Domingo, 10 de Abril de 2011

Adoptar, verbo transitivo

 Num reclamo desses que a Câmara semeia pelos passeios da cidade, um banco do Estado anuncia proteção. Interrogo-me se alguma companhia de seguros nacional fará seguros de saúde por causa do aborto gráfico. — É que, morre-se do coração!
  O aborto gráfico...
  Os do aborto gráfico dizem lá na Base IV alínea b) que se eliminam as consoantes ditas mudas (por eles, que são surdos...); entre os exemplos dão o verbo adoptar. Ora esses do aborto gráfico são os mesmos que propunham haver até 1 de Janeiro de 1993 [A.O. (1990), art. 2º] um vocabulário ortográfico comum do português. Até hoje não há nenhum, comum. Adiante.
  Quem são os do aborto gráfico? — Pois, os países da C.P.L.P. que firmaram o Acordo, pode parecer... — Mas não! Nem são sequer os três países que o ratificaram ao abrigo do 2º protocolo modificativo, a saber: o Brasil mais dois ínfimos arquipélagos atlânticos alçados por países na vertigem de Abril.
 Quem julgais então que se empenhou no tal vocabulário do português que havia de ser comum? Os ínfimos arquipélagos atlânticos?!... Pois bem, para bom entendedor... acabamos de identificar donde são os do aborto gráfico.
  Atentai agora em duas coisas: 1) um vocabulário dum só país não pode ser comum, mas... 2) sendo oferecido ao presidente da República Portuguesa e aceito solenemente por ele, passa por valer para Portugal e não se fala mais nisso. Sigamos.
  No vocabulário em questão, brasileiro, estranhamente existe o verbo adoptar, com pê, a par do verbo adotar, mutilado. Afiançam-me do Brasil que ninguém por lá diz (nem escreve) à-dò-ptar em vez de à-dò-tar, logo o verbo adoptar parece deslocado; aquele pê etimológico não se ensina no Brasil.
  Em Portugal também ninguém diz â-dò-ptar, mas o pê etimológico tem valor diacrítico (escreve-se para marcar o timbre aberto da vogal que o precede e cuja dicção tende a fechar-se em |u| na fala portuguesa), logo, o pê de adoptar é tão sonoro quanto a vogal |ò|. Demonstra-se assim que não há letras mudas em português mas que se pode em vez disso chamar surdos aos ignorantões que o não entendam.
  Como foi aquele verbo adoptar parar ao Vocabulário brasileiro não sei, mas faço uma ideia; foi de Portugal, tal como idioma. É conhecido que autores portugueses têm sido ultimamente publicados no Brasil fazendo questão de que se lhes não mexa na grafia: o Saramago e o Sousa Tavares são dois desses. Deduzo que das obras destes autores, o verbo tenha sido adicionado aos dicionários (adoptar foi registado no Aurélio com remissão para adotar) e daí tenha acabado por entar no Vocabulário brasileiro. Com inteligência, boa literatura e discreta perseverança já tínhamos o método para o Brasil tornar ao bom português sem desatarmos nós a pontapear a ortografia. Em vez disto, bestas a soldo que conspiram pelas lojas e cujos mandaretes campeiam pelo governo e pela imprensa optaram pela asneira primorosa. Como se não bastasse, da ardilosa inépcia da Academia malaquenha para conceber um Vocabulário português, chegamos a um competentíssimo copy/paste decalque do Vocabulário brasileiro que o I.L.T.E.C., a mando do governo, há-de ter pago às empresas de informática contratadas (por ajuste?) para alimentarem o Portal da Língua Portuguesa. É lá que aprendemos com toda a erudição: adoptar, com pê, existe em português, mas é brasileiro.
 

Capturar.jpg


Se não quer adoptar o brasileiro pelo português assine para uma Proposta de Lei.

(Texto revisto.) 

Escrito com Bic Laranja às 17:53
Verbete | comentar
8 comentários:
De Paulo Cunha Porto a 11 de Abril de 2011
O amor do Amigo Bic pela Língua Pátria não Lhe permitiu descortinar as sujas implicações da coisa:
O demissionário prometeu que, criando o casamento gay, não lhe estenderia a capacidade de adopção. Mas pode agora embarcar em mais este fracturante tema, alegando que nada dissera sobre a... adoção.

Abraço
De Bic Laranja a 11 de Abril de 2011
Será como diz se a cavalgadura soube alguma vez na vida escrever correctamente "adopção".
Cumpts.
De VSC a 11 de Abril de 2011
Os presentes que o presidente da república recebe não obrigam senão o próprio.
Bom post », as acções firmes, quando são sensatas - e aqui tenho de admitir que as dos escritores que indica o foram - produzem geralmente frutos.
Parabéns pelo «post».
De Bic Laranja a 12 de Abril de 2011
É verdade, mas perdura muito o significado das coisas; para o melhor (as acções firmes dos escritores) e para o pior (o servil presidente recebendo tamanhos agravos).
Obrigado!
De Marcos Pinho de Escobar a 14 de Abril de 2011
Grande postal Caro Bic . Como sempre. Vi o reclamo do tal banco do Estado e senti ardência nos olhos... Ontem vi outro em Cascais com perspetiva ". Com o que resta do país na bancarrota declarada, este desgoverno de ignorantes ainda encontra tempo para caprichos ortográficos! Temos de resistir! Abraço amigo.
De Bic Laranja a 15 de Abril de 2011
Obrigado!
Cumpts. :)
De tron a 22 de Abril de 2011
há uma colunista da revista super interessante, professora universitária reformada, brasileira, que na sua coluna na revista científica, onde de forma brilhante disserta sobre literatura portuguesa e brasileira de seu nome Maria Lúcia Lepecki, que também conduz tertúlias na Feira do Livro e que nunca adoptou o aborto ortográfico, curioso de facto; uma sumidade da intelectualidade dos dois lados do Atlântico que chegou a ser co-apresentadora dum talk-show não usar o aborto ortográfico
De Bic Laranja a 23 de Abril de 2011
Há muitos mais como professora Lúcia Lepecki. Mas a imprensa silencia todas essas vozes.
Cumpts.

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____