Sábado, 30 de Abril de 2011

Palacete Anjos


Palacete Anjos (Direcção de Serviços de Exploração dos Correios), Restauradores, [post 1939].
Francisco dos Santos Cordeiro, in Fundação Portuguesa das Comunicações.

 Norberto Araújo, no livro XIV das Peregrinações em Lisboa (2ª ed. Vega, 1993), faz menção à família Anjos como «industriais e comerciantes de bom nome» que construiram no séc. XIX, sobre chão que fora dos condes de Castelo Melhor, o palacete Anjos e nele habitaram. Edifício de dois andares e águas furtadas dava frente para o Passeio Público e para a Travessa de Santo Antão. Tinha nove janelas na fachada que dá hoje para os Restauradores, três de sacada no andar nobre e no superior. Foi adquirido em 1938 pelo Estado e em 10 de Junho de 1939 entraram a funcionar nele um posto e outros serviços dos Correios. «Tôda a decoração do pavimento baixo é de Almada Negreiros; merece citação especial o quadro, à esquerda do átrio, que representa a "Mala Posta", delicada composição de tintas brandas» (Norberto Araújo, op. cit., p. 24). – Não sei se ainda se lá acha alguma coisa disto...
 O edifício foi alteado de um piso nos anos 40 e ficou despojado dos ornamentos mais notáveis da fachada: as esculturas que sobrepujavam as sacadas do andar nobre e os florões no cunhal; os pináculos originais ao gosto romântico que coroavam os cunhais foram substituídos por uns em pirâmide, em gosto Português Suave, imitando, ao que julgo, o estilo D. João V.
 Não sei se foi Policarpo Pecquet Ferreira dos Anjos (1845-1905) que mandou fazer o palacete ou se o herdou. Conselheiro, par do reino, industrial ligado à importação e exportação de têxteis, accionista do Banco Lisboa & Açores e da Companhia Geral do Crédito Predial, dirigente da Associação Comercial de Lisboa, filantropo da Real Irmandade de N. Senhora da Conceição da Rocha, casou em 31 de Agosto de 1871 com Alice Joyce Munró (1850‑1934), de ascendência escocesa e irlandesa. A família Anjos tinha meios e proeminência social. Uma das filhas, Matilde, veio a casar com o conde de Arnoso depois de ele enviuvar; outra, Berta, com o 12º conde de S. Lourenço. Algures na descendência desta família entroncam os Empis, mas deixai a via genealógica que é um novelo denso...
 Policarpo dos Anjos adquiriu por 1870 outro Palacete Anjos ao Príncipe Real, nºs 21-23, hoje dependência do Banco de Portugal (v. Agostinho da Paiva Sobreira, «Praça de Príncipe Real VI», in Ruas de Lisboa com Alguma História). Mandou, além destas casas, fazer ainda o célebre chalet de Miramar, em Algés, onde a família passava temporadas de veraneio; o chalet (também dito Palácio Anjos) foi edificado em data incerta entre 1880-86 (Maria del Sol Adragão, Centro de Arte Colecção Manuel de Brito, &c., dissert. de mestrado em Museologia, U.N.L., 2010, p. 41), mas já estaria posto a uso em 1885, conforme se tira da data do diário de Maria Leonor, a filha mais velha do conselheiro Policarpo e de Alice Munró dos Anjos. Se bem me lembro a Vila de Miramar em Algés foi biblioteca municipal; actualmente é o Centro de Arte Manuel de Brito. Mencionou-me a prezada leitora Maria quando me deu o mote para estas nótulas, uma casa da família em Loures; não achei dela agora notícia. Ou não a soube eu procurar.
 
Família Anjos, Miramar (in www.phneutro.pt)
Família Anjos na sua casa de veraneio, o Chalet Miramar, Algés, [s.d.].
Alexandra Carvalho Antunes, O Veraneio da Família Anjos; Diário de Maria Leonor Anjos (1885-87), Oeiras, C.M.O., 2007, apud pH Neutro.

 No palacete Anjos moraram com a família duas irmãs solteiras de D. Alice Munró, Cristina e Francisca (Fanny). O palacete Anjos nos Restauradores tinha capela, teatro e o atelier de Fanny Munró, artista pintora discípula de Silva Porto. Fialho de Almeida refere-se-lhe a propósito da 1ª Exposição do Grémio Artístico em 1891: «A sr.ª D. Fanny Munró tem tres quadrosinhos, com seguras qualidades de factura e colorido. Sente-se a estudiosa que procura, ajudada d'um mestre que não costuma lisongear precocidades problemáticas, e por isso mesmo avançando com segurança mas sem pressa.» (Vida Ironica; Jornal d'um Vagabundo, 2ª ed., A. M. Teixeira, Lisboa, 1914, p. 290).
 Tinha-se Fanny Munró por excêntrica por acompanhar com amigos de condição social diferente. Enamorou-se dum moço Filipe de Andrade que não era da alta sociedade; correspondia-se muito com ele até que dum dia para o outro as suas cartas deixaram de ter resposta. Soube-se depois pelos jornais que Filipe de Andrade fora achado sem porquê afogado no Tejo. O mar que Fanny representava nas suas telas levara-lhe o amor. Foi um grande desgosto (v. Sandra Leandro, «Patrimónios pouco visíveis; pintoras Josefa Greno (1850-1902) e Fanny Munró (1846-1926)», in Boletim da A.P.H.A., nº 4, Dez. 2006).
 Acha-se dispersa e em parte talvez incerta a obra da artista Fanny Munró. Na rede da Internete apenas achei esta tela numa leiloeira; não dão o título e pergunto-me se não será o Saveiro, que apresentou à exposição do Grémio, em 1892...

