Segunda-feira, 5 de Setembro de 2011

Do bem cavalgar todo o asno

«He de saber que o boo cavalgador deve concordar seu assessego [=à vontade no cavalgar], segundo ja disse, com a obra que a besta faz [...]» (*)



Evanildo Bichara: Acordo por dentro e por fora

 Uma cavalgadura de nomeada que dá pelo nome de Bichara ou algo parecido desembestou-se com mais umas milongas na defesa de... — Do que havia de ser, senão o covarde e estúpido abrasileiramento da grafia do português com que vermes intestinais e aleivosas criaturas que esvoaçam em torno da luz procuram amesquinhar o que resta de Portugal?
 No Dia OnlineO Acordo por dentro e por fora», 3/9/2011) escreve o parlapatão, curando dourar a lama:

« [...] Em poucas palavras, se pode dizer que o Acordo de 1990 participa de muitas das qualidades atribuídas à reforma de 1911, que alimenta as Bases do sistema de 1940 que, por sua vez, derrama seus bons frutos em nosso tão apedrejado Acordo de 1990. Quem se detiver a, pacientemente, comparar lição por lição as Bases de 1940 com as Bases de 1990 vai poder acompanhar, quase passo a passo, a mesma redacção, surpreender os mesmos exemplos...»

 Os mesmos exemplos... Com tão indigente decalque está justificado o descabido exemplo de «aflição» na Base IV do Acordo de 90, a tal que manda às urtigas as «consoantes mudas» porque os moucos acorditas as não conseguem ouvir; como se em 1990 ainda alguém escrevesse «afflicção» em português de 1911 e precisasse de ser acordado!...
 Mais adiante estriba-se na pronúncia (ou será purnúnsia) para sustentar a nova escrita unificado-facultativa:

« [...] o Acordo Ortográfico aconselhou não continuar com a dupla "Egito" e "Egipto", porque, grafias assim de uma mesma realidade da língua, já que ambas formas têm uma só realidade linguística, as pronunciamos da mesma forma [...] Mas, diante de facultatividades e realidades linguísticas diferentes, como "António" e "Antônio", "bebé" e "bebê", "acessível" e "accessível" [sic], entre tantas outras, não poderia fugir às duplas pronúncias [...] »

 E assim, para não darem as azémolas luso-fônas com os burrinhos na água por não saberem português vamos [haveríamos de] ter de encafuar no ridículo Egito toda a Egiptologia, seja obra de egiptólogos egípcios ou não, sem esquecer a Egipcíaca Santa Maria?!... Tarefa por demais inglória porquanto do Antônio do assentamento de Maria Preta, ao Zé António da Aldeia dos Trinta, não há-de haver palavra que em português não tenha duplas, triplas, óctuplas, ou mesmo mais pronúncias. A menos que sejem purividas algũas d'eilhas, como deveria ser aquele bicharesco e bárbaro «accessível», a coisa não se faz por menos.
 Este Bichara é uma cavalgadura, um mentiroso que já desmascarei aqui. Cabotino, não só ignora boçalmente a realidade do português fora do Brasil (erro que o manhoso Houaiss não cometia), como anseia em desepero de argumentos encarrapitar o trôpego acordo de 90 pela colagem à sempre enaltecida reforma de 1911.
 — Pois saiba, SUA CAVALGADURA, que nem a reforma ortográfica de 1911 foi a maravilha que se para aí diz (foi mero acto de afirmação de regime), nem nunca nela se propunha a supressão a esmo e a eito das consoantes etimológicas. Lesse vossemecê a lição de Gonçalves Viana, que foi seu relator, e saberia.
 — Instrua-se, sua besta! Aprenda! 

Consoantes mudas?!..
Gonçalves Viana, Ortografia Nacional, Livraria da Viúva Tavares Cardoso, Lisboa, 1904, p. 73.

 

 (E ainda se arroga o asno propor melhorias para as ortografias inglesa, francesa, espanhola, italiana e alemã.)
 


(*) Livro da Ensinança de bem Cavalgar Toda Sela, p. 49.
(Revisto às vinte para as onze.)

Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | comentar
24 comentários:
De Luísa a 5 de Setembro de 2011
Devo dizer que desconhecia a palavra "accessível"...

E haja arrogância, propor alterações para as outras línguas... Ele é doutor nas outras lúnguas todas?!?!
Se os suíços vivem bem com o sue alemão diferente do da Alemanha e da Áustria, com o seu "huitent un" (não sei sei se se escreverá exactamente assim) em oposição ao quatre-vingt-un da vizinha França, entre outros exemplos que também abrangem o italiano acima e abaixo do lago Maggiore. Diferenças que vão da "simples" ortografia à criação de novas palavras, influenciadas por outras línguas, passando pela sintaxe e pela semântica...
Isto sem falar no inglês e nas suas milhentas formas, porque isso toda a gente menciona...

