2 comentários:
De [s.n.] a 20 de Agosto de 2011
Este fulano, como bom comunista/oportunista (e oportunista, porque embora haja comunistas que o não são esse não será o caso desta personagem lendária que também, não fugindo à regra, é antipática e cínica para lá do suportável) gosta do dinheiro capitalista, pois pudera!, o dinheiro não tem ideologia... Ele faz o jogo da esquerda mas recebe e vive à direita, como muitos deles. E seja a notícia verdadeira ou falsa, é muito natural que de um modo ou de outro já lhe esteja reservado um qualquer cargo muito bem remunerado num outro canal de televisão (eles são sempre os mesmos e limitam-se a saltitar de canal em canal) , cá ou noutro país, de preferência nos E.U. - onde já havia sido correspondente da RTP (lá está, o mesmo canal de que agora se fala para o mesmo fim) mas do qual foi corrido por as perguntas aos políticos serem demasiado esquerdistas... - o país mais capitalista do mundo!, como convém a alguém que se diz 100% comunista mas só quando lhe dá jeito e/ou o beneficia, claro está. Deve ser por isto que os seus convidados de programa e de igual ideologia, o tratam com tanta deferência e o defendem à outrance, seja dentro ou fora do estúdio...

Esta criatura assemelha-se ao dono da estação onde trabalha. Esse é um maçon assumido e como todos os maçons é multi-milionário e também como todos eles dá-se lindamente com a esquerda que deles depende em grande parte. Esquerda que, se repararem bem, nunca toca no seu nome nem ao de leve, apesar dele ser um dos grandes capitalistas cá do burgo... Classe social esta que a esquerda odeia, ou melhor, finge odiar, porque precisa dela como de pão para a boca. E a falsa direita, onde pontifica em lugar cimeiro o supra citado maçon, sabe-o perfeitìssimamente mas apara-lhe o jogo porque é justamente isso, essa monumental farsa, que faz parte do criminoso acordo secreto firmado entre as partes em Paris, no já longínquo ano de 1973.

Para este género de gente sem escrúpulos, a vida dupla que levam é perfeitamente natural. Se lhes perguntarem como assim?, eles responderão que não existem quaisquer contradições nas suas (indignas) posturas, antes pelo contrário, desempenham os dois papéis sem o mínimo problema pois têm por finalidade um bem maior: a 'felicidade' do povo. E sendo esta, no seu conceito hipócrita e propositadamente distorcido, uma das causas mais 'nobres' que um político de 'corpo inteiro' tem por obrigação abraçar, dedicando-lhe toda a sua vida - mesmo que dupla - justifica plenamente o aparente antagonismo.

Esta gente mete nojo.
Maria
De Bic Laranja a 20 de Agosto de 2011
Nada disto surpreende...
Cumpts.

Comentar