Fevereiro de 2011
Com sua licença repito o que disse algures: "pela frequência com que ouço conjugações como darei-lhe ou pelo espanto e admiração que vejo em redor quando se enuncia rectamente dar-lhe-ei, por ex.; ou até pelo definhar das simples conjugações pronominais... Veja-se a imprensa.".
Nada a fazer. Ninguém aprende Português e quem devia corrigir os erros na escola já fala desta maneira. Isto só se revertia com doses maciças de de literartura clássica. Não vamos lá.
De [s.n.] a 20 de Fevereiro de 2011
Estou completamente d'acordo com o que escreveu.

Este abastardamento consecutivo e em crescendo da nossa língua-mãe - sendo este o nosso maior Bem tanto quanto é o solo sagrado que nos viu nascer, ambos definindo a nossa identidade como Povo - tem que acabar. Nem que seja à força.
Maria

Obs.: A Senhora advogada que citei era relativamente nova, talvez trinta e poucos anos, tendo portanto feito a sua escolaridade já neste "fabuloso" regime..., nota-se.
Todos quantos tenham feito os seus estudos (superiores ou não superiores) no anterior regime sabem exprimir-se correctamente. Eis a GRANDE diferença entre o ensino ministrado naquele regime e neste. Mais uma entre muitas outras. Para desespero (e inveja) desmedido e mal disfarçado, desta inútil gentaça que desde há quase 40 anos não se despega do poder nem à lei de Deus Pai Todo Poderoso, continuando a ele agarrada que nem uma lapa ao casco dum navio. Possìvelmente só o farão à lei da bala... exactamente como nos E.U. que eles tanto adoram, cujo degradante modelo político e social eles adoptaram e seguem à risca. Quem sabe se não será essa a solução?
De Bic Laranja a 20 de Fevereiro de 2011
O ensino antigamente (não só no Estado Novo, mas também) tinha uma intenção sensata de não ir o sapateiro além da chinela: ensinar os meninos a ler, escrever e contar era um objectivo realista.
Hoje os do eduquês connvenceram-se por artes mágicas que todo o humano pode ser um doutor. Nem tudo é para todos — non omnia possumus omnes.
Cumpts.
De Paulo Cunha Porto a 20 de Fevereiro de 2011
Ora, Caro Bic, os comentadores do PCP - até os Meus -são disciplinados e têm espírito de sacrifício, não aceitam ir à ribalta por dá cá aquela palha.
Mas o problema que subjaz parece-me residir em inexistir geração, ou, até grupo de bairro, que preze a bandeirada...
Ab.
De Bic Laranja a 20 de Fevereiro de 2011
Os seus talvez. Os do outro P.C.P. não; prova-o a artimanha das coligações A.P.U./C.D.U. para dobrar grupos parlamentares e o inerente direito a botar discurso.
Cumpts.

Comentar