Quem é ele para vir dar bitaites sobre outras línguas?!?!?
O senhor não é Bichara, está é chalupa... e nós temos que o aturar... :S
De Bic Laranja a 5 de Setembro de 2011
Eu não o aturo. Esporeio-o, como a besta que escoiceia.
Cumpts.
De João Amorim a 5 de Setembro de 2011
caro Bic

Basta-nos pasmar pois o acordo está em velocidade TGV já nas escolas. Que carga de água havia de cair na cabeçorra dos socialistas iluminados que acharam que o futuro da língua dependia do nº de falantes. Mas alguém pode explicar a esses coisos que a língua é um património e sua alteração deve ser calma e pacífica como a queda de água numa mina?Desde quando os ingleses se preocuparam com os seus Ph? Ficamos todos mal na photografia.
De VSC a 5 de Setembro de 2011
Os pais e cada professor devem protestar e oporem-se.
De Bic Laranja a 5 de Setembro de 2011
Fica muita gente mal; mas não os que se alvoroçam. Mas isto parece que só já vai à bofetada.
Cumpts.
De VSC a 5 de Setembro de 2011
Sigo com gosto os seus posts » sobre o «acordo» e apenas lamento que dê a coisa por certa. Não vamos todos ter de encafuar nada e dar por certo o que se quer incerto é dar uma vantagem ao «acordo» e sequazes.
Há, além da ILC, tribunais nacionais e internacionais que julgarão este acto de agressão cultural de um estado contra os seus nacionais, mudando a ortografia de dezenas de milhares de palavras, tudo em nome de parolos sonhos de grandezas.
E, ao mesmo tempo, o direito de resistência do Povo Português. Deixe o modo indicativo para coisas mais certas : por exemplo, o fim deste «acordo».
De Bic Laranja a 5 de Setembro de 2011
Sim senhor. Obrigado!
De Paula a 5 de Setembro de 2011
Deixo-lhe aqui a 1ª parte deste vomitado de disparates, sendo que a das criancinhas portuguesas é a minha frase favorita.
http://odia.terra.com.br/portal/opiniao/html/2011/7/evanildo_bechara_fontes_da_reforma_ortografica_179805.html
De Bic Laranja a 5 de Setembro de 2011
No futuro as criancinhas portuguesas também lhe haverão de agradecer a gramática d' «os minino pega os peixe»?
Cumpts.
De euro-ultramarino a 5 de Setembro de 2011
Brilhante, como sempre, meu Caro Bic. Houve tempos, não muito remotos, quando havia governantes que consideravam a Nação um património moral e material - incluída aí a Língua -, herdado dos "nossos maiores" que o construíram, e cuja defesa impunha-se sobre sobre tudo mais. Há 37 anos o que resta de nossa Pátria foi transformada em simples mercearia, e de segunda ou terceira. Agora, o que resta, mais para albergue espanhol, será devida e troikamente liquidado. As bestas cornudas e os abutres de costume investem vorazmente contra os últimos vestígios de identidade, de herança, de tradição... a Língua. Quanto a mim, pobre de mim, resistirei até ao último sopro que Deus me conceder e me não vergarei a abortos ortográficos de nenhuma espécie, especialmente quando estão desenhados para agradar a brasucas, justamente os tais que fizeram o nosso Idioma sair, não da boca, mas de outro orifício. Não vou receber lições de Bicharas e quejandos ou de autores de pérolas como "deixa eu tchi falá pra vôcê", "ele mi falô pra mim", etc.
Obrigado pelo postal e pelo incessante combate.
Um abraço amigo.
De Bic Laranja a 6 de Setembro de 2011
Obrigado eu pelo estímulo. Bem sabemos que Portugal acabou (acabaram com ele). Apenas sucede que ainda há alguns Portugueses.
Cumpts.
De FERNANDO C. a 5 de Setembro de 2011
Parabéns pela coragem;não posso estar mais de acordo consigo.
Cumprimentos.
De Bic Laranja a 6 de Setembro de 2011
Obrigado!
Abraço!
De [s.n.] a 6 de Setembro de 2011
Não podia deixar de estar de acordo com tudo o que escreveu.
Há duas coisas que me arrepiam (para além de muitas outras) nesta autêntica brincadeira de adoptarmos a fala dos brasileiros nos seus variados e estranhos termos (para nós, claro) linguísticos e agora, horror dos horrores, na fonética também, visto que retirando certas consoantes mudas a determinados vocábulos estes têm que forçosamente ser pronunciados com a vogal precedente fechada. E isto é contra todas as regras gramaticais do português, seguindo as normas instituídas por insignes linguistas, estes sim, verdadeiros mestres da nossa língua materna. E para quem respeita o português tal como nos foi legado, não obstante as lentas e naturais alterações sofridas ao longo dos tempos, esse facto é inconcebível no português de Portugal. Se os brasileiros adoptaram essas normas linguísticas, isso não nos diz respeito e é lá com eles.
Mas, por favor, que não sejam importadas para a terra que lhe deu origem e que prima pela seu aperfeiçoamento sempre e quando tal se imponha.