Fanny Munró, Saveiro [?] (Óleo s tela 48 x 63 cm, 189...)
MUNRÓ (FANNY), Saveiro (?), 189...
Óleo sobre tela, assinado. 48 x 63 cm, in São Domingos.

Escrito com Bic Laranja às 16:46
Verbete | comentar
22 comentários:
De [s.n.] a 1 de Maio de 2011
Que magnífica e pormenorizada informação que aqui me trás! Tenho de percorrer amanhã todas as ligações que deixou. A variedade de histórias ligadas às pessoas que habitaram o Palacete Anjos (mas um edifício de tão grandes dimensões, com capela, sala de teatro, etc., não seria mais apropriado chamar-se-lhe Palácio?) é fascinante.
Este edifício é do séc. dezanove. O terreno onde foi edificado, pertencente ao Conde de Castelo Melhor, era terreno baldio, chamemos-lhe assim, ou havia sido um edifício/palácio do séc. dezoito entretanto deitado abaixo? É que ouvi dizer a uma pessoa de família que havia ali um Palácio deste século (XVIII) cujos proprietários tinham outro apelido..., mas podem ter sido todos da mesma família. É que sendo o de Loures um Palacete pombalino, na minha opinião faria sentido o dos Restauradores ser da mesma época.
Vou ver se consigo enviar-lhe uma foto do Palacete de Loures, este sim, pode ter esta designação por ser de muito menor dimensão, pertença da mesma família.
Estou-lhe imensamente agradecida por estes dados preciosos de que fico a ter conhecimento e que, como deve imaginar, são para guardar religosamente.
Maria
De Bic Laranja a 1 de Maio de 2011
O plano de edificação pombalina para esta Rua Oriental do Passeio Público não sei se foi levado a cabo, mesmo que parcialmente. O desenho dos alçados para ali existe e é do séc. XVIII. Este Palacete Anjos tal como o vemos é posterior a 1858. Mas havia edificação no local anteriormente a ele; podia ser dos Castelo Melhor, mas não sei. Sem investigação de arquivo é difícil fazer mais.
Cumpts.
De Attenti al Gatti a 2 de Maio de 2011
"...é dificil fazer mais." Para mim, é difícl fazer tanto. Parece-me que o tal livrinho que há muito se aguarda, tenderá para enciclopédia. Tanto melhor. Pelo menos, de leitura obrigatória em tais matérias, será.
A.v.o.
De Bic Laranja a 2 de Maio de 2011
Em boa verdade o que aqui deixei está ao alcance todos, seguindo as pistas na rede da Internete, como aliás as remissões o demonstram. Ligar as partes e fazer uma pequena síntese também.
Todavia fico-lhe grato. Obrigado!
De José Caldeira a 2 de Maio de 2011
O Palácio Anjos na Rua Oriental do Passeio Público foi construído pelo pai de Policarpo Pecquet Ferreira dos Anjos, Flamiano José Lopes Ferreira dos Anjos (Sertã 1816 – Lisboa 1886), casado com D. Leonor Pecquet .
Quem o afirma é o Dr. Dom Tomás de Melo Breyner , 4.º Conde de Mafra, a páginas 362 do 1.º volume das suas «Memórias (1869-1880)», (Lisboa, 1930), único volume que saiu completo em vida do Autor. A morte surpreendeu-o a meio do 2.º volume, publicado postumamente em 1934. Há poucos anos, a Família publicou alguns volumes dos seus Diários, em que as Memórias se baseiam, mas mais recentes. Ricos em informações, estão escritos em estilo telegráfico próprio de um diário.
O Conde de Mafra refere-se afectuosamente à Família Anjos, de quem era parente próximo por afinidade, pois sua mãe, D. Emília Pecquet da Silva (1824-1895), casada com o 3.º Conde de Mafra, pertencia à família da referida D. Leonor.
Aproveito para o felicitar pelo excelente post.
José Caldeira
De Bic Laranja a 2 de Maio de 2011
Muito obrigado. E muito obrigado pela valiosa achega sobre quem mandou fazer a casa; era uma dúvida que tinha e não desfazia. As «Memórias de D. Thomaz de Mello Breyner» Conde de Mafra são fonte preciosa para o estudo da época. Pena não serem reeditadas.
Cumpts.
De Margarida de Lemos a 4 de Junho de 2015
O José Caldeira tem toda a razão e está completamente certo. O Palacete foi mandado construir por Flamiano Lopes Ferreira dos Anjos meu trisavô onde morreu. Efetivamente sua mulher Leonor Magdalena Caetana Pecquet dos Anjos era parente de Emília Pecquet da Silva mulher do 2º Conde de Mafra.
