Segunda-feira, 15 de Agosto de 2011

Novíssimos profissionais do comércio

 Dantes, às azémolas punham-se antolhos para só verem numa direcção. Hoje não seria preciso.
 Antes das férias queria uma capa para o Kindle que havia de levar e pensei — Que diabo! Não há-de de ser preciso mandar vir uma pinderiquice destas da América! O Kindle ainda vá, que cá se não vende, mas uma capa!... Numa dessas lojas de centro comercial — cuidei — com certeza há-de haver coisa que menos mal sirva. E quiçá mais em conta.
 Na primeira a que fui dar procurei logo ao empregado que, com o Kindle diante de si, foi peremptório. Não tinham. — Mas repare! — ainda tentei — Nem nada de dimensões semelhentes que se lhe ajeite? — Não senhor.
 Segui adiante.
 Na segunda dei prévia vista de olhos a ver se teria mais sorte antes de me desenganarem. Não vi nada, mas com tanta variedade de artigos numa loja tão grande podia ser que com a ajuda dum empregado... — Ele a final de contas há tantas tabuínhas (tablet PC) do tamanho do Kindle... — era a minha esperança. — Também nicles; nada; João Néria. — "Sabe, não vendemos Kindles!...!" — defendeu-se o empregado. — Bom! Ele havia de saber...
 Próxima.
 Na terceira, decidido a dispensar empregados do comércio, apliquei-me a procurar com mais atenção. Se bem o pensei melhor o fiz. Num pacote fechado uma capa (não sabendo eu especificamente para que aparelho) que, pelo boneco e pela descrição, me pareceu que era calhada. Mas não havia nenhum exemplar exposto e, por via das dúvidas lá me rendi a chamar um empregado.
 — Esta capa é para o Blackberry. Não lhe serve.
 — Claro. Mas eu tenho a impressão que mesmo assim... Pode o senhor abrir-me a embalagem para eu ver melhor, por favor!
 — Está bem. Mas esta capa é para o Blackberry — e passou-me a capa desempacotada.
 — Calha que nem uma luva. O senhor acabou de vender o artigo. Obrigado! (*)

Imagem 3773. (c) 2011

 A história acima haveria de ficar a aboborar até esquecer não fora a Volta hoje me ter trocado as voltas. Desviado para os lados de S. Sebastião resolvi meter o nariz nos armazéns espanhóis a ver de cerra-livros como uns que há meses lá achei. Não nos achando e fazendo menção de desistir sugere-me a senhora: — "Melhor é perguntares."
 Pois bem, inquirida a empregada da papelaria, remete-me ela prontamente para a livraria — certamente a palavra «livros» naquela cabecinha...
 Pergunto então na livraria. Um empregado de fato e gravata, asseadamente barbado de três dias, hesita; quer que o esclareça se é o título dalguma obra. (!)
 Explico-lhe o que é.
 Remete-me solicitamente para a secção de papelaria.
 — Sim senhor! Muito agradecido!

(*) Todas as três lojas vendem acessórios para o Blackberry, seja lá ele o que for.

Escrito com Bic Laranja às 19:53
Verbete | comentar
14 comentários:
De George Sand a 15 de Agosto de 2011 às 23:15
Sabe qual é o problema? Traquitanada a mais. Ele é o pod o pid o pad...eu tenho a casa cheia de cabos que já nem sei para o que servem e quando é preciso "carregar" qualquer coisa, também já nada encaixa: um inferno!
Livros só leio em papel!!! É uma espécie de acordo ortográfico, comigo mesma: não ao kinder! (desculpe esse é o ovo das crianças)
De Bic Laranja a 15 de Agosto de 2011 às 23:25
Podia ser. Mas lá que o comércio anda servido de amadores tapados que nem com o Kindle à frente raciocinam, quem nega?
Sobre o que ler no Kinder (também o chamo assim), já dei a minha razão anteriormente...
De Bic Laranja a 15 de Agosto de 2011 às 23:25
Cumpts. :)
De NanBanJin a 16 de Agosto de 2011 às 04:06
Realmente, parece tratar-se de uma estranha tendência que vimos constatando como estando em aparente expansão em Portugal de há uns anos para cá — sobretudo [ou será só impressão minha?] na área da grande Lisboa: o comércio que parece NÃO querer vender — empregados que atendem a contra-gosto a freguesia, ou com má cara ou com maus modos, que fazem 'o frete' de ir à procura daquilo que o freguês procura, que fazem uma busca de relance e olham para o ecrã do computador como quem olha para um defunto incoveniente, e logo largam um suspiro contido e sentenciam "hmmm... não... não temos... nem sei quando vamos ter!!..."(esta última tirada em tom quase-triunfante, atenção...)
No comércio de grandes superfícies até que se percebe, ou melhor até podemos conjecturar, sobre o que levará esta ou aquela empregadita de uma Zara ou de uma Sportzone a dar-se a ares de antipática. Mas no pequeno comércio de rua, ver a epidemia do mau atendimento a alastrar portas adentro daquela sapataria ou oculista onde já os nossos pais adquiriam os seus havers, faz-me muito espécie, verdade seja dita.

O absoluto oposto da regra no longínquo país que me acolhe, onde ninguém descansa enquanto o cliente não estiver servido, satisfeito e de preferência levar ainda mais qualquer coisinha além daquilo que pretendia de início ir lá comprar. (E vêm à porta da loja fazer-nos uma longa vénia, que só termina quando dobramos a esquina lá adiante e desaparecemos da vista do curvado lojista.)


