Quinta-feira, 25 de Agosto de 2011

Quinta das Olaias

Quinta das Olaias, Lisboa (Judah Benoliel, 195...)
Rua Veríssimo Sarmento e Quinta das Olaias, Picheleira, 195...
Judah Benoliel, Arquivo Fotográfico da C.M.L., JBN005164.
(Idem, 2011 - Google Maps 3D.)

Escrito com Bic Laranja às 23:20
Verbete | comentar
21 comentários:
De Attenti al Gatti a 26 de Agosto de 2011
Fantástico! O local a tomar a aparência que mais tarde lhe conhecí. E se as casas em primeiro plano já estavam demolidas à data das minhas recordações, a silhueta daquelas outras lá no horizonte, veio-me agora à memória, tantos anos depois. Ainda andei pelas que se vêm mais à direita, mas os pormenores esvaíram-se com o tempo.

A.v.o.
De Bic Laranja a 26 de Agosto de 2011
Era o Casal Novo (os telhados). Dava frente para a Quinta das Olaias e estendia-se para o lado da Rua do Sol a Chelas até à Quinta Nova. Foi este Casal aterrado e coberto com a Escola António Arroio.
Cumpts.
De Attenti al Gatti a 27 de Agosto de 2011
Estava-me a referir às casa em plano mais alto, no horizonte, o Monte Coxo. As que se encontram em primeiro plano, à esquerda eram, afinal, o meu bem conhecido Casal Novo (1885) mas a perpectiva da foto e o carreiro que lá se vê, induziram-me em êrro, fazendo-me parecer que elas estavam situadas no lado contrário da azinhaga, onde nunca conhecí nenhuma edificação. Parabéns pela sua perspicácia, sem a qual eu continuaría enganado.
O modo como a foto foi tirada, de um ponto alto, leva a crêr que já estaria feito o aterro, iniciado no final dos anos 50 e onde, posteriormente, veio a assentar a Escola António Arroio.
A.v.o.
De Bic Laranja a 27 de Agosto de 2011
O lugar já estava aterrado, sim.
E notou como a Rua Larga forma como que um dique nas terras que ainda eram da quinta das Olaias? E um dique sem os muros...
Cumpts.
De Bic Laranja a 27 de Agosto de 2011
A remissão avariada:
http://biclaranja.blogs.sapo.pt/4597.html
Cumpts.
De [s.n.] a 26 de Agosto de 2011
... esta azinhaga se bem me lembro veio a fazer a ligação para a Escola Cesário Verde, e ao fundo à esquerda seria aquela que se conhecia pela quinta do Lourenço?
De Bic Laranja a 26 de Agosto de 2011
Sim. A embocadura deste caminho de terra veio a ser o princípio da rua dessa escola preparatória em Lusalite que diz.
Mas não coincidia essa rua com a velha Azinhaga da Picheleira que, vinda da Barão de Sabrosa passando diante do Casal Novo (as casas na base da fotografia), se prolongava na Calçada da Picheleira até Chelas.
A quinta na colina mais elevada, à esquerda, era a do Monte do Coxo.
Cumpts.
De Mário Cruz a 26 de Agosto de 2011
Caro Bic,
Desculpe pela impertinência, mas a foto do comício despertou-me enorme curiosidade. Já viu FAN003628 (cota antiga) do arquivo da CML?
Cumprimentos
De Bic Laranja a 26 de Agosto de 2011
Conheço essa. É doutro comício um mês antes que se fez nos terrenos onde hoje vegeta a sapataria Guimarães. Por acaso esqueceu-me de a pedir num lote que mandei há dias ampliar no Arquivo.
Conto de as ir publicando a retalho, como esta aqui.
Cumpts.
De Adriano Ribeiro a 28 de Agosto de 2011
Caros amigos
Eu não queria ser desmancha-prazeres, mas tenho a impressão que os edificios à direita nada têm a ver com a Rua Verissimo Sarmento. Eles são as traseiras da Rua João Nascimento Costa no chamado antigamente Bairro de Santa Engrácia.(construido em 1955)
