Terça-feira, 12 de Abril de 2011

Do abuso: Bicharas, mentiras e jornais...

Bichara,mentiras e jornais...
   (Fotomontagem de artigos de limpeza com artigo de jornal, I, 12/4/2011.)



* * * 

 

 Este Bichara é uma cavalgadura. A Lusa, a R.T.P. e os jornais (salvo honrosas excepções) não lhe ficam atrás.
 Portugal «abusa» das consoantes mudas? Pois o Brasil abusa do pretoguês; o Bichara abusa do descaro; e os jornais abusam da «voz do dono»
 Perguntem aí esses jornalistas à jorna ao Bichara o que faz afinal uma dessas abusadas consoantes que diz ele que é «muda» (será decerto surdo) e «inarticulada» no novo Vocabulário brasileiro (cf. «Adoptar, verbo transitivo»).
 Perguntem-lhe lá se sabe ele o que é o valor diacrítico das consoantes etimológicas. Se não, que consulte Gonçalves Viana, Ortografia Nacional; Simplificação e Uniformização das Ortografias Portuguesas, Livraria da Viúva Tavares Cardoso, Lisboa, p. 72 e ss. Ou se lhe custar menos que atenda ao Houaiss.
 Perguntem-lhe se a cedência de Portugal à grafia brasileira até nas maiúsculas dos nomes dos meses e das estações do ano é irreal, se não conta, ou se não demonstra quem cede a quem. Perguntem-lhe à luz disso, se o freguês não estiver ainda cego pelas consoantes «mudas», se vê nas duplas grafias de «húmido/úmido», «amámos/amamos» o Brasil ceder uma migalha que seja ao Português do cânone.
 Digam os srs. jornalistas à besta do Bichara que todos os acentos por que choraminga pode o Brasil ficar com eles (e a ver vamos se não fica), embora nem um só faça grande falta ou baralhe a leitura, salvo o do verbo parar («pára» vs. preposição «para»; uma invencionice bicharo-malakenha, ao cabo e ao resto). O Brasil não cedeu em nenhum dos acentos realmente importantes, os de marcação tónica - e não fónica - do Acordo de 45 (Bases XVII e XIX; os das esdrúxulas, falsas esdrúxulas e agudas como «cómodo/cômodo», «António/Antônio» e «bebé/bebê»).
 O Brasil cedeu no trema, só no trema, e apenas no trema porque o trema é uma ninharia. Além de que é coisa de bárbaros, tal como escrever ato, ator e ação. Portugal (ou antes, o Malaka) vergou-se em 90 a tudo o que o Brasil repudiou em 45, e pretende-se com a proeza - está à vista - que Portugal (que ainda é quem conta) seja moço de frete para carregar Angola e Moçambique para o português brasileiro.
 Ignóbil! E ninguém grita - «Colonialismo! Colonialismo!», pá?!...
 Fiquem-se com esta e vão lá, srs. jornalistas, perguntar a final de contas ao arvorado Bichara e ao seu impedido Malaka que «grupo de países tem um peso que antes não tinha»? - Talvez São Tomé e Cabo Verde, que ratificaram o 2º protocolo modificativo atirando com o aborto aos queixos de Portugal... - Terá Portugal menos dignidade que nações rassabiadas com a História? Ora o Brasil, a ovelha ronhosa do Português, fala agora por nações soberanas onde o idioma não tem nem nunca teve questão?!... Vale o brasileiro; anda-se de cavalo para burro, como os do saco de plástico.
  Pois bem, o que isto é está à vista. Os srs. jornalistas - os à jorna e os mais que isso -, respectivos chefes de redacção e competentes directores fazem muito eco de democracias, de liberdadezinha de expressão, de contraditórios, &c. e só pespegam aos leitores com a propaganda dos do aborto gráfico. Contra, parece que não há ninguém senão o Graça Moura em dias ímpares e em certas fases da Lua. O Facebook vai a caminho das 120.000 pessoas contra o acordo - talvez 25% dos portugueses registados na tal «rede social», como gostam os jornalistas de chamar àquele domínio rádio-eléctrico. Pois nenhum jornal faz do caso notícia!
 Os deputados à Assembleia votaram quase por unamimidade o aborto gráfico e, da nação que os mandatou e lhes paga o ordenado, não oiço ninguém, nem uma pessoa (ou cidadão, como arrotam tanto os políticos), a favor do desconchavado "acordo". - Desacordo em toda a linha, portanto: os deputados não ouvem a nação. Pontapé no cu!
 Uma Iniciativa Legislativa de Cidadãos, acto raro de exercício de cidadania e de direitos cívicos pela nação portuguesa só por si seria notícia. Pois com uma proposta de Lei concreta já redigida, com recolha de assinaturas em curso para aquela ser submetida à votação da Assembleia e o que temos é isto: uma imprensa de Bicharas e Malakas. Pff!