Luís F. Afonso, Japão

De Luísa a 16 de Agosto de 2011 às 18:49
Eu acho o mesmo. Parece que são todos ricos e não precisam de ganhar dinheiro... Por essas e por outras acabo por comprar em Portugal só o que não consigo encontrar na Suíça (que é onde resido) e dou comigo a carregar tralha daqui para lá, às vezes pagando mais pelo mesmo artigo e ainda pagando pelo transporte. Mesmo com estas despesas extra não me sinto tão mal. É que a coisa funciona mais ou menos como o Japão... sempre um sorisso de orelha a orelha, sempre em cima de nós (às vezes até chateia tanta mordomia) e isto é igual para o pequeno, para o médio ou para o grande comércio... Claro que quem perde é Portugal...

Quanto à história do caro Bic... a mim aconteceu ao contrário. Estava a comprar um computador daqueles pequeninos (sei lá como se chamará) que nem sequer espaço para ler os CDs tem. E com o "bicho" (empacotado, pois claro) na mão perguntei ao empregado se tinha capa para ele. Ele disse-me que me dirigisse a uma certa secção para escolher. Depois de escolher fui ter com ele e perguntei se achava que servia. Ele disse-me que sim. Perguntei-lhe se tinha a certeza (o objecto era barato, mas não em adianta pagar pouco se não o uso), deu-me 100% de certezas. Na realidade... deve ter encolhido pelo caminho. Ao chegar a casa, desempacotei o computador, mas não liguei à capa. Quando precisei de o levar para a rua... apercebi-me que não encaixavam na perfeição... deu-me vontade de ir à procura do empregado e bater-lhe!! Mas como a violência não leva a lado nenhum e eu já tinha feito uma reclamação por escrito na hora de comprar o computador e ainda por cima tinha que ir um bocado longe, para fora da minha zona... preferi ficar quieta e usar a capa sem lhe correr o fecho...
De Bic Laranja a 16 de Agosto de 2011 às 19:46
É o mesmo problema. Estupidez e displicência.
Cumpts. :)
De Bic Laranja a 16 de Agosto de 2011 às 19:44
Apercebi-me há anos numa sapataria da Rua da Prata, que o comércio só tem para venda a mercadoria exposta; não armazena. Fui-o confirmando até hoje. Pode isto ser parte do mau comércio que temos. A outra é claramente a atitude. Mas nos casos que pus, achei nos empregados sempre muita solicitude de catálogo, plastificada como nos «call centres», não fastio. O pior - o pior, senhores! - é a falta do mínimo de cultura e inteligência para entender o que se lhes diz. Uma capa que vestisse o Kindle, com o aparelho diante para fazer o ensaio?!... Não saber numa papelaria ou numa livraria o que é um cerra-livros?! Por amor de Deus!...
Cumpts.
De Luísa a 16 de Agosto de 2011 às 20:52
Oh! EU cá acho que é o caro Bic que é exigente demais!!! Então uma pessoa numa livraria ou numa papelaria vai-lhe vendar uma coisa dessas??!? Onde é que já se viu uma pessoa resolver usar um cerra-livros!?!? QUem quiser fazer tal coisa aos livros... que vá ao Aki ou outra loja do género... aí deve encontrar coisas que CERRÃO (para a asneira ser completa usa-se o ditongo!!) livros...
De Bic Laranja a 16 de Agosto de 2011 às 21:09
:) Cumpts.
De Carlos Portugal a 18 de Agosto de 2011 às 19:03
Por se mencionar dislates e estupidez endémica das «novas gentes» que polulam por este nosso pobre e maltratado País, fui hoje comprar os livros escolares para o 6º Ano (antigo 2º Ano dos Liceus) da minha filha mais velha. Para além do seu preço exorbitante (como se fossem encadernados a couro e impressos em offset sobre papel couché), até a minha filha pré-adolescente notou a borrada: são escritos como que por um iletrado. Não se limitam à vergonha do «acordo ortográfico», exibido orgulhosamente nas capas e contracapas, como se a ignorância fosse motivo de orgulho, mas os textos são «de palmatória»: erros atrás de erros, de ortografia, de sintaxe...

Enfim, uma pequena fortuna para pagar lixo, pois não passarão disso, na sua maioria. E é o que as bestas que nos desgovernam querem impor: a estupidez, a ignorância, a incultura.

«Ò Admirável Mundo Novo, que tais filhos tens!», já clamava o bardo de Stratford-upon-Avon, e depois Aldous Huxley. Nem poderiam imaginar o que aí viria, para estas latitudes mais meridionais...

Cumprimentos.
De Bic Laranja a 18 de Agosto de 2011 às 21:50
Imagino-lhe o agravo com tamanha baixeza. Que fazer?!...
Cumpts.
De editor69 a 22 de Agosto de 2011 às 12:34
Amigo eu tb já não passo sem o meu Kindle (quem fala de barato que não substitui os livros não sabe o que diz).
Tenho para já 30 livros sempre comigo e não passam de 240 gr de peso.
Agora então que quebrei o segredo de converter todos os tipos de ficheiros através do CALIBER não quero outra coisa.
Já no que respeita a capas a minha comprei-a no E-bay super barata e há-as aos milhares.

Abraço
De editor69 a 22 de Agosto de 2011 às 12:36
PS:Com a mais valia que tem tudo em casa e comodamente em 2/3 dias.
Como devia de ser por cá...
profissionalmente.
De Bic Laranja a 22 de Agosto de 2011 às 19:52
Não há nada como manusear o livro. Mas se tiver de ter meia dúzia na mesa de cabeceira... Todavia o que eu particularmente relevo é poder ler edições antigas dos clássicos sem me cingir a horários impossíveis em bibliotecas nem ser esbulhado por ávidos alfarrabistas. A literatura contemporânea já não sairá de graça. - Ainda! - Mas cuido que quando chegar a ela já seja de graça; daqui a 200 anos quando acabar de ler os autores do século XIX.
Cumpts.

Comentar

Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
14
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____