Realmente a azinhaga (junto aos prédios) que se vê vai dar hoje à Escola Cesário Verde, mas na altura desembocava no chamado Jardim da Nespera e mais acima ao Páteo das àguias em frente ao Bairro da GNR.
Na elevação era a quinta do Manuel Coxo ou Manuel Réo,hoje, salvo erro, a urbanização do Bairro Portugal Novo
Terei razão?
Cumprimentos
Adriano Rui Ribeiro
De [s.n.] a 28 de Agosto de 2011
Os edifícios do lado direito são como diz, as traseiras da Rua João Nascimento Costa. A Rua Veríssimo Sarmento atravessa a imagem e é por onde circula o automovel, julgo ser assim Sr. Bic?
Cumpts.
De Bic Laranja a 28 de Agosto de 2011
Assim é. As traseiras do B.º de S. Engrácia à dir. e a Rua Veríssimo Sarmento à esq.
Certo também acerca do Monte do Coxo.
Cumpts.
De Adriano Ribeiro a 29 de Agosto de 2011
Caros amigos
Para nós que lá residimos na altura a Calçada da Picheleira começava mesmo junto ao Bairro da GNR. Lá para os anos cinquenta (1952) é que construiram os primeiros prédios e prolongaram a Rua Verissimo Sarmento.
Há um leitor que refere que do Casal Novo atingia-se a Rua do Sol a Chelas. Não deve ser verdade, porque do Casal Novo para se ir para a Rua do Sol a Chelas, ou se ia pela Calçada do Carrascal (passava-se pelo campo do Vitoria CL e pelas casas da Maria dos porcos e do Cunha Velho) ou então pelas Ruas Luis Monteiro e Antonio Luis Inácio. Nem do Casal Novo se conseguia ir para a Quinta da Curraleira. Havia uma entrada para a Curraleira de baixo pela Rua do Sol a Chelas, mas que nunca dava acesso à azinhaga que ligava a Rua Barão de Sabrosa à Calçada da Picheleira.
Cumprimentos
De Adriano Ribeiro a 29 de Agosto de 2011
Caros amigos
Reli o comentário do leitor e rectifico porque ele
nunca disse que se ia para a Rua do Sol a Chelas pelo Casal Novo. Mas fica a informação. Lembro-me que uma vez tentei atravessar a Quinta Nova para a Rua do Sol a Chelas e voltei para trás porque ouvi tiros de caçadeira de local inferior onde eu estava.
Cumprimentos
Adriano Rui Ribeiro
Nota: o Bic Laranja publicou em tempos uma reportagem sobre a "Queijoca". Já para o fim da vida dela a "Queijoca" morou em minha casa.
De Bic Laranja a 29 de Agosto de 2011
Nem há uma semana alguém me contou história igual sobre a Quinta Nova (quinta do Gago?). Apenas essa pessoa me contou que procurava fazer o caminho inverso; desde a Rua do Sol a caminho do Casal Novo.
Deve ter razão sobre chamar-se Calçada da Picheleira ao troço da Rua Veríssimo Sarmento entre o B.º da Guarda e a Picheleira. Esse era o nome dado nos projectos da C.M.L. ao necessário arruamento (a fazer) ligando do B.º da Calçada da Picheleira (Casal da Porciúncula ou Casal dos Ladrões) à Rua Barão de Sabrosa; isto pelos anos de 1927-36.
Sobre a Queijoca, v. «Gasosa com vinho», 26/9/2009.
Cumpts.
De Adriano Ribeiro a 29 de Agosto de 2011
Caro amigo
É tal e qual como diz. Nesse arruamento só havia um prédio muito antigo. Morava lá um senhor de nome João Cordeiro que era o chefe das oficinas do Antonio da Escola. Em frente fizeram depois outro prédio onde havia uma taberna famosa pelos seus petiscos e que estava sempre cheia de clientes.
As "púrrias" (pedradas) entre a malta da Picheleira e do Alto do Pina era no terreno superior agrícola da Quinta do Gago. Famosos os seus milheirais e trigais. Os nossos pombos nunca passavam fome.
A malta do Alto do Pina concentrava-se no Jardim da Nespera e os da Picheleira perto das traseiras da taberna do Zé da Cachopa na Calçada do Carrascal.