 

(Texto revisto às 11h00 de 13 de Abril.)

Escrito com Bic Laranja às 18:42
Verbete | comentar
14 comentários:
De Blondewithaphd a 13 de Abril de 2011 às 10:32
O meu GRANDE problema é que, como não nasci a falar Português, não sei que raio de consoantes sejam mudas. Eu digo EgiPto mas parece que o "p" é mudo... Como é que a malta adivinha?
De Bic Laranja a 13 de Abril de 2011 às 10:52
Não há consoantes mudas nos grupos cç, ct, pç e pt, como se demonstra na prolação aberta das vogais |a|, |e| e |o| (cf. «Adoptar, verbo transitivo»). E no caso do "Egipto", a pronúncia do pê é oscilante conforma os falantes; por isso se manteve em 1945.
Cumpts.
De Bic Laranja a 13 de Abril de 2011 às 10:53
"...oscilante, conforme os falantes", digo.
De [s.n.] a 13 de Abril de 2011 às 17:47
E casos como é que encaixa nisso casos como 'actuação' ou 'actual'?
De Bic Laranja a 13 de Abril de 2011 às 19:03
Se mesmo com a consoante etimológica o fenómeno de fecho da vogal se deu nesses casos, imagine sem consoantes etimológicas:
â-ção, adutar, adução, â-tor, dir'ção, corr'ção, corrêto, dirêto, dir'tor, ô-timizar/utimizar...
Cumpts.
De JPG a 13 de Abril de 2011 às 19:44
«Pois com uma proposta de Lei concreta já redigida, com recolha de assinaturas em curso para aquela ser submetida à votação da Assembleia e o que temos é isto: uma imprensa de Bicharas e Malakas.»

Informação complementar: logo após o lançamento da iniciativa, enquanto ela estava apenas no plano das intenções, houve alguma cobertura mediática (SICN, TSF, Público, RCP, etc.) [ver em http://ilcao.cedilha.net/?cat=6&paged=2]

Porém, assim que a campanha passou da teoria à prática, isto é, desde que foi publicado o texto e se iniciou a recolha de assinaturas (08.04.10, http://ilcao.cedilha.net/?p=1342) nunca mais houve a mais ínfima referência à ILC em qualquer OCS (à excepção do Jornal da Madeira e sempre pela mesma pessoa).

Inclusivamente, uma reportagem da RTP sobre o tema, que ficou pronta em Julho para ser emitida no prazo de "uma semana", nunca chegou a ir para o ar.

Claro que se pode - ao menos por desfastio - debater os aspectos técnicos do AO90. Na minha humilde opinião, a cortina de silêncio que se abateu sobre a ILC e sobre a contestação ao "acordo" em geral é prova mais do que suficiente de que esta coisa não tem nada de ortográfico e tem tudo de político.

QED.
De Carlos Portugal a 14 de Abril de 2011 às 03:23
Caro JPG:

... E muito de imposição ditatorial, à moda das repúblicas das bananas. Tipo «come e cala»...

Creio que não se vai lá com assinaturas, mas com o desrespeito frontal e constante desta anormalidade - ou seja, a «resistência civil» consagrada na Constituição.

Cumprimentos.
De JPG a 14 de Abril de 2011 às 12:34
Caro Carlos Portugal,

Muito se tem dito sobre e muitos têm até apelado à "resistência civil" de que fala.

Pois bem, se me permite, devo dizer que em toda a linha, não quanto ao espírito mas quanto à substância dessa atitude.

Como se pode exercer essa resistência quando ela nos entra pelos olhos dentro? Como se pode resistir a ler um jornal, um livro ou as legendas de um filme, por exemplo, quando tudo isso está já contaminado, estropiado, destruído pelo AO90?