Outra coisa que me irrita solenemente no léxico brasileiro (e note-se que eles estão no seu direito, foi assim que normalizaram a língua na sua terra) é, pelo menos na oralidade, trocarem as pessoas dos verbos, verbalizando estas na segunda pessoa do singular (ex.:tu) e aqueles na terceira pessoa do plural (ex.: vai) e isto numa única proposição!
As grandes inteligências que obraram o AO querem transportar para Portugal esta linda forma de nos expressarmos!!! Ou seja, não respeitarmos de todo em todo as regras gramaticais correctamente instituídas em Portugal. E outra aberração no dialecto brasileiro, é essa coisa estranhíssima de na mesma frase empregarem o "tu" e o "você" relativamente ao sujeito da acção! Os obreiros do AO devem considerar semelhante disparate a coisa mais natural e correcta do mundo... Claro que para os traidores da língua será, mas para nós, os que respeitamos a língua em toda a sua grandeza, é absolutamente inadmissível.

Verá que pelo andar da carruagem o que os promotores do 'acordo' vão fazer mais tarde ou mais cedo, é estatuirem por decreto-lei a adopção deste horripilante léxico (e porventura igual grafia - embora deva dizer-se que no Brasil isto só é praticado por pessoas menos instruídas, porque os brasileiros cultos sabem escrever e falar correctamente), com o pretexto cínico e hipócrita de que o léxico e a fonética 'à moda brasileira' facilitam a aprendizagem do português por parte das criancinhas, coitadinhas delas... O que os traidores se propõem fazer mais não é do que dar uma machadada final naquele que é o único bem sagrado que nos resta (o último bastião que lhes falta derrubar), como povo independente e orgulhoso dos seus Maiores - afinal aqueles que nos legaram esta lindíssima língua que amamos e acarinhamos há quase mil anos.

Criminosos é o que todos eles são. Não tem outro nome quem, por pura maldade e ódio ao povo português, tenta destruir por todos os meios ao seu alcance algo que nos pertence e nos honra sobremaneira, tanto ou mais quanto a terra onde nascemos.