Gladiadores de meia tijela era o que éramos
Cumprimentos
Adriano Rui Ribeiro
De Attenti al Gatti a 1 de Setembro de 2011
Caros Bic Laranja e Adriano Ribeiro:
- Será possível acrescentar mais alguns esclarecimentos sobre o Pátio das Águias? A minha falecida mãe falou-me várias vezes sobre ele. Inclusive terá lá tido uma mestra que lhe ensinou as primeiras letras. Uma espécie de pré-escolar de antanho. Mas não sei exactamente onde ficava. Suponho que se situaria no extremo de umas varandas, que tinhm entrada na esquina da Rua Barãode Sabrosa com a Calçada da Ladeira.
Tenho idêntico problema com a Taberna do Zé da Cachopa. Ouví falar dela muitas vezes mas não sei onde era. Também ouví chamar Quinta do Vitorino às casas que se vêm à esquerda dos prédios da Rua Joâo Nascimento Costa. Bate certo? E na Quinta do Valério, alguém ouviu falar?
E o Adriano Ribeiro terá conhecído o Jaime "Cabelinho de Sêda" e o Manel "Foge-ao-Vento")? Foram conteporâneos do "Príncepe".
A revista do "Expresso" desta semana traz um trabalho intitulado "Eduardo Serra - O Único Portugês Nomeado para dois Óscares" cujo, é um filho da Picheleira, tal como ele próprio declara.
A.v.o.
De Bic Laranja a 1 de Setembro de 2011
Desafortunadamente nada lhe sei dizer.
Cumpts.
De Adriano Rui Ribeiro a 2 de Setembro de 2011
O Pateo das Águias ficava mesmo em frente ao cimo da Alameda D. Afonso Henriques. Havia um chafariz ao lado da entrada. A familia mais conhecida do Pateo das Águias eram os jornaleiros. Não me lembro dos nomes dos pais (talvez o "foge ao vento") mas conheci os irmãos todos: o Manecas, O Adelino (o Lina do juniores do Benfica)o Cabena, O Principe ( que teve um café na Rua Capitão Roby) e o Totina (meu afilhado de casamento). Outra familia conhecida eram os Chitas. Gente famosa como o Calé e o Mario Reis, excelentes jogadores de futebol. O Pesca (o Cruz do Benfica, campeão europeu) também parava no Pateo das Aguias, mas salvo erro morava na Rua do Garrido. A sede do Aguias do Alto do Pina era na taberna no prédio da Rua Barão de Sabrosa gaveto com a Alameda. O Ricardo Ferraz, treinador de boxe do Sporting também era do Pateo das Aguias, assimo como os irmãos Paz que jogaram no Belenenses.
A taberna do Zé da Cachopa ficava na Calçada do Carrascal aí para o numero 153. Dava para as traseiras da Quint Nova ou do Gago. Íamos lá aos Sabados tomar duche por cinco tostões.
Cumpromentos
Adriano Rui Ribeiro
De Bic Laranja a 2 de Setembro de 2011
Agora sim, já posso dizer uma coisinha. O Manecas tinha banca na Pr. do Chile, ao pé da Parreirinha. O Totina na Estephania ao pé da Tarantela - o filho estabeleceu-se por ali perto. O Príncipe era o careca da leitaria dessa rua que diz. E o mais que digo é que o Pátio das Águias era um castiço pátio alfacinha.
Grato pela informação.
De Attenti al Gatti a 5 de Setembro de 2011
Muito grato ao Adeiano Rui Ribeiro pela informação detalhada do Pátio das Águias. Já tinha perdido a esperança de acrescentar algo mais ao pouco que sabia sobre esse local. O nome deve-se, pelo que ouví dizer, ao par de águias que lhe decoravam a entrada. Tenho imensa mágoa que toda esta informação, bem como as novas tecnologias que a colocam ao alcance de um dedo, já venham demasiado tarde para certa pessoa.
A.v.o.

Comentar

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____