De Bic Laranja a 4 de Junho de 2015
Quem sabe sabe. Muito obrigado da sua confirmação.
Cumpts. :)
De Margarida de Lemos a 5 de Junho de 2015
Ando agora na pesquisa dos Pecquet e já encontrei dados muito interessantes.
De Bic Laranja a 7 de Junho de 2015
:)
Continuação de boas descobertas!
De [s.n.] a 3 de Maio de 2011
Como sugere e bem, a marinha SAVEIRO é de certeza a que Fanny Munró apresentou na exposição que refere. Deduzo isto pelo que me foi dado ler particularmente sobre essa, mas também sobre as outras exposições da pintora.
Maria
De Bic Laranja a 3 de Maio de 2011
Pois! Assim me parecia.
Obrigado.
De Duarte Diniz a 16 de Agosto de 2011
Sou um bisneto de Polycarpo Anjos, e fiquei encantado com a informação. Só queria acrescentar um detalhe; Tanto quanto julgo saber, a casa do largo do Príncipe Real era de Polycarpo Ferreira dos Anjos, Tio de Polycarpo Pecquet Ferreira dos Anjos. O Tio Polycarpo é que foi dirigente da Associação Comercial Portuguesa, onde existe um retrato dele pintado. Foi pessoa importante no seu tempo, tendo sido convidado por El Rei D. Luís I para ser dirigente e fundador de uma instituição de proteção a crianças pobres. Não teve descendência
De Bic Laranja a 16 de Agosto de 2011
Prezado Sr.,
Alegra-me que tenha chegado até aqui e fico-lhe muito grato pelo que me esclarece. Permite-me corrigir o passo do palacete Anjos no Príncipe Real que precipitadamente atribuí a Policarpo Pecquet. Outro tanto por nos distinguir qual foi dirigente da Associação Comercial, embora desta imprecisão me salve Norberto de Araújo, por quem me guiei.
Seguindo a pista do Policarpo tio (Policarpo José Lopes dos Anjos) vejo agora que também foi comendador de Cristo e da Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa.
Mais uma vez muito obrigado!
Cumpts.
De Miguel Fabre a 26 de Novembro de 2011
Depois de ler o presente post, gostaria de perguntar-lhe se através das suas pesquisas terá tido acesso à toponímia da rua oriental do passeio público? A pregunta prende-se com o facto dos meus trisavós terem sido proprietários do numero 19 até cerca de 1870. Tenho alguma curiosidade em saber qual a, real, localização deste n.º 19 e actual correspondência na av. da liberdade.
Antecipadamente grato
Miguel Fabre
De Miguel Fabre a 26 de Novembro de 2011
A "pergunta"... claro está!
De Bic Laranja a 3 de Dezembro de 2011
Lembro-me de ter lido algo sobre os Restauradores e sobre quem tinha ali casas no lado ocidental; não me recorda agora se foi no Norberto de Araújo, se onde foi.
Desculpe-me esta resposta agora ser só assim. Logo que tenha tempo tentarei recuperar o caso e do que achar dele darei notícia.
Cumpts.
De juarez de Lima Almeida a 26 de Agosto de 2014
Boa noite, Gostaria de saber mais detalhes de sua família, sou Tataraneto de Vicencia ferreira dos anjos e Tomaz Duarte de Aquino por parte de avó. Será que somos parentes. Estou tentando descobrir origens de minha família.
Meu contato: https://www.facebook.com/JuarezdeLimaAlmeida

Obrigado pela atenção.
De José Pinheiro de Figueiredo a 3 de Abril de 2015
Bom dia.
Andava a vadiar pela web em busca de fotos antigas de Linda-a-Velha quando encontrei o seu blog e a referência a Fanny Murnó.
Encontrei, há muitos anos, duas telas de Fanny. Comprei ambas, cedi uma a uma familiar e guardei a outra.

Caso tenha interesse incluir esta tela no seu blog, diga-me. Terei todo o gosto em enviar-lhe uma foto.
Cumprimentos cordiais
De Bic Laranja a 4 de Abril de 2015
Fico-lhe grato do interesse e da generosidade. Terei o maior prazer em publicar a fotografia que se dispõe oferecer-me. Pode dirigir-ma a biclaranja[a]sapo.pt .
Cumpts. :)
De Helena Aguas a 23 de Dezembro de 2016
Bic, olá! alguns links estão agora sem saída, infelizmente... valerá a pena dar um jeito nisso ;) Natal feliz!*
De Bic Laranja a 23 de Dezembro de 2016
Remissões repostas.
Feliz Natal para si e para os seus.
Obrigado!

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____