Como pode um aluno, um professor, um funcionário público "desrespeitar frontalmente" ou resistir civilmente aos manuais, compêndios, dicionários, gramáticas, ofícios, regulamentos, cartazes e impressos com os quais necessária e forçosamente todos têm de trabalhar, estando já todos aqueles calhamaços e demais papelada legalmente "adotados"?

Na minha opinião, foi precisamente a passividade da esmagadora maioria dos portugueses em relação ao "acordo" - passividade essa agravada pelo conforto moral que representa a ideia de "resistência civil" - que nos trouxe até aqui, ou seja, estando o AO90 em vigor.

Se "não se vai lá" com assinaturas, segundo a sua opinião, que é pelo menos tão discutível quanto a minha, então com essa da "resistência civil" é que não se irá com toda a certeza a lado nenhum. Até porque foi com a dita e por causa dela que chegámos aqui, a isto.

De JPG a 14 de Abril de 2011 às 12:36
onde se lê «devo dizer que em toda a linha» leia-se «devo dizer que discordo em toda a linha»
De Carlos Portugal a 14 de Abril de 2011 às 14:37
Caro JPG:

A resistência civil que cito é operada a vários níveis. Como lhe digo, já não estamos - há muito - num Estado de Direito, mas numa selvajaria que dizem «democrática», selvajaria essa que já tem «protocolos» de imunidade a manifestações, abaixo-assinados e greves. Também a acções violentas isoladas. Portanto, nada destes processos funcionam.

Eu nunca me deixei influenciar - tal como o Caro Bic - pelas histórias do «Tio Patinhas» em brasileiro da nossa infância, ou dos super-heróis importados do Tio Sam com «traduções» cariocas.

Assim, como me recuso a ver o lixo televisivo (não há nele qualquer informação válida, mas sim o contrário) ou a ler jornais - as «notícias» são em todas idênticas, até à vírgula, mastigadas pela mesma boca censória e castrante - e tenho, graças a Deus uma biblioteca com mais de uma dezena de milhar de volumes, cujas edições em Português são todas anteriores ao aborto ortográfico, não me parece que venha alguma vez a ceder à iletracia galopante dos «powers that be»...

Quanto a livros impressos na novilíngua da favela, a grande maioria não tem qualquer interesse e o meu domínio de cinco línguas permite-me uma grande escolha em originais e traduções não abrasileiradas.

Quanto aos meus filhos, já estão devida e entusiasticamente sensibilizados para o problema, com a rejeição absoluta nas escolas da borrada institucional. A maior parte dos professores aprova a atitude e conta como correcta a grafia Portuguesa deles.

Aliás, não foi preciso muito para os convencer, pois rejeitam natural e praticamente tudo o que advém destes modernos bárbaros da política e dos globalismos.

Se mais pessoas o fizerem - e ridicularizarem abertamente a aberração - haverá pelo menos grande parte de uma geração salva deste «apagamento» neurolinguístico que lhes querem impor.

Cumprimentos.
De Bic Laranja a 14 de Abril de 2011 às 12:57
O caso tem duas vertentes: uma individual e outra institucional. As pessoas, já todos vimos qual a reacção. Institucionalmente o que vemos é o oposto. Desgraçadamente as instituições/corporações sobrepõem-se à vontade individual dos que as compõem.
Falam de democracia e a resposta que sai é corporativismo.
Cumpts.
De Carlos Portugal a 14 de Abril de 2011 às 14:08
Corporativismo, Caro Bic? Tomáramos nós! Trata-se é de uma ditadurazeca bacoca à Zimbabwe, com tiques estalinistas insuportáveis, como os mais que óbvios no último aborto-Censo 2011... E a estes há que enfrentá-los sem temor, animados da nossa Fé interior, na tradição do Bom Combate (pode parecer ilusão lendária mas não é).

Cumprimentos.
De Bic Laranja a 14 de Abril de 2011 às 15:37
Já não há desse. Mas corporativismo é, à «amaricana»; chamam-lhe «lobbies» mas com esse pico a azedo do caciquismo que diz. Bem vê, isto cá não é a América, é só um lugarejo com Sol e campos de golfe. O Sol é mérito dos que jogam o golfe, claro.
Cumpts.
De Carlos Portugal a 14 de Abril de 2011 às 16:24
Sorriso... amargo. É bem verdade, Caro Bic, infelizmente.

Cumprimentos.

Comentar

Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____