Sexta-feira, 15 de Fevereiro de 2008

Ela disse que sim

 Da badalação geral do calendário lembrou-me de aqui contar das gémeas da Ana das gémeas — e já agora dizer que quando andava na 2.ª classe ainda não tinha nascido o S. Valentim (nem os senhores noticieiros iam ruidosamente para as escolas primárias publicitar datas formidáveis para comprinhas e de caminho imbuir a criançada no espírito mercantil para garantir o futuro desta civilização).

Eileen Soper, 1925

  Quando andava na 2.ª classe dizia havia a Ana das gémeas (que já andavam na 3.ª) que me tinha dito uma vez no salão da sede que se eu quisesse namorar com ela podia pedir-lhe. Eu sabia que era a Ana das gémeas e não a irmã porque nessa vez ela trazia um vestido cor-de-rosa às flores amarelas e a irmã um que era azul. Normalmente andavam as duas de igual. E como elas também eram iguais...
 De todo o modo, talvez por timidez, talvez por falta de jeito (mais esta), não tive arte nem coragem... Resolvi ao depois, passado um tempo, escrever-lhe uma cartinha pedindo-lhe namoro e disse ao Zezinho o meu plano: «Escrevo a carta e falo no que me ela disse na sede. Ao depois vou ao prédio das gémeas e ponho-a no correio delas.»
 O Zezinho resolveu nesse momento que gostava da Isabelinha do prédio do Rui e que lhe ia mandar uma carta também. Era boa ideia. A Isabelinha também era muito gira. Mas eu gostava mais da Ana das gémeas; gostava dela mesmo sem a distinguir da irmã porque ela era a mais bonita das duas.
 Escrevemos as cartas. Ele copiou a minha parece-me que também copiou aquela parte da sede e deu uma ideia: enfeitar a carta com desenhos e flores e escrever «viva o Benfica» no fim. Também era boa ideia, mas eu na minha ia pôr o Sporting. Quando acabámos dobrámos as cartas em quatro e fomos botá-las no correio das pretendidas.
 Uma semana depois, nada; era o desânimo. Pior foi que nesses dias o Rui me gozou na rua: «Querias namorar com a Ana das gémeas. Mandaste-lhe uma carta mas ela não gosta de ti!» Como soube ele da carta?! Só se fora o Zezinho!... Só podia...
 Bom! As gémeas no dia a seguir a isso chamaram-me da janela. A Ana atirou-me um bilhetinho em que dizia para lhe escrever mais cartas mas para as não pôr no correio porque a mãe as podia apanhar. Tinha gostado dos desenhos e também era do Sporting (isso já eu sabia). E lá de cima veio a resposta que faltava pela boca da irmã: «Ela diz que sim!»

 Pois lembrou-me ontem de cá contar esta historieta da Ana das gémeas; pareceu-me que poderia ter graça, não fora o Zezinho ainda estar à espera da resposta da Isabelinha do prédio do Rui.


Gravura de Eileen Soper (1925).
Escrito com Bic Laranja às 06:24
Verbete | comentar
13 comentários:
De Bic Laranja a 17 de Fevereiro de 2008
A dos trovante é menos afamada. Obrigado Dª Júlia M.L.! // É mais malvada a alfinetada do último parágrafo que o Zezinho. O mais certo é a mãe da Isabelinha ter interceptado a missiva... Obrigado Dª Luísa! // Cumpts.
De Luísa a 17 de Fevereiro de 2008
É muito gira a história, caro Bic. E não menos saboroso esse discreto desforço do malvado do Zezinho. :-)
De JuliaML a 16 de Fevereiro de 2008
´Só lembro da canção do Sérgio Godinho...

Delicia,essa história!

:-)
De Bic Laranja a 16 de Fevereiro de 2008
Muito obrigado Platero! Os comentários referem duas: "Namoro", do Fausto, com versão mui conhecida do S. Godinho; "Namoro II", dos Trovante, onde um verso diz "a malta não gritou como ouvi numa cancão". Cumpts. // Obrigado Dona T. // Cumpts.
De T a 16 de Fevereiro de 2008
É do meu querido Fausto:)
De Platero a 15 de Fevereiro de 2008
Só uma coisa, a canção por acaso não é a do Sérgio Godinho?
De Platero a 15 de Fevereiro de 2008
História mais bem contada, verdaeiramente deliciosa.

PS.Ainda bem que a Ana era do Sporting!!!!

Um abraço
De Bic Laranja a 15 de Fevereiro de 2008
Obrigado, Dona T. Assim é a canção do Namoro, pois. // Errado, Pitxaime. Elas é que me compraram um novo. Percebi-o pela etiqueta da Frineve marcando 425$00. O meu tinha sido 395$00 na Virita. E o que eles me devolveram não vinha riscado como o que lhe eu emprestei. Mas riscou-se logo; aquela agulha era mesmo assassina. // Anónimo: Namoro II, dos Trovante. // Ah! Ah! Frio, Réprobo. O que me levou ao Sportem neste caso foi a estratégia. Eu sabia... // Obrigado Pedro. A Isabelinha era uma menina muito bonita do prédio do Rui, o irmão da Nini. // Cumpts.
De Pedro Oliveira a 15 de Fevereiro de 2008
A Ana era de facto a mais bonita. A mana dela tinha um nariz um bocadinho mais "abatatado". Agora não tou a ver quem era a Isabelinha do zézinho...
Boa história. Abraço.
De O Réprobo a 15 de Fevereiro de 2008
Se tem graça! Andava eu a pensar como um gosto tão apurado como o do Amigo Bic O tinha podido levar para o Sporting, quando a explicação era simples! O AMOR É CEGO! Abraço

Comentar

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____