13 comentários:
De Alves Pereira a 19 de Setembro de 2011
daqui a nada, nada é erro; assim, vamos ter uma população co o mais elevado grau de cultura (ou coltura?) é que isto, só a tiro.
De Carlos Portugal a 19 de Setembro de 2011
Incultos, semi-analfabetos, um rebanho fácil de enganar e conduzir ao redil...Tem toda a razão, Caro Alves Pereira, isto só a tiro... Ou, como diria um conselheiro assisado a El-Rei D. João II: «Messire, é mister passá-los à espada...»

Cumprimentos.
De Alves Pereira a 20 de Setembro de 2011
Caro Portugal:
sabe que, de certo modo, tenho inveja do seu nome? é que, ao dirigir-me a si, estou também a fazê-lo a todos os que, como nós, compõem a Nação Portuguesa, sim, que essa, por doente, não está morta...
quanto ao seu comentário, que agradeço: notável.
Cumprimentos
De Carlos Portugal a 21 de Setembro de 2011
Caro Amigo:
Eu é que agradeço a sua gentileza e asua sensibilidade.
Muito obrigado.
Cumprimentos.
De Bic Laranja a 19 de Setembro de 2011
É essa a ideia. Abolir o erro. Só assim «nóis pega os peixe».
Cumpts.
De Alves Pereira a 20 de Setembro de 2011
Caro Bic:
é isso justamente (ou deveria dizer áí ? esse é, de certeza, o seu (desses desgraçados) desiderato, mas há uma coisa que sempre me confundiu desde o início deste malfadado projecto: o que terão em mente esses tipos?
ele há comportamentos desviantes (não pense que me não adapto à futilidade do jet-seis , eh, eh)que eu posso compreender e não aceitar, ou aceitar e não compreender, mas , neste caso, nem uma coisa nem outra; haverá alguém que me consiga explicar isto?
Cump.

Comentar