Mas este sentimento sagrado, os apátridas e traidores jamais compreenderão. Eles, porque lhes está na massa do sangue, só conhecem e praticam um desde que nascem até que morrem, a traição.
Maria
De Bic Laranja a 7 de Setembro de 2011
O desacerto nos pronomes tem nome: crioulo. Aquilo não é português.
As etimologias, do que vejo, são mais desprezadas quanto maior o analfabetismo nas nações. Sucede que o analfabetismo foi sempre menos em nações que, por séculos, menos remexida trazem a orthographia: as de língua francesa e inglesa. Donde se demonstra não ser a orthographia causa nem razão de analfabetismo. Quando nas nações de mais analfabetos vejo os intelectuais proporem-se acabar com o analfabetismo simplificando a escrita - como os republicanos portugueses em 1911 e este Bichara agora com a conversa de que as criancinhas portuguesas lhe ficarão agradecidas pela supressão do pê do Egipto ("O Dia Online", 23/7/2011) - o que concluo é que esses intelectuais de pacotilha não passam de letrados mais estúpidos e perigosos do que os seus analfabetos e iletrados compatriotas. Eles não percebem os dados do problema e, obrando em esplendor na sua esperteza saloia, apenas conseguem reciclar analfabetos em futuros "analfabetos funcionais" (que descontando o chique dá no mesmo), minando a cultura dos vindouros ao mesmo tempo que matam a dos antepassados.
Estes pseudo-intelectuais são criminosos, são. Roubar o passado e o futuro a nações ancestrais é o seu crime. E a estes que nos calharam na rifa nem a estupidez dos parvos serve de atenuante. Serem traidores a soldo é outro crime a somar.
Cumpts.
De Luísa a 8 de Setembro de 2011
Desculpe, cara Maria, mas não está completamente certa em relação ao linguajar das pessoas do outro lado do Atlântico... não é "tu vai", é "cê". Mas o que me arrepia MESMO é o "mas" e o "mais". Eles são completamente ignorantes e somam onde querem "subtrair". Do género: "Mais cê vai trabalhar?" (mas tu vais trabalhar?) Primeiro que eu "aprendesse"... um inferno, os meus olhos até se "trocavam" para ler uma mensagem escrita."Mais" o mais assustador... é que as mensagens eram de gente que "fez faculdade"...
Arrepiante! :S
De tron a 7 de Setembro de 2011
as alterações feitas a língua de Camões em 1911 e 1940 foram feitas sobretudo com o objectivo de facilitar e tornar o mais português possível, o chamado português europeu.
Na tal gramatica do tempo do Estado novo que já mencionei aqui vinha lá a explicar as saídas de letras que voltaram a entrar há pouco tempo (k,w e y) e porque letras seriam substituidas, além disso esta alteração em especial de 1940 tornou os estranjeirismos mais fáceis de serem escritos. Exemplo antes da alteração de 1940 se escrevia Foot-Ball (e até que se escreveu assim durante bastantes anos) e pós-1940 se passou a escrever Futebol
De Bic Laranja a 8 de Setembro de 2011
Como já deixei escrito, reformas destas não facilitam nada. São escolhos que só estorvam o acesso ao conhecimento do passado. São a mortalha do idioma português.
Cumpts.
De tron a 8 de Setembro de 2011
Dou-lhe toda a razão, mas hoje me saltou a tampa ao ouvir num dos telejornais que vão ensinar aos miúdos da primária e não só o aborto ortográfico, depois não se admirem que se diga assm: "De FATO a Lua é um dos maiores satélites naturais do sistema solar. Resposta: De Fato? Não ficaria melhor de calças de ganga"
De [s.n.] a 8 de Setembro de 2011
Outro acontecimento inadmissível e criminoso, dado o escandaloso ataque (mais um) à nossa cultura, de que a língua portuguesa é a sua principal vítima, é a autêntica vergonha de todas as televisões passarem diàriamente, desde o princípio da tarde até às tantas da madrugada, novelas brasileiras, umas a seguir às outras sem interrupções e quando a história de uma acaba, começa outra de imediato e isto acontece desde que a farsa democrática assentou arraiais em Portugal. Claro que todas estas manobras subreptícias e sujas tiveram desde o seu início um objectivo específico: prepararem os portugueses, sobretudo as crianças e os jovens (e todos estes as vêem) mediante uma sistemática visualização das mesmas, a aceitar sem protestar, até pela habituação, processo este cientìficamente estudado que lhes é propositadamente incutido há dezenas d'anos, o dialecto brasileiro. E os portugueses, sem se darem conta da pulhice que lhes tem vindo a ser preparada nas costas desde o início da 'democracia' e sem voto na matéria - como aliás nunca o tiveram em tudo o que de transcendente, política, económica e culturalmente lhes tem sido imposto com força de lei - vêem, já sem reacção ou luta (com honrosíssimas excepções) o culminar da traição à sua língua através do indigno AO.

Como hoje li de passagem (ainda não comprei o jornal, que não dispenso) num título de capa do jornal O Diabo, os portugueses deveriam recusar-se a adoptar o AO.
Parabéns duplos a quem tão ajuízada quão assertiva opinião proclama alto e bom som sobre esta inominável temática. Sem medo dos impostores e dos traidores. Alguém que fala assim terá indubitàvelmente voto na matéria. É justamente esta corajosa atitude que todos os portugueses de bem terão que tomar ràpidamente. Antes que o respectivo diploma seja votado na Assembleia da República.

Mas isto das novelas brasileiras em catadupa tem mais do que uma finalidade e essa outra, obscura e vergonhosa, creio que toda a gente com princípios morais e cívicos bem enraízados já terá detectado há muito. Aliás ela está à vista desarmada.

Muito obrigada pelas suas sempre sábias palavras.
Maria
De Bic Laranja a 8 de Setembro de 2011
As telenovelas são outra mortalha, mas não só do idioma. São-no da ovelhada toda.
O «Diabo» é o único jornal além do «Público» que tem denunciado veementemente toda esta desgraça, honra lhe seja.
Cumpts.
De tron a 16 de Setembro de 2011
esta gramática me foi oferecida pela minha mãe quandof eu fui para a 4ª classe, a edição que eu tinha era de 1940 ou algo perto disso
De Bic Laranja a 16 de Setembro de 2011
Cumpts.
De tron a 17 de Setembro de 2011
uma reedição de 1940 que me foi muito útil e nunca esqueci o jeito que ela me dava

Comentar

Fevereiro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
17
18
19
22
23
24
25
26

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____